Opinião

SpaceX e Boeing brincando de “pique”?

diario da manha

Eu ten­to, ten­to mes­mo, é ver­da­de, é a pu­ra ver­da­de, ten­to, mas, não con­si­go, ali­ás, nun­ca con­se­gui fa­zer jus ao tí­tu­lo no pri­mei­ro pa­rá­gra­fo, afi­nal, o mi­se­ri­cor­di­o­so lei­tor, que me acom­pa­nha, ali­ás, que me to­le­ra, sa­be que, mui­to an­tes de se fa­lar nas tais de “fake news”, no­tí­cias men­ti­ro­sas, fal­sas no­tí­cias, sem­pre ini­cio os ar­ti­gos ali­ás, me­lhor, sem­pre uti­li­zo o pri­mei­ro pa­rá­gra­fo pa­ra “dar uma de bom”, co­mo brin­cam os ami­gos, sim, fi­co re­pe­tin­do que não min­to, que co­mi­go é só a ver­da­de, na­da além da ver­da­de e, que, quan­do, inad­ver­ti­da­men­te, pro­fi­ro al­go “um mi­lí­me­tro” fo­ra do pru­mo, da­qui­lo que acre­di­to ser ver­da­dei­ro, se es­ti­ver con­ver­san­do com al­guém pe­ço-lhe, ime­di­a­ta­men­te, des­cul­pas, pa­ra, lo­go, em se­gui­da, cor­ri­gir-me, en­fim, já afir­mei aqui, que men­tir num ar­ti­go, ou num tex­to, nu­ma pos­ta­gem que, pro­va­vel­men­te se­rá li­da por de­ze­nas, cen­te­nas, até mi­lha­res de pes­so­as, não é um pe­ca­do é uma blas­fê­mia, um sa­cri­lé­gio e, é por is­to que eu fi­co me ga­ban­do, de­pois do ad­ven­to da tal epi­de­mia de fal­si­da­des, prin­ci­pal­men­te pa­ra aque­les que fi­ca­vam me cri­ti­can­do, me­nos­pre­zan­do, ri­di­cu­la­ri­zan­do, di­zen­do que eu fi­co en­fa­ti­zan­do coi­sas ób­vias, que eu sou re­tó­ri­co, en­ro­la­dor, que eu fi­co en­chen­do lin­gui­ça, em ci­ma do mu­ro, po­li­ti­ca­men­te – e, por fa­lar nis­so, gos­ta­ria que o mi­se­ri­cor­di­o­so lei­tor les­se o ar­ti­go pu­bli­ca­do sex­ta-fei­ra, “Ca­pi­tão ou ca­pe­tão? Por­cos co­men­do por­cos?” – olha, já vou adi­an­tan­do que o tro­ca­di­lho é ape­nas uma brin­ca­dei­ra, não te­nho na­da, nem con­tra aque­le di­rei­tis­ta, que al­cu­nhei de “Sr. JB”, nem do es­quer­dis­ta, que al­cu­nhei de “Sr. FH”, sim, eu sei, e mui­to bem, o so­ci­ó­lo­go, ex-pre­si­den­te, tal­vez fi­que um pou­co ma­go­a­do, mas, ele é meu xa­rá, vai me per­do­ar, en­tão, vol­tan­do, não es­con­do, ab­so­lu­ta­men­te na­da que con­si­de­re sig­ni­fi­ca­ti­vo dos lei­to­res des­te ma­tu­ti­no van­guar­dis­ta e, bem, nes­te mo­men­to, e é sem­pre no tér­mi­no do pri­mei­ro pa­rá­gra­fo, lem­bro que os mes­tres en­si­nam que pa­rá­gra­fos lon­gos, ex­ten­sos, afu­gen­tam lei­to­res even­tua­is e is­to, ló­gi­co, o es­cre­vi­nha­dor não quer e, por­tan­to, fi­na­li­zo es­te pa­ra, no pró­xi­mo, no der­ra­dei­ro, ten­tar, fi­nal­men­te, fa­zer jus ao tí­tu­lo. Ei-lo:

Em agos­to, no ar­ti­go “Parker, Há, Fa­raó, Moi­sés e Je­sus Cris­to”, co­men­tei so­bre a “Parker So­lar Pro­be”, uma “son­da” lan­ça­da dia “12” de agos­to, após du­as pro­te­la­ções, que é o ob­je­to mais ve­loz cons­tru­í­do, ló­gi­co, pe­lo ho­mem, em to­da a his­tó­ria da “De­su­ma­ni­da­de”: 700.000 qui­ló­me­tros por ho­ra – Tó­quio à No­va York em 1 mi­nu­to! – ora, fi­co pen­san­do, quan­tos mi­lhões de qui­lô­me­tros ela per­cor­reu, nes­tes dois mes­es! Da­rá seis vol­tas no pla­ne­ta Vê­nus e se­rá ar­re­mes­sa­da, com a “aju­da” gra­vi­ta­cio­nal da­que­le pla­ne­ta, pa­ra o seu des­ti­no fi­nal, a es­tre­la Sol, aon­de or­bi­ta­rá vin­te e qua­tro ve­zes e, em­bo­ra a tem­pe­ra­tu­ra ex­ter­na der­re­ta chum­bo, den­tro da na­ve os equi­pa­men­tos fun­cio­na­rão sob a tem­pe­ra­tu­ra de me­nos de trin­ta graus, bem, nes­ta mis­são os ci­en­tis­tas “vi­rão de per­to” os ven­tos so­la­res, que pro­vo­cam sig­ni­fi­ca­ti­vas os­ci­la­ções cli­má­ti­cas no nos­so pla­ne­ta, tal­vez com­pre­en­de­rão a ra­zão da su­per­fí­cie do Sol ser me­nos quen­te que a sua “es­tra­tos­fe­ra” e ou­tras coi­si­nhas mais, mas, olha só, fi­quei com pou­co es­pa­ço pa­ra es­cre­vi­nhar so­bre a cor­ri­da es­pa­cial, ape­li­da­da de “pi­que-ban­dei­ra”, ou se­ja, a em­pre­sa Spa­ceX e a Bo­eing con­cor­rem pa­ra che­gar pri­mei­ro à Es­ta­ção Es­pa­cial In­ter­na­ci­o­nal (IIS), e, en­tre inú­me­ras mis­sões, res­ga­ta­rão uma ban­dei­ra “es­ta­du­ni­den­se” – vol­to a re­pe­tir: os ca­na­den­ses e me­xi­ca­nos tam­bém são nor­te-ame­ri­ca­nos – dei­xa­da lá em 2011, no úl­ti­mo voo da At­lan­tis, por is­so a al­cu­nha “pi­que-ban­dei­ra” en­tão, sim­pli­fi­can­do, a “Nasa” ter­cei­ri­zou, dei­xou pa­ra o se­tor pri­va­do os cus­tos, ven­de os lu­ga­res, nas cap­su­las, a pe­so de ou­ro. A Spa­ceX es­tá ga­nhan­do no mo­men­to. A cáp­su­la “Dra­gon” já es­tá no Ca­bo Ca­na­ve­ral sen­do pre­pa­ra­da pa­ra o voo no mês de abril, mês de nas­ci­men­to des­te es­cre­vi­nha­dor e da sua ca­çu­li­nha de dez anos, a Sop­hia Pe­nel­lopy que, vol­ta-e-meia, diz que vai ser en­ge­nhei­ra. Co­mo se­rá que es­tá ba­ten­do os co­ra­ções dos as­tro­nau­tas Bob Behnken e Doug Hur­ley? Até.

 

(Hen­ri­que Gon­çal­ves Di­as, jor­na­lis­ta)

Comentários