Opinião

Constituição – 1988 – 2018

diario da manha

A atu­al Cons­ti­tu­i­ção Fe­de­ral com­ple­tou três de­cê­ni­os de exis­tên­cia. Foi pro­mul­ga­da em 5 de ou­tu­bro de 1988.

Sua ela­bo­ra­ção con­tou com gran­de par­ti­ci­pa­ção po­pu­lar. Inú­me­ras su­ges­tões par­ti­ram di­re­ta­men­te do po­vo e fo­ram in­cor­po­ra­das ao tex­to cons­ti­tu­ci­o­nal. Por to­do o ter­ri­tó­rio bra­si­lei­ro, o te­ma Cons­ti­tu­i­ção foi de­ba­ti­do. Tal­vez em ne­nhum pa­ís do or­be ter­rá­queo te­nha ocor­ri­do um fe­nô­me­no co­mo o que ocor­reu no Bra­sil.

Pa­ra os jo­vens, o que es­tou es­cre­ven­do é His­tó­ria. Pa­ra os mais ido­sos es­ta pá­gi­na é lem­bran­ça, re­me­mo­ra­ção. Hão de re­cor­dar o ges­to do gran­de Tan­cre­do Ne­ves er­guen­do um exem­plar da Cons­ti­tu­i­ção, sob aplau­sos re­tum­ban­tes dos que fo­ram tes­te­mu­nhas do fa­to his­tó­ri­co.

De mi­nha par­te, tra­go à re­ti­na os de­ba­tes de que par­ti­ci­pei, os abai­xo-as­si­na­dos que sub­scre­vi, as su­ges­tões que apre­sen­tei à Me­sa da As­sem­bleia e aos cons­ti­tu­in­tes ca­pi­xa­bas.

Qua­se fui can­di­da­to a uma ca­dei­ra cons­ti­tu­in­te mas, em boa ho­ra de­sis­ti por­que sen­ti que não es­ta­va vo­ca­cio­na­do pa­ra es­sa ta­re­fa. Mi­nha mo­des­ta mis­são é ou­tra – es­cre­ver, fa­lar, pro­por idei­as, apo­i­ar o que mi­nha con­sci­ên­cia apon­ta co­mo jus­to.

Se­ria de­se­já­vel que os ci­da­dã­os em ge­ral co­nhe­ces­sem o con­te­ú­do da Cons­ti­tu­i­ção ou, pe­lo me­nos, os prin­cí­pios mais im­por­tan­tes.

A Cons­ti­tu­i­ção é a “car­ta da ci­da­da­nia”. Es­ti­pu­la nos­sos di­rei­tos e de­ve­res.

A par­ti­ci­pa­ção do po­vo na vi­da po­lí­ti­ca, con­di­ção es­sen­cial do sis­te­ma de­mo­crá­ti­co, é exer­ci­da de vá­ri­as for­mas:

  1. a) in­di­vi­dual­men­te – pos­so ins­cre­ver-me em par­ti­dos po­lí­ti­cos e par­ti­ci­par de­les; vo­tar em ple­bis­ci­tos e re­fe­ren­dos; di­ri­gir-me à im­pren­sa pa­ra re­cla­mar di­rei­tos ou fa­zer de­nún­cias uti­li­zan­do, por exem­plo, a de­mo­crá­ti­ca co­lu­na de car­tas dos lei­to­res; re­que­rer que os go­ver­nos pres­tem as in­for­ma­ções de meu in­te­res­se; se even­tual­men­te vi­er a ser pre­so, te­nho o di­rei­to de ser tra­ta­do com dig­ni­da­de e o di­rei­to de ser pre­su­mi­do ino­cen­te, en­quan­to mi­nha cul­pa não for pro­va­da;
  2. b) jun­to com ou­tros ci­da­dã­os – pos­so di­ri­gir abai­xo-as­si­na­dos às au­to­ri­da­des em ge­ral; dis­cu­tir as ques­tões mu­ni­ci­pa­is, es­ta­du­ais e na­ci­o­nais; as­so­ciar-me li­vre­men­te;
  3. c) in­di­vi­dual ou co­le­ti­va­men­te – pos­so pro­por pro­je­tos de lei, no mu­ni­cí­pio, no Es­ta­do ou no pa­ís; exi­gir e fis­ca­li­zar a pres­ta­ção de con­tas dos go­ver­nan­tes; fis­ca­li­zar o Po­der Exe­cu­ti­vo, o Po­der Le­gis­la­ti­vo, o Po­der Ju­di­ci­á­rio, o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co e os Tri­bu­nais de Con­tas, exi­gin­do que es­ses po­de­res e ins­ti­tu­i­ções cum­pram com fi­de­li­da­de seu pa­pel; exi­gir in­for­ma­ção se­gu­ra e ho­nes­ta, a res­pei­to de to­das as ma­té­rias de in­te­res­se pú­bli­co; exi­gir que os ne­gó­ci­os do Es­ta­do se­jam tran­spa­ren­tes e nun­ca se­jam re­sol­vi­dos no se­gre­do dos ga­bi­ne­tes.

 

(Jo­ão Bap­tis­ta Herke­nhoff, Ju­iz de Di­rei­to apo­sen­ta­do, pe­les­tran­te e es­cri­tor. E-mail: jbpherke­[email protected])

 

Comentários