Opinião

Os cuidados no plantio que ajudam a alcançar bons resultados na colheita

diario da manha

Pa­ra atin­gir po­ten­ci­ais bons re­sul­ta­dos no fi­nal da sa­fra, é pre­ci­so que os agri­cul­to­res co­nhe­çam de­ta­lha­da­men­te to­das as va­ri­á­veis que po­dem ge­rar im­pac­tos na la­vou­ra, a co­me­çar pe­los pro­ces­sos que en­vol­vem o plan­tio da cul­tu­ra es­co­lhi­da. Pen­san­do nis­so, exis­tem es­tra­té­gias, fer­ra­men­tas e bo­as prá­ti­cas agro­nô­mi­cas que não po­dem ser dei­xa­das de la­do pa­ra se ob­ter um plan­tio efi­ci­en­te.

Quan­do fa­la­mos em plan­tio di­re­to, a des­se­ca­ção an­te­ci­pa­da é um exem­plo de boa prá­ti­ca agro­nô­mi­ca e uma eta­pa es­sen­cial do pro­ces­so. En­tre seus be­ne­fí­ci­os, é pos­sí­vel des­ta­car o con­tro­le de pra­gas e de plan­tas da­ni­nhas, a pre­ven­ção de pro­ble­mas co­mo ale­lo­pa­tia, mo­bi­li­za­ção de ni­tro­gê­nio e ma­to­com­pe­ti­ção, além de fa­vo­re­cer o es­ta­be­le­ci­men­to ini­ci­al da cul­tu­ra, ten­do em vis­ta que as cul­tu­ras an­te­ces­so­ras, plan­tas da­ni­nhas e a pró­pria co­ber­tu­ra po­dem fun­cio­nar co­mo hos­pe­dei­ras na­tu­ra­is pa­ra pra­gas re­si­den­tes. As­sim, o ma­ne­jo an­te­ci­pa­do cons­ti­tui uma das mais im­por­tan­tes fer­ra­men­tas do ma­ne­jo in­te­gra­do de pra­gas (MIP), prá­ti­ca im­por­tan­te na agri­cul­tu­ra mo­der­na que ado­ta es­tra­té­gias de me­nor im­pac­to am­bien­tal e com me­lhor po­ten­ci­al de re­tor­no so­bre os in­ves­ti­men­tos do agri­cul­tor.

É im­por­tan­te lem­brar que o nú­me­ro de di­as en­tre a des­se­ca­ção e o plan­tio po­de va­ri­ar de 20 a 50 di­as, con­for­me a cul­tu­ra de co­ber­tu­ra e o seu es­tá­gio de de­sen­vol­vi­men­to e as con­di­ções cli­má­ti­cas no pe­rí­o­do. Por con­ta dis­so, o re­co­men­da­do é que se­jam fei­tas du­as des­se­ca­ções: a pri­mei­ra com, apro­xi­ma­da­men­te, 30 di­as an­tes do plan­tio, o que evi­ta a pre­sen­ça de mas­sa ver­de; e a se­gun­da lo­go an­tes da se­me­a­du­ra, pa­ra con­tro­lar o pri­mei­ro flu­xo de plan­tas da­ni­nhas após a des­se­ca­ção ini­ci­al.

O pas­so se­guin­te, o plan­tio, tam­bém exi­ge gran­de aten­ção. Pa­ra o su­ces­so des­ta eta­pa, a se­me­a­do­ra e seus com­po­nen­tes de­vem es­tar em ple­no fun­cio­na­men­to, já re­vi­sa­do e re­gu­la­do, con­for­me ex­pec­ta­ti­va de dis­tri­bui­ção de se­men­tes pa­ra o am­bi­en­te de pro­du­ção da­que­le ta­lhão.

Che­ga ho­ra de con­fe­rir o cam­po: é im­por­tan­te ve­ri­fi­car as con­di­ções de umi­da­de do so­lo pa­ra evi­tar a ade­são aos me­ca­nis­mos da se­me­a­do­ra ou ao sis­te­ma li­mi­ta­dor de pro­fun­di­da­de. A com­pac­ta­ção tam­bém de­ve ser ava­li­a­da, pois a dis­po­si­ção das se­men­tes no sul­co é pre­ju­di­ca­da em so­los com bai­xa umi­da­de, prin­ci­pal­men­te, por con­ta do ex­ces­so de tor­rões.

No mo­men­to de se­me­ar, é im­por­tan­te pres­tar aten­ção na pro­fun­di­da­de de se­men­te – de dois a qua­tro cen­tí­me­tros pa­ra so­ja e de três a cin­co cen­tí­me­tros pa­ra mi­lho. Além dis­so, é ne­ces­sá­rio che­car a aber­tu­ra e o fe­cha­men­to do sul­co pa­ra evi­tar bol­sas de ar no en­tor­no da se­men­te e im­pe­dir que os grãos fi­quem ex­pos­tos, pre­ju­di­can­do sua emer­gên­cia. É pre­ci­so tam­bém que a se­men­te no sul­co es­te­ja em per­fei­to acon­di­ci­o­na­men­to pa­ra ga­ran­tir, as­sim, a emer­gên­cia uni­for­me das plan­tas.

A fa­se de ger­mi­na­ção e emer­gên­cia acon­te­cem em con­di­ções fa­vo­rá­veis de umi­da­de e de tem­pe­ra­tu­ra, que va­ria de 10ºC a 42ºC, já que a ger­mi­na­ção é ini­ci­a­da ape­nas após o grão ab­sor­ver uma quan­ti­da­de de água que va­ria de 30% a 40% de sua mas­sa. Es­sa eta­pa po­de du­rar de três a quin­ze di­as. Aqui, a po­pu­la­ção de plan­tas ide­al é ajus­ta­da por hí­bri­do e por am­bi­en­te de pro­du­ção, plan­tio uni­for­me, tra­ta­men­to de se­men­tes e, por fim, pe­la qua­li­da­de das se­men­tes. Vi­gor e ger­mi­na­ção são pon­tos cru­ci­ais que fa­vo­re­cem a uni­for­mi­da­de de es­ta­be­le­ci­men­to da la­vou­ra e aju­dam a mi­ni­mi­zar o per­cen­tu­al de plan­tas do­mi­na­das que cons­ti­tu­em um dos prin­ci­pa­is in­di­ca­ti­vos de vi­gor de la­vou­ra, e im­pac­tam di­re­ta­men­te no ren­di­men­to fi­nal.

O agri­cul­tor bra­si­lei­ro dis­põe de inú­me­ras fer­ra­men­tas e tec­no­lo­gi­as pa­ra au­xi­liá-lo no cam­po, po­rém o su­ces­so de sua la­vou­ra con­ti­nua a de­pen­der, em gran­de par­te, da aten­ção, mo­ni­to­ra­men­to e dos cui­da­dos em ca­da fa­se do plan­tio. A ado­ção de es­tra­té­gias e bo­as prá­ti­cas agro­nô­mi­cas, co­nhe­cen­do o am­bi­en­te de pro­du­ção ao qual es­tá in­se­ri­do, po­de­rá re­sul­tar em uma sa­fra pro­du­ti­va e po­ten­ci­al­men­te mais ren­tá­vel.

 

(Mar­ce­lo Se­gal­la, lí­der dos agrô­no­mos pa­ra Dekalb, A­gro­es­te, Se­men­te Agro­ce­res e La Ti­je­re­ta pa­ra Amé­ri­ca do Sul)

Comentários