Brasil

Idoso de 65 anos é enganado e transfere R$10 mil reais para golpistas

Para o delegado do caso, é importante sempre desconfiar de ligações e SMS solicitando de pagamentos via telefone

diario da manha
FOTO/DRCC

A vítima que é servidor público federal aposentado, transferiu uma quantia no valor de R$ 10 mil para um banco digital após golpistas se passarem por seu filho. Nas conversas pelo WhatsApp os golpistas convencem amigavelmente o idoso à fazer a transferência. O idoso é um, entre muitas vítimas do crime praticado por um grupo de golpistas na internet.

A Delegacia de Repressão a Crimes Cibernéticos (DRCC), deflagrou a operação Sexagenários e revelou um esquema criminoso que mirava, principalmente, servidores públicos federais aposentados. As investigações apontaram que, em média, os golpistas faturavam cerca de R$ 12 mil mensais, sem sair de casa. Utilizando apenas dos bancos de dados ilegais da internet para conseguir dados pessoais e familiar das vítimas.

O esquema acontecia de forma arquitetada. O grupo criminoso criava perfis fakes no WhatsApp usando imagens e os nomes de familiares e amigos das vítimas, para que depois de uma conversa amistosa, fosse solicitado o depósito de valores nas contas de terceiros.

Um dos presos chegou a afirmar ser “difícil resistir” em razão da facilidade na forma de ganhar dinheiro. Além disso, os presos confessaram que o objetivo era sempre fazer três vítimas por semana, provocando um prejuízo de pelo menos R$ 1 mil em cada uma das vítimas. A missão era “recrutar” contas bancárias que pertenciam a terceiros e que seriam usadas no recebimento do dinheiro faturado.

Para o delegado da DRCC, Dário de Freitas Júnior, é importante sempre ficar atento e não passar qualquer tipo de informações ou códigos por telefone.

“Sempre desconfie de ligações que solicitem a confirmação de recebimento de um número por SMS. Em caso de conversas apenas pelo app, ligue ou peça para a pessoa retornar à ligação a fim de ter certeza que não se trata uma fraude. Por fim, ative a verificação em duas etapas. Desse modo, ainda que o criminoso obtenha o acesso ao código enviado por SMS, ele não conseguirá acessar sua conta” afirma.

*Com informações do Metrópoles

Leia também:

Comentários