Política & Justiça

Pedido para apreensão dos celulares de Jair Bolsonaro e Carlos Bolsonaro é enviado à PGR

Pedido foi encaminhado à PGR após parlamentares apresentarem três notícias-crimes ao ministro Celso de Mello do STF

diario da manha
Foto: Reprodução

A Procuradoria Geral da República (PGR) recebeu nesta sexta-feira (22/5) o pedido de apreensão dos celulares do presidente Jair Bolsonaro (Sem partido) e de seu filho o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos – RJ), feito pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Celso de Mello.

O pedido para apreensão dos aparelhos foi feito com base em três notícias-crimes apresentadas por outros partidos e parlamentares, que buscam novos desdobramentos sobre a investigação da suposta interferência do presidente na Polícia Federal (PF).

No pedido que foi enviado à PGR o ministro alegou que é dever jurídico do estado promover as investigações de autoria e materialidade dos fatos denunciados por qualquer pessoa do povo.

Investigações da suposta interferência de Bolsonaro na PF, começaram após pedido de demissão do ex-ministro Sergio Moro

No dia 24 de abril o até então ministro da Justiça, Sérgio Moro, concedeu coletiva, onde narrou as razões de estar deixando o governo. Após as declarações de Moro, o Procurador-Geral da República, Augusto Aras, encaminhou o pedido ao STF para apurar as declarações do ex-ministro.

Com o pedido de investigação autorizado pelo supremo, o ministro Celso de Mello foi sorteado como relator do processo. Além da apreensão dos aparelhos o decano solicitou também outros depoimentos, além dos já prestados no inquérito.

Conforme as informações divulgas é usual que o ministros do STF adotem essa medidas, para que a PGR possa analisar os fatos. Augusto Aras já teve outros pedidos como esse presentes no inquérito por parlamentares, devido a entender que esse tipo de investigação é de competência do Ministério Publico Federal (MPF).

*Com informações do G1

Comentários