Opinião

Liberdade irrestrita se transforma em libertinagem anarquia

diario da manha

Pos­so não con­cor­dar com ne­nhu­ma das pa­la­vras que dis­ser, mas de­fen­de­rei até a mor­te o di­rei­to de vo­cê di­zê-las. Vol­tai­re – ou Evelyn Be­a­tri­ce Hall.

Fran­cois-Ma­rie Arou­et [Vol­tai­re- (1694-1778- 83 anos} foi um dos fi­ló­so­fos ilu­mi­nis­tas. Pe­las su­as idei­as po­de ser con­si­de­ra­do o pai ou de­fen­sor do li­be­ra­lis­mo, não ape­nas no sen­ti­do po­lí­ti­co, mas co­mo sis­te­ma de con­du­ta de ple­na li­ber­da­de do in­di­ví­duo. Ele, ape­sar de ter vi­vi­do em uma épo­ca de mui­to dog­ma­tis­mo, mui­tas res­tri­ções in­di­vi­dua­is, se opôs ener­gi­ca­men­te a to­das as ins­ti­tu­i­ções que im­pu­nham res­tri­ções de ex­pres­são e opi­ni­ão  ao ci­da­dão. Não eco­no­mi­zou crí­ti­cas se­quer à igre­ja ca­tó­li­ca da épo­ca nem aos sis­te­mas po­lí­ti­cos (mo­nar­quias ab­so­lu­tis­tas) e aos pri­vi­lé­gios de clé­ri­gos e no­bres de en­tão. Pe­lo seu ide­a­lis­mo de li­ber­da­de so­freu per­se­guiu dos lí­de­res ca­tó­li­cos e reis . Em fun­ção de tais ex­pe­di­en­tes per­se­cu­tó­rios, exi­lou-se na In­gla­ter­ra.

E as­sim com es­te mo­te, com as idei­as de um ilu­mi­nis­ta do sé­cu­lo XVI­II, eu des­cre­vo so­bre as li­ber­da­des, pre­ga­das, de­fen­di­das e pra­ti­ca­das no sé­cu­lo XXI. Uma com­pi­la­ção e con­fron­ta­ção do que nas­ceu no sé­cu­lo das lu­zes( Ilu­mi­nis­mo Fran­cês) com o que se tem ho­je, o sé­cu­lo da vi­da di­gi­tal. Tris­te e de­pri­men­te é se re­gis­trar que pas­sa­dos mais de dois sé­cu­los, ain­da se ve­em pe­lo pla­ne­ta, na­ções in­tei­ras vi­ven­do os hor­ro­res da re­pres­são, a vi­o­la­ção e vi­o­lên­cia con­tra os di­rei­tos hu­ma­nos, a rí­gi­da cen­su­ra às li­ber­da­des de ex­pres­são, de opi­ni­ão e até re­li­gi­o­sa. Co­mo exem­plos:  os re­gi­mes co­mu­nis­tas de Cu­ba e Co­réia do Nor­te e di­ta­du­ras no con­ti­nen­te Afri­ca­no e Te­o­cra­cias co­mo as da Ará­bia Sa­u­di­ta e Irã.

Mas, va­mos en­tão ao te­ma li­ber­da­de. “Li­ber­da­de! Li­ber­da­de! Abre as asas so­bre nós! “  Me­dei­ros de Al­bu­quer­que- no hi­no de pro­cla­ma­ção da re­pú­bli­ca.

Se abri­mos qual­quer bom di­ci­o­ná­rio ou en­ci­clo­pé­dia lá es­tá con­sig­na­do o con­cei­to de li­ber­da­de. Den­tre os sen­ti­dos mais ba­si­la­res é o di­rei­to de ir e vir, o di­re­to que am­pa­ra a ca­da um de agir con­for­me sua pró­pria von­ta­de e li­vre-ar­bí­trio. O di­rei­to por exem­plo da mo­bi­li­da­de se cons­ti­tui no mais sa­gra­do da pes­soa hu­ma­na. Tan­to que a Jus­ti­ça, des­de os pri­mór­di­os da or­ga­ni­za­ção dos Es­ta­dos, cri­ou a pri­va­ção da li­ber­da­de co­mo a pe­na mais apli­ca­da a cri­mes con­tra a vi­da e fi­nan­cei­ros (cor­rup­ção).

E de fa­to, ti­ran­do a pe­na de mor­te, cons­ti­tui na per­da da mai­or das li­ber­da­des, no mais ele­men­tar dos di­rei­tos que é o de ir e vir. Bas­ta lem­brar de quan­do o in­di­ví­duo so­fre um con­fi­na­men­to por res­tri­ção mé­di­ca. Ima­gi­ne a pes­soa que pas­sa por uma ci­rur­gia or­to­pé­di­ca. Ela tem ple­na lu­ci­dez, con­sci­ên­cia e de­se­jos. Mas sem po­der se des­lo­car de for­ma au­tô­no­ma e in­de­pen­den­te. Aqui com to­da as­sis­tên­cia de en­fer­mei­ros, fi­si­o­te­ra­peu­tas e o ca­ri­nho de fa­mi­lia­res. Ago­ra, ao con­trá­rio, o in­di­ví­duo, jul­ga­do por um tri­bu­nal, um ju­ra­do, às ve­zes, cen­su­ra­do e exe­cra­do pe­la so­ci­e­da­de, pe­la im­pren­sa e jo­ga­do nu­ma ce­la ou so­li­tá­ria, vi­gi­a­do por câ­ma­ras e car­ce­rei­ros! Re­ve­la-se nu­ma pe­na das mais cru­éis. Tan­to as­sim que há pes­so­as que não re­sis­tem e su­i­ci­dam-se.

Tra­ta-se, a pri­va­ção da li­ber­da­de de lo­co­mo­ção ,  a  for­ma mais cru­el de per­se­gui­ção e vin­gan­ça ofi­ci­al im­pos­ta pe­lo Es­ta­do, que no ca­so re­pre­sen­ta a so­ci­e­da­de. Tan­to é as­sim que o mai­or so­nho de um con­de­na­do é a re­cu­pe­ra­ção de sua li­ber­da­de. Daí sur­giu o ins­ti­tu­to do ha­be­as cor­pus, do la­tim,  te­nha o seu cor­po.

Tra­zen­do o te­ma li­ber­da­de ao con­tex­to bra­si­lei­ro. O su­pre­mo tri­bu­nal fe­de­ral, e aci­ma des­te, a pró­pria cons­ti­tu­i­ção, tem co­mo cláu­su­la pé­trea a li­ber­da­de. Diz a cons­ti­tu­i­ção fe­de­ral em seu ar­ti­go 220. A ma­ni­fes­ta­ção do pen­sa­men­to, a cri­a­ção, a ex­pres­são e a in­for­ma­ção, sob qual­quer for­ma, pro­ces­so ou ve­í­cu­lo não so­fre­rão qual­quer res­tri­ção, ob­ser­va­do o dis­pos­to nes­ta cons­ti­tu­i­ção.

Pron­to, não pre­ci­sa ne­nhum ar­gu­men­to a mais. Adi­cio­na­do ao di­rei­to de ir e vir aqui es­tão ex­pres­sos os mais lí­di­mos e jus­tos di­re­tos de que  go­za o in­di­ví­duo.

Em sen­ti­do glo­bal se­rá que li­ber­da­de é o di­rei­to que as­sis­te a ca­da pes­soa de ela fa­zer e ex­pres­sar tu­do con­for­me sua von­ta­de e seu li­vre-ar­bí­trio? A res­pos­ta é não, não e não!

Do con­trá­rio o as na­ções  e a so­ci­e­da­de se tor­na­ri­am anár­qui­cas (de­sor­ga­ni­za­das) e es­qui­zo­frê­ni­cas, ti­po uma nau dos in­sen­sa­tos( tí­tu­lo de li­vro e fil­me).

A pró­pria cons­ti­tu­i­ção e leis in­fra­cons­ti­tu­ci­o­nais já têm es­sa pre­vi­são le­gal. Des­sa for­ma, fi­cam bem es­ta­be­le­ci­dos os cri­té­rios no con­cer­nen­te às li­ber­da­des in­di­vi­dua­is. Li­ber­da­de, di­rei­to de agir as­sim ou as­sa­do  com a con­di­ção de não pre­ju­di­car ou­tra pes­soa. Por­que nes­se ca­so ca­da pes­soa es­tá su­jei­ta ao con­tra­di­tó­rio e de res­pon­der ju­di­cial­men­te por ofen­sas e da­nos ma­te­ri­ais e mo­ra­is. Sim­ples, as­sim.

O meu di­rei­to se es­ten­de até on­de co­me­ça o di­rei­to do ou­tro. Des­se ou­tro  não ter in­va­são de seu lar, de seu pa­tri­mô­nio, de não so­frer in­fa­ma­ção, de pre­ser­va­ção de sua in­ti­mi­da­de e da­dos pes­so­ais, de não ser ví­ti­ma de ne­nhu­ma for­ma de as­sé­dio (mo­ral ou se­xu­al).

De igual for­ma to­dos os ve­í­cu­los de in­for­ma­ção, de im­pren­sa. In­clu­si­ve as tão mas­si­vas e ubí­quas re­des so­ci­ais. A li­ber­da­de de im­pren­sa pre­vê que qual­quer jor­na­lis­ta ou ve­í­cu­lo de im­pren­sa di­vul­gue fa­tos e acon­te­ci­men­tos que se­jam ver­da­des re­ais e não me­ros fac­toi­des ou con­jec­tu­ras. Nes­te sen­ti­do tu­do aqui­lo que não ti­ver pro­va do­cu­men­tal, ma­te­ri­al ou au­dio­vi­su­al cons­ti­tu­i­rão as tão per­nós­ti­cas, re­bar­ba­ti­vas e cor­ro­si­vas men­ti­ras, as Fake News, ou fo­fo­cas, co­mo co­nhe­cias no po­pu­lar.

E elas , as fake News, as fo­fo­cas, as in­fâ­mias, as di­fa­ma­ções  pu­lu­lam co­mo pa­ra­si­tas ou vo­am co­mo mu­ri­ço­cas nes­ses te­ne­bro­sos tem­pos de elei­ções no Bra­sil, com mui­tas  es­ca­ra­mu­ças en­tre apoi­a­do­res dos can­di­da­tos e os pró­prios can­di­da­tos, num au­tên­ti­co pu­gi­la­to ou UFC dos tem­pos vir­tu­ais . Co­mo ins­tru­men­tos e ve­to­res as tão in­cen­su­rá­veis , li­ber­tá­ri­as e li­ber­ti­nas Re­des So­ci­ais( aqui co­mo co­ne­xões hu­ma­nas das mais in­so­ci­á­veis ) .   Ou­tu­bro/2018

 

(Jo­ão Jo­a­quim – mé­di­co – ar­ti­cu­lis­ta DM   fa­ce­bo­ok/ jo­ão jo­a­quim de oli­vei­ra  www.drjo­ao­jo­a­quim.blog­spot.com – What­sApp (62)98224-8810)

 

Comentários