Opinião

Fiquei a ver navios sem ver o navio

diario da manha

Há um di­to po­pu­lar: “fi­car a ver na­vi­os”, is­to é, so­frer uma de­cep­ção, no aban­do­no, sem ru­mos. Co­mi­go se deu al­go se­me­lhan­te, mas, por uma iro­nia da sor­te, hou­ve o con­trá­rio: fi­quei sem ver o na­vio, im­pe­di­do até mes­mo de as­sis­tir à sua par­ti­da le­van­do mi­nha es­po­sa, ho­je já na vi­da es­pi­ri­tual, al­guns ami­gos e pa­ren­tes pa­ra um cru­zei­ro com des­ti­no à Ar­gen­ti­na.

Foi no por­to de San­tos, no ano de 2006, quan­do não me dei­xa­ram em­bar­car no tran­sat­lân­ti­co “Cos­ta Ro­mân­ti­ca” de uma em­pre­sa ita­li­a­na que ex­plo­ra o tu­ris­mo ma­rí­ti­mo nes­se po­bre Pa­ís tão cheio de en­can­tos, em cu­jo vas­to e be­lo li­to­ral não se vê nos­sa ban­dei­ra tre­mu­lan­do em na­vi­os de ve­ra­neio.

Sem ter re­ce­bi­do mi­nu­ci­o­sos es­cla­re­ci­men­tos so­bre a do­cu­men­ta­ção exi­gi­da pa­ra a vi­a­gem, mas uma sim­ples in­for­ma­ção de que bas­ta­ria ape­nas o car­tão de iden­ti­da­de-RG, não acei­tan­do ou­tros co­mo CRM, CRO, CNH, etc., com­pa­re­ci ao cais, na tar­de de um sá­ba­do, por­tan­do a car­tei­ra da OAB e a iden­ti­da­de emi­ti­da pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co do Es­ta­do de Go­i­ás, do­cu­men­tos es­ses que tra­zem bem ex­pres­so o RG da iden­ti­fi­ca­ção ci­vil co­mum.

Pois bem, ou me­lhor, pois mal, ao me apre­sen­tar no aten­di­men­to de che­ga­da, pa­ra o cha­ma­do “check-in” (pe­dan­te an­gli­cis­mo que des­na­tu­ra nos­so lin­gua­jar), já com a ba­ga­gem den­tro do na­vio, qual não foi mi­nha sur­pre­sa quan­do a re­cep­cio­nis­ta me dis­se que os do­cu­men­tos não se­ri­am acei­tos pa­ra o em­bar­que. Meu ve­lho car­tão de iden­ti­da­de ci­vil fi­ca­ra em Go­i­â­nia e só com es­te eu po­de­ria em­bar­car.

So­li­ci­tei, en­tão, uma au­diên­cia com re­pre­sen­tan­tes da em­pre­sa Cos­ta Cru­zei­ros, que me le­va­ram ao ga­bi­ne­te da Po­lí­cia Fe­de­ral, on­de fui re­ce­bi­do por seus agen­tes, com aque­la ar­ro­gân­cia de do­nos do pe­da­ço. Ex­pli­quei-lhes que o car­tão do MP não era ape­nas uma cé­du­la fun­cio­nal, mas uma iden­ti­da­de pa­ra to­dos os efei­tos le­gais, con­ten­do o RG e as­si­na­da por agen­te de Es­ta­do – o Pro­cu­ra­dor Ge­ral de Jus­ti­ça, cu­ja qua­li­fi­ca­ção hi­e­rár­qui­ca é su­pe­ri­or à de qual­quer di­re­tor de de­par­ta­men­to de iden­ti­fi­ca­ção de ór­gão da se­gu­ran­ça pú­bli­ca.

Tra­tan­do-me, co­mo se eu es­ti­ves­se “dan­do uma car­tei­ra­da” pa­ra con­se­guir al­gum fa­vo­re­ci­men­to, re­cu­sa­ram-se a me exi­bir qual­quer nor­ma le­gal a jus­ti­fi­car a não acei­ta­ção de meu do­cu­men­to e me dis­se­ram que, na qua­li­da­de de “ho­mem da lei”, não po­de­ria ig­no­rar o re­gu­la­men­to e con­ven­ção pa­ra vi­a­gem a paí­ses da Amé­ri­ca do Sul com dis­pen­sa de pas­sa­por­te.

Res­pon­di se­re­na­men­te que não es­ta­va plei­te­an­do na­da er­ra­do e que meu do­cu­men­to era vá­li­do e que des­co­nhe­cer leis em pa­ís, on­de es­tas são ela­bo­ra­das co­pi­o­sa­men­te, se­ria al­go até jus­ti­fi­cá­vel, que di­rá de­cre­tos, por­ta­ri­as, re­gu­la­men­tos e con­ven­ções que sur­gem co­mo, par­tos di­á­rios, tan­to é que nem eles, os agen­tes po­li­ci­ais, se dig­na­ram a me apre­sen­tá-los.

Di­an­te do im­pas­se, pos­te­rior­men­te em con­ver­sa com os re­pre­sen­tan­tes do na­vio, es­tes me dis­se­ram que, por eles, acei­ta­ri­am o meu em­bar­que, mas que po­de­ria ha­ver im­po­si­ção de mul­ta pe­lo des­cum­pri­men­to da fis­ca­li­za­ção dos “reis” do cais. Mos­trei-me dis­pos­to até de ar­car com o pa­ga­men­to de uma even­tual co­bran­ça da mul­ta, mas um re­ti­cen­cio­so si­lên­cio de­les dei­xa­va tran­spa­re­cer um de­se­jo de al­go mais, ou se­ja, uma boa gra­ti­fi­ca­ção pa­ra acei­tar a pro­pos­ta, o que, de mi­nha par­te, não se­ria su­bor­no, por­que na­da ile­gal ha­via na pre­ten­são de em­bar­car.

Por fim, dis­se-lhes que de­sis­ti­ria da vi­a­gem, mas com a con­di­ção de ir ape­nas até o Rio de Ja­nei­ro, on­de de­sem­bar­ca­ria an­tes de o na­vio zar­par pa­ra Bu­e­nos Ai­res. Não acei­ta­ram, sob ale­ga­ção de que, no Rio, so­men­te ha­ve­ria em­bar­que. Zom­ba­ram de mim quan­do lhes exi­gi a de­vi­da in­de­ni­za­ção pe­los da­nos so­fri­dos, sob pe­na de a Cos­ta Cru­zei­ros res­pon­der por uma ação com ba­se no es­ta­tu­to do con­su­mi­dor, por­quan­to um sim­ples e va­go “etc” quan­to á não acei­ta­ção de de­ter­mi­na­dos do­cu­men­tos não in­clu­i­ria a car­tei­ra de iden­ti­da­de do MP e que, na pi­or das hi­pó­tes­es, hou­ve fal­ta de mai­or in­for­ma­ção por par­te de­les e da pre­cá­ria agên­cia de vi­a­gem, que se­quer en­viou ao cais al­gum fun­cio­ná­rio pa­ra de­fen­der meus di­rei­tos.

Dis­se­ram que a de­man­da de­ve­ria ser con­tra a Po­lí­cia Fe­de­ral, a res­pon­sá­vel pe­la não acei­ta­ção de do­cu­men­to, res­pon­di-lhes que eles é que se avi­es­sem con­tra ela, por abu­so de au­to­ri­da­de de seus agen­tes.

Fi­quei atô­ni­to, mui­ta coi­sa me pas­sa­va pe­la ca­be­ça. Uma emer­gên­cia ju­di­cial se­ria pra­ti­ca­men­te im­pos­sí­vel, pois já es­ta­va qua­se na ho­ra do iní­cio da vi­a­gem.  Pen­sei em cha­mar um mem­bro do MP ao cais, mas era uma tar­de de sá­ba­do e di­fi­cil­men­te po­de­ria en­con­trar al­gum de plan­tão, por is­so não le­vei avan­te a ideia. Re­sol­vi pe­gar mi­nha ba­ga­gem, de­pois de con­ven­cer mi­nha es­po­sa de se­guir vi­a­gem com os pa­ren­tes e ami­gos. Fi­quei al­guns di­as no li­to­ral e an­tes de vol­tar a Go­i­â­nia, ti­ve a gra­ta sa­tis­fa­ção de ver pu­bli­ca­da no jor­nal “A Tri­bu­na”, edi­ta­do em San­tos, uma no­ta de de­sa­gra­vo do ilus­tre Pro­cu­ra­dor de Jus­ti­ça, Dr. Be­ne­di­to Tor­res Ne­to, en­tão pre­si­den­te da As­so­cia­ção Go­i­a­na do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, so­li­da­ri­zan­do-se co­mi­go por to­dos os dis­sa­bo­res so­fri­dos.

Ao re­gres­sar do por­to pa­ra o ho­tel, o ta­xis­ta ten­ta­va me con­so­lar di­zen­do que não gos­ta de na­vio por­que não tem bre­que, e que tal­vez ti­ves­se si­do bom eu não vi­a­jar, pois po­de­ria ha­ver um nau­frá­gio. Não fa­le is­so, re­tru­quei, há pes­so­as que­ri­das mi­nhas a bor­do. E, por in­crí­vel que pa­re­ça, na­que­la noi­te sem dor­mir, a te­le­vi­são es­ta­va exi­bin­do o ve­lho fil­me “Ti­ta­nic”. Mu­dei lo­go de ca­nal. Fi­quei me­di­tan­do: na­vio não foi fei­to pa­ra mim. Cer­ta fei­ta, no por­to ca­ta­ri­nen­se de Ita­jaí, in­sis­ti mui­to pa­ra ape­nas aden­trar a um tran­sat­lân­ti­co, com von­ta­de sa­tis­fa­zer mi­nha cu­ri­o­si­da­de, mas di­an­te de tan­ta di­fi­cul­da­de, de­sis­ti do in­ten­to. Meu avô ma­ter­no, ado­les­cen­te ain­da, dei­xou sua ter­ra na­tal, La­takia – a an­ti­ga La­o­di­ceia da Sí­ria -, fu­gin­do das per­se­gui­ções con­tra cris­tã­os, di­zia que cho­rou no por­to do Rio de Ja­nei­ro, di­as de­pois, quan­do as­sis­tiu à par­ti­da de re­tor­no do na­vio, que o trou­xe, cu­jo api­to nun­ca lhe saiu dos ou­vi­dos. Mi­nha sa­u­do­sa mãe, D. Cris­ti­na, sem­pre mui­to con­cor­da­da com tu­do,  às ve­zes la­men­ta­va o des­con­for­to que te­ve, na vi­a­gem de núp­cias em 1936, a bor­do de uma ca­bi­ne de se­gun­da clas­se, num va­por que na­ve­ga­va de San­tos ao Rio de Ja­nei­ro – um pro­gra­ma de ín­dio in­ven­ta­do por meu sa­u­do­so pai, ape­sar de sua boa in­ten­ção, quan­do o ca­sal es­ta­va tão bem alo­ja­do em Gua­ru­já nos ve­lhos tem­pos de praia qua­se vir­gem, após uma vi­a­gem fer­ro­vi­á­ria na San­tos – Jun­di­aí – uma es­tra­da de pri­mei­ro mun­do que se viu su­ca­te­a­da pe­lo aban­do­no das vi­as fér­re­as – um mal que im­pe­de o cres­ci­men­to do Bra­sil.

Re­lem­brei o la­men­tá­vel epi­só­dio de en­tre­ga de Ol­ga Be­ná­rio, com avan­ça­da gra­vi­dez, pe­la di­ta­du­ra fas­cis­ta do Es­ta­do No­vo, que, con­tra­ri­an­do to­dos os re­gu­la­men­tos de na­ve­ga­ção, for­çou-a a em­bar­car em na­vio de ban­dei­ra es­pa­nho­la, a ser­vi­ço da Ale­ma­nha na­zis­ta, on­de mor­reu em cam­po de ex­ter­mí­nio.

Tão lo­go re­tor­nei a Go­i­â­nia, pro­mo­vi uma ação in­de­ni­za­tó­ria con­tra a Cos­ta Cru­zei­ros, com mo­des­to pe­di­do de res­sar­ci­men­to. Ja­mais pre­ten­di apro­vei­tar a opor­tu­ni­da­de pa­ra re­ce­ber mais do que o jus­to, até por­que di­nhei­ro al­gum, por mai­or que fos­se seu va­lor, não se­ria com­pen­sa­dor.

A em­pre­sa ma­rí­ti­ma foi con­de­na­da ao pa­ga­men­to de pou­co mais de R$ 5.000,00 por da­nos mo­ra­is e ma­te­ri­ais, em ju­di­ci­o­sa sen­ten­ça pro­la­ta­da pe­la Dra. An­dréia Sil­va Sar­ney Cos­ta Mo­lu­zi, em 24/11/2008, de­vi­da­men­te con­fir­ma­da pe­la 1ª Tur­ma Mis­ta dos Jui­za­dos Es­pe­ci­ais, em acór­dão re­la­ta­do pe­lo emi­nen­te Ju­iz, Dr. Os­val­do Re­zen­de Sil­va, que pro­cla­mou, com ba­se no art. 17 do De­cre­to 5.978/2006, que a car­tei­ra de iden­ti­da­de emi­ti­da pe­lo mi­nis­té­rio pú­bli­co, co­mo cé­du­la ci­vil ex­pe­di­da por ór­gão ofi­ci­al, sub­sti­tui o pas­sa­por­te co­mum nos ca­sos pre­vis­tos em tra­ta­do, acor­do e ou­tros atos in­ter­na­cio­nais.

Re­ce­bi­da a im­por­tân­cia, fiz do­a­ção pa­ra o gru­po Es­pí­ri­ta da Paz, em Go­i­a­tu­ba-Go, en­ti­da­de exem­plar na prá­ti­ca da as­sis­tên­cia aos ne­ces­si­ta­dos, com fa­bri­ca­ção de re­mé­di­os fi­to­te­rá­pi­cos e ma­nu­ten­ção de hos­pi­tal pa­ra tra­ta­men­to al­ter­na­ti­vo de cân­cer. O cul­to es­cri­tor e pro­fes­sor Rai­mun­do Mo­rei­ra Nas­ci­men­to, um exí­mio tro­ca­di­lhis­ta so­men­te igua­la­do pe­lo sa­u­do­so Prof. Go­mes fi­lho, me dis­se, na oca­si­ão: “Vo­cê do­ou, por­que do­eu”. Do­eu mes­mo: Eu so­nha­va  com uma noi­ta­da por­te­nha, ven­do dan­ças e ou­vin­do tan­gos, prin­ci­pal­men­te o meu tão apre­ci­a­do “UNO” (Ma­ri­a­no Mo­res e En­ri­que Dis­cé­po­lo), cu­ja ver­são bra­si­lei­ra de Ha­rol­do Bar­bo­sa é mais lin­da e po­é­ti­ca do que a ori­gi­nal em es­pa­nhol, até mes­mo no tí­tu­lo “Ro­sa Ver­me­lha”, sub­sti­tu­í­do por “So­nho Tris­te” na tri­lha so­no­ra da no­ve­la da Glo­bo (1992): “de cor­po e al­ma” com Tar­cí­sio Mei­ra e Cris­ti­a­ne Oli­vei­ra, em que apa­re­ce a voz de Jú­lio Igle­sias, tão en­can­ta­do­ra co­mo a de Fran­cis­co Al­ves, Fran­cis­co Pe­trô­nio, Nel­son Gon­çal­ves e Car­los Fi­guei­ras que tam­bém can­ta­ram o tan­go. Eis os ver­sos ini­ci­ais da ver­são bra­si­lei­ra:  quan­tos são os di­as de es­pe­ran­ças, que se per­dem na dis­tân­cia, num cre­pús­cu­lo de so­nhos; quan­tos são os di­as de in­cer­te­za des­tro­ça­dos na as­pe­re­za de ca­mi­nhos tão tris­to­nhos…

Na le­tra ori­gi­nal do tan­go, apa­re­ce o ver­so: si yo tu­vi­e­ra el co­ra­zon, el mis­mo que per­di (se eu ti­ves­se o co­ra­ção, o mes­mo que per­di),  e a no­ve­la re­tra­ta al­guém que per­deu a noi­va num aci­den­te e de­pois se apai­xo­na por uma jo­vem que re­ce­be­ra, em trans­plan­te, o co­ra­ção da fa­le­ci­da.

Fi­quem, por­tan­to, aler­tas ma­gis­tra­dos e mem­bros do Mi­nis­té­rio pú­bli­co. Su­as car­tei­ras são vá­li­das pa­ra vi­a­gens a paí­ses da Amé­ri­ca do Sul, mas cui­da­do com abor­re­ci­men­tos nos por­tos e ae­ro­por­tos bra­si­lei­ros, on­de a ig­no­rân­cia e pre­po­tên­cia de agen­tes po­li­ci­ais po­dem co­me­ter a es­tu­pi­dez, con­tra a qual, se­gun­do o gran­de fi­ló­so­fo e pen­sa­dor cris­tão Hu­ber­to Rohden, de quem ti­ve a hon­ra de ser alu­no, “até os deu­ses lu­tam em vão”.

 

(Vi­val­do Jor­ge de Araú­jo, ex-pro­fes­sor de His­tó­ria e Lín­gua Por­tu­gue­sa do Lyceu de Go­i­â­nia, es­cri­tor e pro­cu­ra­dor de Jus­ti­ça apo­sen­ta­do do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Go­i­a­no)

tags:

Comentários