Saúde

Tem nanismo e mais de 18 anos? Saiba como se vacinar contra a Covid-19  

Plano Nacional do Ministério da Saúde prevê documentos necessários para comprovação de deficiência   

diario da manha
Giovanna Taglialegna, de 23 anos, com Displasia Diastrófica, conseguiu a vacina por deficiência permanente em Areado, no Sul de Minas Gerais

O Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação  Contra a Covid-19 do Ministério da Saúde (MS) prevê a vacinação de pessoas com deficiências que estejam, ou não, cadastrados no Benefício da Prestação Continuada (BPC). Para quem tem nanismo, segundo o Ministério, é preciso apresentação de qualquer documento comprobatório, seja laudo médico, cartões de gratuidade no transporte público que indique condição de deficiência ou ainda documentos comprobatórios de atendimento em centros de reabilitação ou unidades especializadas no atendimento de pessoas com deficiência.     
  
Inicialmente, o Ministério da Saúde priorizou a vacinação de pessoas com deficiência e cadastro na BPC. Quem tem nanismo e possui alguma comorbidade também teve a oportunidade de se vacinar antes.Agora, em todo o país, pessoas com deficiência já podem ser vacinadas contra a Covid-19 e muitas cidades avançam por idade, chegando a menos de 50 anos em grande parte do Brasil. Maria Thereza Coelho, de 37 anos, é industriária e tem acondroplasia, mas se vacinou antes por comorbidades em Catalão (GO). Ela afirma que na cidade, por exemplo, a vacinação de pessoas com deficiência de uma forma geral ocorreu com carteirinhas do transporte público ou ainda da associação de deficientes da cidade. Na capital do Estado, em Goiânia, um formulário único foi disponibilizado pela prefeitura.   
  
Monalisa Ned, que possui Displasia Espondiloepifisária se imunizou em São Paulo, capital. Giovanna Taglialegna, de 23 anos, com Displasia Diastrófica, conseguiu a vacina por deficiência permanente em Areado, no Sul de Minas Gerais. O ator gigante Léo, que também tem Displasia Diastrófica, recebeu a primeira dose da vacina no Rio de Janeiro e deixou um recado: “não adianta só um se vacinar, todos precisamos vacinar para mandar esse vírus embora de uma vez por todas e voltar a viver a vida de antes da pandemia. Faça sua parte, vacine-se, cuide da sua saúde e também da do próximo”.   
  
Segundo dados do Ministério da Saúde, mais de 357mil pessoas com deficiência permanente receberam a 1ª dose da vacina contra a Covid-19 no país, e 11.637 a 2ª dose. É preciso ressaltar que apenas quem recebe as duas doses da vacina está imunizado. No país todo, mais de 44 mil pessoas que deveriam ter retornado para o reforço não se imunizaram por completo mesmo tendo doses disponíveis nos postos de saúde.   

Confira a íntegra das exigências para pessoas com deficiência do Plano Nacional de Operacionalização da Vacina contra a Covid-19 do Ministério da Saúde  
  
“A deficiência deverá ser preferencialmente comprovada por meio de qualquer documento comprobatório, desde que atenda ao conceito de deficiência permanente adotado nesta estratégia, podendo ser: laudo médico que indique a deficiência; cartões de gratuidade no transporte público que indique condição de deficiência; documentos comprobatórios de atendimento em centros de reabilitação ou unidades especializadas no atendimento de pessoas com deficiência; documento oficial de identidade com a indicação da deficiência; ou qualquer outro documento que indique se tratar de pessoa com deficiência.  
  
Caso não haja um documento comprobatório será possível a vacinação a partir da autodeclaração do indivíduo, nesta ocasião o indivíduo deverá ser informado quanto ao crime de falsidade ideológica (art.299 do Código Penal)”.

Leia também:

Comentários