diario da manha

En­ten­do por pa­ci­fi­ca­ção o re­es­ta­be­le­ci­men­to da paz. Te­nho cer­te­za tam­bém que es­se é um cla­mor si­len­cio­so de mui­tas pes­so­as que já não con­se­gue ter tran­qui­li­da­de com os in­ten­sos bom­bar­dei­os em fun­ção do atu­al mo­men­to po­lí­ti­co bra­si­lei­ro.

Te­nho acom­pa­nha­do via re­des so­ci­ais, te­le­vi­são e di­ver­sos mei­os se­jam di­gi­tais ou im­pres­sos o que eu cha­mo de mo­men­to ne­gro. Há ata­ques dis­pa­ra­dos vin­do dos dois la­dos des­sa atu­al dis­pu­ta pre­si­den­ci­al. Ou­tro dia me ma­ni­fes­tei nas mi­nhas con­tas de re­de so­ci­ais que não me en­vi­as­sem ma­te­ri­al de cu­nho po­lí­ti­co-par­ti­dá­rio em ca­nais pri­va­dos de co­mu­ni­ca­ção. Is­so pa­ra mim é uma bai­ta fal­ta de res­pei­to. Eu não que­ro ser sub­ju­ga­do por di­tas “opi­ni­ões ver­da­dei­ras” vin­dos dos elei­to­res de am­bos os can­di­da­tos. Que­ro ter a co­e­rên­cia e exer­cer de for­ma de­mo­crá­ti­ca o de­ba­te pa­ra a es­co­lha. Um de­ba­te on­de se­ja im­pe­ra­ti­vo o di­á­lo­go amis­to­so, res­pei­tá­vel e aci­ma de tu­do es­cla­re­cen­do dú­vi­das e ques­ti­o­na­men­tos. Is­so é mui­to di­fe­ren­te de quan­do al­guém sim­ples­men­te se ir­ri­ta ca­so vo­cê não par­ti­lhe de mes­ma opi­ni­ão e ten­ta lhe sub­ju­gar e a to­do cus­to pro­var que vo­cê es­tá er­ra­do.

As pes­so­as es­que­cem que nós so­mos uma cons­tru­ção con­tí­nua de idei­as, pen­sa­men­tos, ide­o­lo­gi­as por to­da a vi­da e is­so co­me­ça no ber­ço. Se a par­tir do mo­men­to em que vo­cê com­pre­en­de o ou­tro em su­as di­fe­ren­ças e acei­ta su­as di­ver­gên­cias a pro­po­si­tu­ra de­ve ser de um di­á­lo­go em que se te­nha con­sen­so afim de pro­mo­ver pa­ci­fi­ca­ção so­ci­al e de­mo­crá­ti­ca.

Não vou ser hi­pó­cri­ta ao pon­to de di­zer que não dis­cu­to po­lí­ti­ca. Dis­cu­to sim, mas en­tre os meus, no meu cír­cu­lo fa­mi­liar e ín­ti­mo. Ás ve­zes fi­co ner­vo­so, cha­te­a­do e aca­bo di­zen­do um pou­co além, mas no fim, a uni­da­de fa­mi­liar, o res­pei­to, o en­ten­di­men­to sem­pre pre­va­le­ce. É nes­sas ho­ras que a gen­te apren­de que o ser hu­ma­no é uma má­qui­na fan­tás­ti­ca. Lhe pro­vo­ca as mais di­ver­sas sen­sa­ções, des­de em­pa­tia e sen­ti­men­tos de não em­pa­tia. Is­so é nor­mal e ine­ren­te ao ser hu­ma­no. As di­fe­ren­ças exis­tem e elas são fun­da­men­tais pa­ra que nós pos­sa­mos en­ten­der me­lhor o mun­do, as pes­so­as e a par­tir daí sa­ber usar is­so em be­ne­fí­cio pró­prio na cons­tru­ção de um sa­ber mais evo­luí­do e em­bu­ti­do com as mais di­ver­sas opi­ni­ões, se­jam se­me­lhan­tes ou di­fe­ren­tes.

MACHISMO NO AUTOMOBILISMO

Te­nho acom­pa­nha­do com mui­ta tris­te­za ata­ques de na­tu­re­za pes­so­al, di­fa­ma­tó­ri­as fei­tas por mi­lha­res de pes­so­as de am­bos os la­dos nes­se mo­men­to de­li­ca­do. Mas te­nho vis­to ra­ra­men­te  al­guém que se pro­nun­cias­se de for­ma neu­tra, ten­tan­do pro­mo­ver a paz so­ci­al e cons­tru­in­do pon­tes pa­ra o di­á­lo­go em meio a tan­tas di­fe­ren­ças.

Po­de pa­re­cer uto­pia o que de­se­jo. Mas o que eu en­ten­do por de­mo­cra­cia é a cons­tru­ção de um di­á­lo­go en­tre pes­so­as de di­fe­ren­tes cre­dos e ver­ten­tes po­lí­ti­cas em que ca­da um ex­põe su­as for­mas de ser e ver o mun­do sem que ha­ja ata­ques a dig­ni­da­de hu­ma­na. En­ten­do por de­mo­cra­cia uma so­ci­e­da­de jus­ta, fra­ter­na, co­e­ren­te e com res­pon­sa­bi­li­da­de pa­ra com to­dos, in­de­pen­den­te de sua op­ção po­lí­ti­ca.

Hou­ve um tem­po, anos atrás, em que eu pu­bli­ca­va nas mi­nhas re­des so­ci­ais ma­te­ri­ais de cu­nho po­lí­ti­co-par­ti­dá­rio. Hou­ve um tem­po em que eu fa­zia par­te de pes­so­as que que­ri­am im­por e só acei­tar a pró­pria opi­ni­ão. Os tem­pos pas­sam e o ama­du­re­ci­men­to vem na for­ma de de­se­jar so­men­te que nos­so pa­ís se­ja um lu­gar me­lhor pa­ra se vi­ver, in­de­pen­den­te de quem es­tá no po­der. De­se­jo que o Go­ver­nan­te aja com sa­be­do­ria, res­pei­to e bus­que um di­á­lo­go de en­ten­di­men­to pa­ra com seus ad­ver­sá­rios.  Que não se­ja cor­rom­pi­do pe­las fa­ce­tas enig­má­ti­cas do po­der. Que res­ga­te no seu âma­go um de­se­jo de um Bra­sil me­lhor, res­ga­tan­do a ino­cên­cia de uma cri­an­ça que não en­xer­ga di­fe­ren­ças. En­xer­ga paz, fra­ter­ni­da­de e de­se­jo de uni­ão.

Fa­çam a es­co­lha do seu can­di­da­to, mas lem­brem que os seus se­me­lhan­tes não pre­ci­sam pen­sar co­mo vo­cê. Bas­ta que o pen­sa­men­to co­mum de to­dos nós se­ja a pa­ci­fi­ca­ção so­ci­al e pro­cu­rar o ver­da­dei­ro exer­cí­cio da ci­da­da­nia e de­mo­cra­cia.

Re­des so­ci­ais pa­ra mim, nas pa­la­vras do meu pai, são inu­ti­li­da­des di­á­rias em que nos di­ver­ti­mos e po­de­mos nos dis­tra­ir um pou­co em meio ao nos­so in­ten­so dia-a-dia. Ca­da um tem li­ber­da­de de fa­zer o que qui­ser. Ob­via­men­te, 90% ou mais das pu­bli­ca­ções nas re­des tem si­do so­bre po­lí­ti­ca. Fi­co fe­liz pe­lo in­te­res­se, mas re­pro­vo ve­e­men­te a ma­nei­ra co­mo tem acon­te­ci­do, a pon­to de aba­lar re­la­ções pes­so­ais. É pre­ci­so re­pen­sar a pró­pria pos­tu­ra, an­tes de cri­ti­car a es­co­lha do ou­tro. Vo­cê tem o di­rei­to de dis­cor­dar, mas ja­mais de fe­rir a dig­ni­da­de hu­ma­na do ou­tro. Que pos­sa­mos vi­ver em paz. Re­ce­bam o abra­ço de um des­co­nhe­ci­do co­mo eu que so­men­te lhe de­se­ja que vo­cê es­te­ja em paz e li­vre pa­ra fa­zer su­as es­co­lhas.

 

(Ri­car­do Car­nei­ro Ro­cha Li­cen­cia­do e Ba­cha­rel em  Edu­ca­ção Fí­si­ca)

tags:

Comentários