Política & Justiça

Aliado de Cunha, Jovair Arantes cotado para assumir presidência

 Líder da Bancada do PTB é um dos favoritos para manter o grupo do peemedebista no poder

 

Com Eduardo Cunha (PMDB/RJ) mergulhado na crise política a partir do envolvimento do seu nome com denúncias de corrupção e desvio de dinheiro da Petrobras, cujas revelações foram feitas através da Operação Lava Jato, já surgem os favoritos para ocupar a presidência da Câmara Federal: entre os nomes citados, está o do líder da bancada federal do PTB, o goiano Jovair Arantes.

Nos bastidores, os seguidores de Eduardo Cunham dão preferência para dois deputados próximos ao atual presidente da Câmara: o próprio Jovair Arantes e Andre Moura (PSC/SE). A estratégia é a de manter no comando da Casa um nome que siga as orientações de Cunha e garanta o apoio do chamado baixo clero, isto é, os deputados com pouca expressão política no Congresso Nacional.

Jovair Arantes exerce, pela quinta vez consecutiva, a liderança do PTB na Câmara Federal, o que dá ao parlamentar goiano maior visibilidade e influência política no Parlamento. Defendeu o apoio dos trabalhistas durante os dois governos de Lula e de Dilma. Atualmente, tem alinhamento político ao Palácio do Planalto, já que indicou aliados para cargos expressivos, como na Conab e Caixa Econômica Federal. Jovair Arantes é sempre bem avaliado pelo Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap), destacando-se como articulador nos bastidores do Congresso Nacional.

Na eleição de Eduardo Cunha, em fevereiro passado, resistiu às pressões do Palácio do Planalto para apoiar o petista Arlindo Chinaglia para seguir fiel ao peemedebista. “Estou com Eduardo Cunha até debaixo d’água”, repete Jovair Arantes pelos corredores da Câmara Federal, quando indagado sobre se vai se pedir a renúncia do presidente da Câmara Federal, após a divulgação de documentos que atestam que Cunha tem dinheiro aplicado em bancos da Suíça, sob a suspeita de que se tratam de recursos desviados da Petrobras.

O líder do PTB na Câmara Federal chegou a se indispor com a presidente nacional do partido, deputada Cristiane Brasil (filha do ex-deputado Roberto Jefferson) por não aceitar o rompimento dos trabalhistas com o governo Dilma. Jefferson chegou a apresentar representação no Conselho de Ética do Diretório Nacional do PTB pedindo a expulsão de Jovair Arantes.

Outras opções

Se Eduardo Cunha realmente renunciar, como é a aposta da maioria da bancada do PMDB na Câmara, quem assume é o vice, Waldir Maranhão (PP-MA). Ele teria cinco sessões para convocar novas eleições. O eleito assumiria o comando da Câmara pelo tempo que restaria a Cunha, ou seja, até janeiro de 2017.

O comando do PMDB sabe que o líder da bancada na Casa, Leonardo Picciani (RJ), irá pleitear o cargo, mas considera improvável que ele consiga apoio suficiente para viabilizar seu nome depois de ter batido de frente com os deputados para indicar dois ministros na reforma ministerial.

Na tentativa de conseguir um consenso, tem ganhado força a indicação de “nomes históricos” da legenda que sejam independentes, mas que passem a imagem de estabilidade diante da crise política. Nessa linha, são lembrados Osmar Serraglio (PR), que relatou a CPI dos Correios, e José Fogaça (RS), que já foi prefeito de Porto Alegre.

O ex-governador de Pernambuco Jarbas Vasconcelos é também cotado e tem o apoio da oposição. Por já ter defendido a renúncia da presidente Dilma, no entanto, sofre resistência de peemedebistas governistas.

No momento, porém, nem aliados e auxiliares de Cunha acreditam que ele tenha condições de fazer um sucessor. Há também outros nomes com interesse em assumir a Câmara, mas que têm pouca força: Silvio Costa (PSC-PE), Jandira Feghali (PCdoB-RJ), Alessandro Molon e Miro Teixeira, ambos da Rede-RJ. (Com informações da Folhapress)

PERFIL

Jovair Arantes

Natural de Buriti Alegre (GO)

Formado em Odontologia pela Faculdade de Odontologia de Anápolis (1981)

Começou a carreira política como vereador em Goiânia pelo PMDB (1988)

Presidiu a Iquego (1987)

Secretário de Saúde de Goiânia (1989 a 1990)

Deputado estadual pelo PSDB (1990)

Vice-prefeito de Goiânia pelo PSDB (1992) na chapa encabeçada por Darci Accorsi (PT)

Presidiu a Comurg (1993)

Deputado federal pelo PSDB (1994) e acumula cinco mandatos

Presidiu a Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público da Câmara Federal

Líder da Bancada Federal do PTB

Presidente estadual do PTB

Incluido, pela décima primeira vez, na lista dos “Cabeças do Congresso Nacional, pelo Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap)

Comentários