Opinião

Crianças e professores: esperança de mundo melhor

diario da manha

O pe­que­no e es­per­to Ga­bri­el, com­pa­nhei­ro de brin­ca­dei­ras e pe­ral­ti­ces en­tre avô e ne­to me aju­da a lan­çar no chão do quin­tal as se­men­tes de mi­lho, pa­ra apro­vei­tar as chu­vas que ora ca­em por aqui. As­sim, ele e eu da­mos se­quên­cia a uma tra­di­ção de fa­mí­lia, o plan­tio de mi­lho no quin­tal de ca­sa lo­go no iní­cio do pe­rí­o­do chu­vo­so.

Com cal­ma e pa­ci­ên­cia, vou ex­pli­can­do a ele co­mo aque­la se­men­te de mi­lho, com tom aver­me­lha­do, al­guns di­as após ser jo­ga­do no chão sur­gi­rá co­mo ten­ro e frá­gil fi­le­te de plan­ta, pa­ra em pou­co tem­po cres­cer, se tor­nar uma plan­ta for­te e pu­jan­te e nos pre­sen­te­ar com es­pi­gas gran­des e de­li­cio­sas, que es­ta­rão pre­sen­tes nos di­ver­sos pra­tos que fa­ze­mos no fo­gão à le­nha ou nos de­li­cio­sos bo­los fei­tos pe­la avó.

Ele in­te­res­sa­do, e com seu vo­ca­bu­lá­rio pe­cu­li­ar, cu­ja pro­nún­cia ain­da su­pri­me al­gu­mas le­tras, me per­gun­ta: “vai fi­car bem gan­dão, né, vo­vô?” Res­pon­do que sim, e ele vai fe­liz da vi­da con­tar ao pai que o “vo­vô en­si­nou a plan­tar mi­lho”.

Tu­do is­so me fez lem­brar de um dia, quan­do eu era cri­an­ça e meu pai fez o mes­mo co­mi­go: na ter­ra pron­ta pa­ra o cul­ti­vo da ro­ça na sa­u­do­sa Fa­zen­da No­va Amé­ri­ca, me ex­pli­cou co­mo após dei­xar a se­men­te no chão em al­guns cias ocor­ria a trans­for­ma­ção em plan­ta, que cres­ce­ria e se trans­for­ma­ria em ali­men­to e em no­vas se­men­tes, ga­ran­tin­do as­sim a se­quên­cia da vi­da.

E pa­pai foi meu pri­mei­ro pro­fes­sor. Se­ja nos en­si­na­men­tos que des­de cri­an­ça me pas­sa­va, co­mo o lan­çar de se­men­tes de mi­lho ao so­lo ou na pe­que­na e sin­ge­la sa­la da ca­sa da fa­zen­da, que se trans­for­ma­ra em sa­la de au­la pa­ra fi­lhos de agri­cul­to­res da vi­zi­nhan­ça, e on­de eu apren­di as pri­mei­ras le­tras.

Ho­je, com sa­u­da­des do meu pai e com a ale­gria de des­fru­tar mo­men­tos co­mo es­se ao la­do do me­ni­no Ga­bri­el, pas­so a re­fle­tir co­mo era o pa­ís em que eu vi­via quan­do cri­an­ça, das lu­tas e ba­ta­lhas pe­la re­de­mo­cra­ti­za­ção do pa­ís quan­do ado­les­cen­te e do mo­men­to pe­lo qual pas­sa­mos ho­je.

É tris­te ver uma cam­pa­nha elei­to­ral on­de a men­ti­ra ten­ta a to­do cus­to se so­bre­por à ver­da­de, pa­ra que de­ter­mi­na­do gru­po abo­ca­nhe o po­der, mes­mo que pa­ra is­so se­ja ne­ces­sá­rio ven­der a al­ma ao coi­sa ru­im.

Não im­por­ta mais o po­vo bra­si­lei­ro, im­por­ta sim que tal gru­po es­te­ja no po­der pa­ra man­ter be­nes­ses, pri­vi­lé­gios, mor­do­mi­as. O po­vo, ah es­se se­rá cha­ma­do no­va­men­te den­tro de al­guns anos pa­ra no­va­men­te ele­ger re­pre­sen­tan­tes – que nun­ca o re­pre­sen­ta – e as­sim con­ti­nu­ar o ci­clo de prá­ti­cas po­lí­ti­cas nem sem­pre re­co­men­dá­veis.

Em ou­tu­bro, te­mos o dia das cri­an­ças, que tam­bém é o dia de Nos­sa Se­nho­ra Apa­re­ci­da, pa­dro­ei­ra do Bra­sil e o dia dos pro­fes­so­res. Cri­an­ça e Pro­fes­sor, se­res ilu­mi­na­dos, de tão es­pe­ci­ais, me­re­cem mui­to mais amor, re­co­nhe­ci­men­to, ca­ri­nho e va­lo­ri­za­ção.

O pro­fes­sor e a cri­an­ça sem­pre se­rão mui­to li­ga­dos. Co­me­ça no pri­mei­ro en­con­tro, quan­do se­quer se con­se­gue bal­bu­ci­ar cor­re­ta­men­te as pa­la­vras, pas­sa pe­la ado­les­cên­cia, en­si­no mé­dio, su­pe­ri­or e se­gue por to­da a vi­da. O jo­vem en­con­tra no pro­fes­sor um gran­de e con­fi­á­vel ami­go quan­do jun­tos ini­ciam a ca­mi­nha­da pa­ra a bus­ca do co­nhe­ci­men­to e for­ma­ção de um ci­da­dão de bem, con­sci­en­te de seus di­rei­tos, mas aci­ma de tu­do de seus de­ve­res.

Que os pró­xi­mos go­ver­nan­tes ve­nham a se lem­brar dis­so, va­lo­ri­zem nos­sos pro­fes­so­res e pro­te­jam e cu­i­dem mais de nos­sas cri­an­ças. E as se­men­tes que fo­rem lan­ça­das, ger­mi­nem, fru­ti­fi­quem e se tor­nem cer­te­za de um pa­ís, de um mun­do me­lhor.

 

(Pau­lo Ro­lim – Jor­na­lis­ta Twit­ter: @ame­ri­co­ro­lim)

Comentários