Brasil

Mulher pede socorro usando redes sociais

Após mulher compartilhar foto pedindo socorro, PRF prende autor de violência domestica.

diario da manha

Na última quinta feira (25), um caminhoneiro foi preso em flagrante após violência domestica. O homem de 41 está sendo acusado de manter em cárcere privado e agressão física sua esposa de 38 anos. Contudo, a mulher pediu socorro nas redes sociais e ele foi preso no quilometro 78 da BR-153, em Bady Bassitt.

De acordo com as investigações a policia recebeu as imagens da mulher compartilhadas na internet, afirmando que sofria agressões do companheiro. O casal que é de Anápolis e seguia de Santa Catarina até Brasília, com carga de madeira no caminhão.

Os policiais conseguiram a placa do veículo a partir do relato da vítima e os abordaram em São Paulo. A mulher apresentava sinais de agressão no rosto e afirmou que sofria as agressões aos agentes. Já o caminhoneiro foi detido e levado à delegacia. Ele se encontra preso pelos crimes de cárcere privado e violência domestica.

Segundo a PRF o mesmo já era investigado pelo mesmo crime, mas não havia medida protetiva contra ele. A mulher foi ouvida e passou pelo exame de corpo de delito.

Campanha “sinal vermelho”

A campanha se trata de uma iniciativa criada em junho de 2020, com o intuito de ajudar mulheres vítimas de violência doméstica. A iniciativa é entre o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB).

De acordo com o G1, a CNJ, explica que a campanha é para mulheres que sofrem agressão, conseguirem pedir ajuda. Inicialmente a proposta era parcerias com as farmácias no país todo, mas a mesma foi criando forças também nas redes sociais.

O protocolo é simples, basta a vitima fazer um “X” vermelho na palma da mão com caneta ou até mesmo batom. Com isso, a mulher sinaliza que está sofrendo uma violência e recebe a ajuda de comerciantes, os mesmos devem acionar a polícia.

Envie fotos, vídeos, denúncias e reclamações para a equipe DM Online. Www.dm.jor.br pelo WhatsApp (62) 98322-6262 ou entre em contato pelo (62) 3267-1000

Comentários