Opinião

Parar de fumar: um exercício de autoconhecimento e determinação

diario da manha

O ta­ba­gis­mo é um ví­cio que vai além do ges­to de le­var o ci­gar­ro à bo­ca. Ele le­va a pes­soa a de­sen­vol­ver dois ti­pos de de­pen­dên­cia: a fí­si­ca/quí­mi­ca e a com­por­ta­men­tal. A ne­ces­si­da­de de fu­mar se tor­na ca­da vez mai­or e o fu­man­te tem di­fi­cul­da­de de in­ter­rom­pê-la à me­di­da que a do­pa­mi­na li­be­ra­da pe­lo cé­re­bro au­men­ta a sen­sa­ção de pra­zer, fa­zen­do com que es­ta com­pul­são se­ja man­ti­da e até cres­ça, pois ca­da vez mais se­rá ne­ces­sá­rio con­su­mir ni­co­ti­na pa­ra man­ter os ní­veis de sa­tis­fa­ção.

Nes­sa com­pul­são, a vi­são so­bre as van­ta­gens da­das ao uso do ta­ba­co au­men­tam: fu­mo pa­ra so­ci­a­li­zar, re­la­xar, dis­tra­ir, após re­fei­ções, pa­ra acom­pa­nhar a be­bi­da, pa­ra sa­ir de ca­sa, ou en­fren­tar si­tu­a­ções es­tres­san­tes. Com es­sa ati­tu­de, o ta­ba­gis­ta po­de au­men­tar em du­as ve­zes os pro­ble­mas car­dí­a­cos, as chan­ces de de­sen­vol­ver um en­fi­se­ma pul­mo­nar, cân­cer de bo­ca e pul­mão,que­da no de­sem­pe­nho pul­mo­nar, do­en­ças res­pi­ra­tó­ri­as, en­tre ou­tros pro­ble­mas.

A de­pen­dên­cia com­por­ta­men­tal é uma bar­rei­ra a ser tran­spos­ta. Mui­tas ve­zes, é fei­ta uma as­so­cia­ção de que o ci­gar­ro po­de tra­zer be­ne­fí­ci­os tais co­mo alí­vio do es­tres­se, per­da de pe­so, ser re­la­xan­te. Po­rém, a prá­ti­ca clí­ni­ca re­ve­la o con­trá­rio: a ni­co­ti­na é um es­ti­mu­lan­te que faz com que o co­ra­ção ace­le­re e a pres­são ar­te­rial au­men­te, sen­do ne­ces­sá­rio uma quan­ti­da­de mai­or de ni­co­ti­na pa­ra se man­ter “bem”. Quan­do is­to não ocor­re, há uma sen­sa­ção de des­con­for­to.

O sen­tir-se me­lhor fu­man­do tem a ver com atri­bu­ir ao ci­gar­ro um mo­men­to de pau­sa pa­ra que ele te­nha con­tro­le de sua vi­da. Fu­mar exi­ge uma res­pi­ra­ção cal­ma, lo­go, a sen­sa­ção é de re­la­xa­men­to, po­rém, a mes­ma res­pi­ra­ção sem a ni­co­ti­na, tam­bém pro­duz o mes­mo efei­to. As­so­cia-se, por­tan­to, que o ci­gar­ro acal­ma e não su­as ati­tu­des com re­la­ção aos pro­ble­mas, o que é er­rô­neo.

As pri­mei­ras se­ma­nas sem ci­gar­ro são di­fí­ceis: tris­te­za, ir­ri­ta­bi­li­da­de, in­sô­nia, ex­ces­so ou fal­ta na ali­men­ta­ção, en­tre ou­tros si­nais re­la­ci­o­na­dos à ab­sti­nên­cia apa­re­ce­rão, po­rém, ten­dem a di­mi­nu­ir no pra­zo de 30 a 90 di­as. Por tu­do is­to, es­se co­me­ço é tão im­por­tan­te.

A ne­ces­si­da­de ou fis­su­ra pe­lo ci­gar­ro é di­fe­ren­te pa­ra ca­da pes­soa, mas  apa­re­ce­rá e, nes­sa ho­ra, é im­por­tan­te ter cla­re­za de ou­tras de­pen­dên­cias que po­dem sur­gir e acom­pa­nha­men­to mé­di­co e psi­co­ló­gi­co pa­ra o aban­do­no do ví­cio e a ma­nu­ten­ção de sua de­ci­são.

Fal­sas cren­ças es­ta­be­le­ci­das com o uso do ci­gar­ro, co­mo: vou en­gor­dar quan­do pa­rar de fu­mar; não há pra­zer sem ci­gar­ro; fu­mar eli­mi­na o es­tres­se; ou a von­ta­de de fu­mar não pas­sa, são fa­lá­cias que pre­ci­sam ser des­cons­tru­í­das e des­con­di­cio­na­das. A psi­co­te­ra­pia aju­da nes­sa com­pre­en­são; a ter no­vos sen­ti­dos pa­ra a vi­da e des­co­brir as for­mas de li­dar com a “in­con­tro­lá­vel” von­ta­de de fu­mar.

Con­tu­do, é es­sen­cial que o fu­man­te te­nha uma fir­me e cla­ra de­ci­são, pau­ta­da nu­ma me­lho­ra am­pla em sua qua­li­da­de de vi­da, que, sim, se­rá exi­gen­te e, por is­so, ne­ces­si­ta de apoio es­pe­cia­li­za­do, bem co­mo da fa­mí­lia e dos ami­gos. Não es­tra­nhe, nem de­sis­ta, se nes­te pro­ces­so vo­cê vi­ven­ciar rai­va, ar­re­pen­di­men­to, uma von­ta­de in­con­tro­lá­vel de fu­mar, ter vá­ri­as con­tra­ri­e­da­des, re­caí­das. Te­nha cer­te­za que a sua  re­vi­são de há­bi­tos pa­ra uma no­va vi­da lhe tra­rá mui­to mais be­ne­fí­ci­os. Es­te­ja fir­me e con­vic­to do seu pro­pó­si­to e si­ga em fren­te!

(Elai­ne Ri­bei­ro, psi­có­lo­ga clí­ni­ca e or­ga­ni­za­cio­nal da Fun­da­ção Jo­ão Pau­lo II / Can­ção No­va. Ins­ta­gram: elai­ne­ri­bei­ro_psi­co­lo­ga)

tags:

Comentários