Opinião

A participação da comunidade

diario da manha

Pa­ra en­fren­tar o gran­de de­sa­fio da in­jus­ti­ça e as­se­gu­rar a li­ber­da­de re­al, a prá­ti­ca e a ci­ên­cia po­lí­ti­ca pas­sa­ram a ela­bo­rar um no­vo con­cei­to de de­mo­cra­cia. Não se tra­ta ape­nas de ele­ger re­pre­sen­tan­tes pa­ra to­mar de­ci­sões, le­gis­lar ou ad­mi­nis­trar em no­me dos ci­da­dã­os, mas de as­se­gu­rar aos múl­ti­plos se­to­res da po­pu­la­ção mei­os de par­ti­ci­par, na me­di­da do pos­sí­vel, da so­lu­ção dos pro­ble­mas que lhes di­zem  res­pei­to. O re­gi­me re­pre­sen­ta­ti­vo tra­di­cio­nal re­duz a par­ti­ci­pa­ção do ci­da­dão à for­ma­li­da­de do vo­to. Mas, as ten­dên­cias ca­da vez mais cla­ras das mo­der­nas con­cep­ções po­lí­ti­cas acen­tuam a im­por­tân­cia bá­si­ca da par­ti­ci­pa­ção dos gru­pos so­ci­ais no pro­ces­so po­lí­ti­co e na so­lu­ção dos res­pec­ti­vos pro­ble­mas. O ca­mi­nho de­mo­crá­ti­co é o di­á­lo­go, que cons­ti­tui a pró­pria es­sên­cia da par­ti­ci­pa­ção e o ins­tru­men­to in­sub­sti­tu­í­vel do de­sen­vol­vi­men­to po­lí­ti­co, eco­nô­mi­co, so­ci­al e cul­tu­ral. As no­vas con­di­ções de vi­da co­le­ti­va exi­gem no­vas so­lu­ções. A his­tó­ria não vol­ta atrás. Ca­ma­das ca­da vez mais am­plas da po­pu­la­ção to­mam con­sci­ên­cia do ca­rá­ter me­ra­men­te for­mal e apa­ren­te de an­ti­gas fór­mu­las de­mo­crá­ti­cas, em que a  par­ti­ci­pa­ção do po­vo é mais sim­bó­li­ca do que re­al. E, de ou­tra par­te, as na­ções to­mam tam­bém con­sci­ên­cia de que os re­gi­mes não de­mo­crá­ti­cos são in­ca­pa­zes de re­sol­ver, de for­ma es­tá­vel e per­ma­nen­te, os pro­ble­mas fun­da­men­tais do pa­ís e de sua po­pu­la­ção. É pre­ci­so des­co­brir no­vos ca­mi­nhos den­tro da via de­mo­crá­ti­ca. E, en­tre os ca­mi­nhos pos­sí­veis, a se­rem aber­tos atra­vés de re­fle­xão e do tra­ba­lho das li­de­ran­ças so­ci­ais, pe­las no­vas ge­ra­ções de ho­mens pú­bli­cos e de es­tu­di­o­sos da ci­ên­cia po­lí­ti­ca, si­tua-se a de­mo­cra­cia par­ti­ci­pa­ti­va. Es­ta po­de ser ca­rac­te­ri­za­da co­mo um mo­de­lo de or­ga­ni­za­ção de­mo­crá­ti­ca, fun­da­do não ape­nas na re­pre­sen­ta­ção po­pu­lar, mas, tam­bém, na par­ti­ci­pa­ção or­ga­ni­za­da e ati­va da po­pu­la­ção nos as­sun­tos de seu in­te­res­se.

A exi­gên­cia de par­ti­ci­pa­ção le­va na­tu­ral­men­te ao te­ma da co­mu­ni­da­de. Por­que é atra­vés das co­mu­ni­da­des re­ais, em que vi­ve e atua, que o ho­mem po­de par­ti­ci­par de al­gu­ma for­ma de vi­da so­ci­al. Ne­nhum ho­mem é uma ilha. Ele vi­ve no seio de uma fa­mí­lia. É em­pre­ga­do de uma em­pre­sa. Es­tu­da nu­ma es­co­la. Mo­ra num bair­ro. É as­so­cia­do de uma co­o­pe­ra­ti­va. É mem­bro de um sin­di­ca­to, de uma as­so­cia­ção, de um par­ti­do ou de um clu­be. É den­tro das co­mu­ni­da­des re­ais que ele vi­ve e se de­sen­vol­ve. Nas co­mu­ni­da­des ele atua. É atra­vés das co­mu­ni­da­des que ele po­de par­ti­ci­par da vi­da de to­da a so­ci­e­da­de. Den­tre as prin­ci­pa­is mo­da­li­da­des des­sa par­ti­ci­pa­ção das co­mu­ni­da­des, po­dem ser des­ta­ca­das: 1) no pla­no lo­cal –  as as­so­cia­ções de mo­ra­do­res ou vi­zi­nhos, cen­tros co­mu­ni­tá­rios, clu­bes de mã­es e ou­tros mo­vi­men­tos po­pu­la­res. 2) no pla­no do tra­ba­lho –  o mo­vi­men­to sin­di­cal, a par­ti­ci­pa­ção dos em­pre­ga­dos na vi­da das em­pre­sas e em ou­tras ins­ti­tu­i­ções da co­mu­ni­da­de. 3) no pla­no da ju­ven­tu­de e da edu­ca­ção – os mo­vi­men­tos de jo­vens, sua or­ga­ni­za­ção e par­ti­ci­pa­ção em ór­gã­os co­le­gi­a­dos da es­co­la, e no de­ba­te de pro­ble­mas so­ci­ais. 4) no pla­no po­lí­ti­co – a lu­ta pe­la es­tru­tu­ra de­mo­crá­ti­ca dos par­ti­dos e pe­lo di­rei­to que de­ve ser as­se­gu­ra­do às ba­ses de par­ti­ci­par das de­ci­sões par­ti­dá­ri­as, no­ta­da­men­te na ela­bo­ra­ção de pro­gra­mas e es­co­lha de can­di­da­tos. 5) Ou­tras mo­da­li­da­des de par­ti­ci­pa­ção, co­mo as as­so­cia­ções de de­fe­sa da eco­lo­gia e do meio am­bi­en­te, co­o­pe­ra­ti­vas, as­so­cia­ções de con­su­mi­do­res, ins­ti­tu­i­ções cul­tu­ra­is e ou­tras for­mas de or­ga­ni­za­ção e de­fe­sa (não ar­ma­da) de se­to­res da po­pu­la­ção. E, num sen­ti­do mais am­plo do con­cei­to de co­mu­ni­da­de, va­mos en­con­trar a mes­ma ten­dên­cia nos di­ver­sos pla­nos da vi­da pú­bli­ca: co­mu­ni­da­de mu­ni­ci­pal,  co­mu­ni­da­des re­gi­o­nais, co­mu­ni­da­des con­ti­nen­tais e, aci­ma de to­das, a co­mu­ni­da­de mun­di­al. Va­mos, as­sim, des­de a pe­que­na co­mu­ni­da­de fa­mi­liar – a fa­mí­lia é a co­mu­ni­da­de-ba­se -, até a gran­de co­mu­ni­da­de mun­di­al, que de­ve ser a fa­mí­lia das na­ções. Por­tan­to, de­fi­ne-se me­lhor co­mo co­mu­ni­da­de, uma área ge­o­grá­fi­ca con­tí­nua, em que gru­pos mu­tua­men­te de­pen­den­tes atuam em con­jun­to pa­ra sa­tis­fa­zer às su­as ne­ces­si­da­des, atra­vés de or­ga­ni­za­ções e ins­ti­tu­i­ções co­muns.

 

(Ed­mil­son Al­ber­to de Mel­lo, es­cri­tor)

Comentários