Opinião

Louvação à memória de Basileu Toledo França – Final

diario da manha

Ba­si­leu To­le­do Fran­ça, cons­tan­te tra­ba­lha­dor e in­cen­ti­va­dor da cul­tu­ra por on­de es­te­ve, re­al­çan­do Go­i­ás on­de de­di­cou qua­se 60 anos a es­se dig­ni­fi­can­te ofi­cio, sen­do por is­so que es­cre­veu mais de 20 li­vros, so­bres­sa­in­do-se co­mo mais ex­pres­si­vos:

Rio Pre­to de On­tem, on­de abor­da a his­tó­ria lo­cal. Edi­ção da “Ca­sa de Cul­tu­ra” de São Jo­sé do Rio Pre­to, 1947, ilus­tra­do com um ál­bum de fo­to­gra­fi­as da gran­de ci­da­de pau­lis­ta.

Pi­o­nei­ros, ro­man­ce ba­se­a­do na his­tó­ria de Ja­taí, ter­ra que­ri­da do au­tor, re­tra­tan­do epi­só­dio do po­vo­a­men­to do Su­do­es­te de Go­i­ás, em 1954, 2ª edi­ção em 1972 e 3ª em 1979. Co­mo diz Ba­si­leu em me­ti­cu­lo­sa en­tre­vis­ta nos anais des­te Ca­sa, pa­ra es­cre­vê-lo fo­ram dez mes­es es­tu­dan­do “os re­gis­tros de car­tó­rio, os ar­qui­vos de fa­mí­lia, os baús e guar­da­dos de ve­lhas fa­zen­das, de­poi­men­tos de de­ze­nas de pes­so­as an­ti­gas, can­ta­do­res, ben­ze­do­res e rai­zei­ros, tu­do o que pu­des­se re­pre­sen­tar a tra­di­ção es­cri­ta e oral de Ja­taí”. Ape­sar da edi­ção de li­vros an­te­rio­res, Ba­si­leu con­si­de­ra­va Pi­o­nei­ros seu li­vro de es­treia, ten­do por ele es­pe­ci­al ca­ri­nho.

O Su­do­es­te, ten­ta­ti­va de in­ter­pre­ta­ção, 1959. En­saio so­ci­o­e­co­nô­mi­co, pro­pon­do a en­tra­da da es­tra­da de fer­ro Ara­ra­qua­ra em Go­i­ás, atra­vés do Ca­nal de São Si­mão. Tra­ta-se de tra­ba­lho fei­to a pe­di­do do en­tão go­ver­na­dor Jo­sé Fe­li­ci­a­no Fer­rei­ra, tam­bém fi­lho de Ja­taí, que de­se­ja­va pro­lon­gar os tri­lhos da­que­la im­por­tan­te fer­ro­via até o Su­do­es­te de Go­i­ás, an­seio an­ti­go da­que­la gen­te.

Es­tu­dos de Edu­ca­ção, 1960. En­saio de­di­ca­do à me­mó­ria de Olím­pio Gui­ma­rã­es de To­le­do, pro­fes­sor pri­má­rio e mú­si­co po­pu­lar de Go­i­ás.

Mú­si­ca e Ma­es­tros, 1962. En­saio de so­ci­o­lo­gia da ar­te mu­si­cal, ten­do co­mo pa­no de fun­do es­pe­ci­al­men­te Ja­taí. Foi lan­ça­do em Go­i­â­nia em fe­ve­rei­ro de 1963, nos sa­lões do Con­ser­va­tó­rio Go­i­a­no de Mú­si­ca, com a pre­sen­ça de vá­rios se­res­tei­ros e ins­tru­men­tis­tas re­tra­ta­dos ali, além de gran­de pú­bli­co, lá es­tan­do, co­mo fi­gu­ra das mais ele­va­das, ima­gi­nem quem – o fun­da­dor des­ta Ca­sa, ab­ne­ga­do Co­le­mar Na­tal e Sil­va, que fez apre­sen­ta­ção da obra com o bri­lho e en­tu­si­as­mo de sem­pre.

Ca­dei­ra nº 15, 1971. In­te­res­san­te con­tri­bui­ção ao es­tu­do da li­te­ra­tu­ra de Go­i­ás. Edi­ção do De­par­ta­men­to Es­ta­du­al de Cul­tu­ra – li­vro no qual Ba­si­leu, na sá­bia ava­li­a­ção de Áti­co Vi­las Bo­as da Mo­ta, sal­vou do es­que­ci­men­to o pas­sa­do da Aca­de­mia Go­i­a­na de Le­tras, fa­to que só te­ve si­mi­lar em Re­tra­to da Aca­de­mia Go­i­a­na de Le­tras, lan­ça­do em 1977 pe­la Edi­to­ra Ori­en­te, no qual re­tra­ta e su­ma­ria es­ta Ca­sa em ou­tras vá­ri­as di­men­sões, igual­men­te dig­nas de apre­ço e re­co­nhe­ci­men­to.

Ca­va­lo de Ro­das, 1979. Tra­ta-se de obra que tem co­mo fo­co a en­tra­da do au­to­mó­vel em Go­i­ás, pe­lo Su­do­es­te, em fa­to ocor­ri­do em 1918.

Va­le do Rio Cla­ro, 1979, on­de de­li­neia, em atra­ti­vos e de­li­cio­sos con­tos, o cor­po e a al­ma de uma re­gi­ão, exa­ta­men­te de sua ines­que­cí­vel Ja­taí. Se­gun­do o con­sa­gra­do Ba­ri­a­ni Or­tên­cio, fes­te­ja­do mem­bro des­ta Ca­sa, Va­le do Rio Cla­ro “é um dos me­lho­res li­vros que já saiu em Go­i­ás”. Acres­cen­tan­do:

É um li­vro, co­mo Ve­ra­ni­co de Ja­nei­ro, de Ber­nar­do Élis, on­de os con­tos po­de­ri­am ser ca­pí­tu­los de um ro­man­ce des­mon­tá­vel. Vi­das Se­cas, de Gra­ci­li­a­no Ra­mos, é um ro­man­ce des­mon­tá­vel, on­de ca­da ca­pi­tu­lo po­de­ria ser um con­to. Tan­to em Va­le do Rio Cla­ro co­mo em Ve­ra­ni­co de Ja­nei­ro, os per­so­na­gens se en­con­tram, se re­pe­tem e os lu­ga­res on­de se de­sen­ro­lam as ce­nas são co­muns.

Eis um ri­co ní­vel de Ba­si­leu con­tis­ta.

Can­ci­o­nei­ro de Tro­vas do Bra­sil Cen­tral, 1973. Edi­ção crí­ti­ca de es­par­sos de An­tô­nio Ame­ri­ca­no do Bra­sil, ti­ran­do do es­que­ci­men­to dez im­por­tan­tes fa­ce­tas da per­so­na­li­da­de e ope­ro­sa vi­da do mé­di­co, po­lí­ti­co e po­le­mis­ta Ame­ri­ca­no do Bra­sil.

Con­tos, Fá­bu­las e Fol­clo­re, 1975, no qual re­tra­ta a ex­tra­or­di­ná­ria vi­da li­te­rá­ria de Cris­pi­a­no Ta­va­res, no­tá­vel ba­i­a­no que se ena­mo­rou de Go­i­ás des­de 1883, es­pe­ci­al­men­te do Su­do­es­te. Sem Ba­si­leu, con­vém res­sal­tar, di­fi­cil­men­te sa­be­rí­a­mos ser Cris­pi­a­no Ta­va­res o pri­mei­ro con­tis­ta de Go­i­ás. O Ge­ó­lo­go de Mi­nas, for­ma­do em Ou­ro Pre­to, Mi­nas Ge­ra­is, com a aju­da e Dom Pe­dro II, que aqui es­te­ve nos fi­nais do sé­cu­lo XIX, pa­ra es­tu­dar as mi­nas de ou­ro em Aba­de, em Meia Pon­te, atu­al Pi­re­nó­po­lis. Foi nes­sa oca­si­ão que re­gis­trou a lin­gua­gem, da­dos e per­so­na­gens pa­ra o seu mais an­ti­go con­to go­i­a­no: Os Bo­los do Na­mo­ra­do, que se pas­sa em uma fa­zen­da de Bon­fim, ora a ca­ti­van­te ci­da­de de Sil­vâ­nia.

Ca­pan­guei­ros e Ja­gun­ços, 1985, os ca­ça­do­res de di­a­man­te do rio das Gar­ças, mais um ro­man­ce di­fí­cil de ser imi­ta­do em seu ri­co con­te­ú­do li­te­rá­rio e sur­pre­en­den­te con­cep­ção his­tó­ri­ca, nar­ra­dos em es­ti­lo sim­ples, sol­to, con­vin­cen­te e dos mais atra­en­tes.

Ve­lhas Es­co­las, 1998. Vo­lu­mo­sos li­vro on­de evo­ca, em pa­ci­en­te pes­qui­sa e a mais vi­va emo­ção, a me­mó­ria de an­ti­gas es­co­las da ter­ra em que nas­ceu.

Al­gu­mas His­tó­ri­as, 2001, pro­mo­ção Age­pel, edi­ção do Cen­tro Edi­to­ri­al Grá­fi­co da UFG, co­le­ção Jo­sé J. Vei­ga, on­de Ba­si­leu, ain­da mais con­sis­ten­te e sem os ví­ci­os da pom­pa, re­to­ma com in­crí­vel se­gu­ran­ça e lu­ci­dez a área do con­to.

Pe­los tí­tu­los e con­te­ú­do da vas­ta obra re­ve­ren­ci­a­da, vê-se a lú­ci­da e in­ve­já­vel ca­mi­nha­da li­te­rá­ria de Ba­si­leu To­le­do Fran­ça, mos­tran­do tam­bém que a pes­qui­sa em Go­i­ás, con­so­an­te, ali­ás, as­si­na­la Áti­co Vi­las Bo­as da Mo­ta, na “ore­lha” da Ca­dei­ra 15, ain­da se faz, “gra­ças ao ta­len­to, à co­ra­gem, à per­sis­tên­cia e ao amor do ofi­cio”, qua­li­da­des re­u­ni­das pe­lo no­bre au­tor, in­dis­pen­sá­veis ao bom pes­qui­sa­dor e ca­pa­zes de su­pe­rar qual­quer di­fi­cul­da­des. Era as­sim o lou­va­do Ba­si­leu, pa­ra o qual não ha­via ob­stá­cu­lo ao bus­car nor­tes pa­ra re­a­li­za­ção de seus so­nhos, no­tan­do-se que, com o li­vro aci­ma ci­ta­do, além da no­tá­vel con­tri­bui­ção ao es­tu­do da li­te­ra­tu­ra e ti­rar es­tá aca­de­mia do ano­ni­ma­to, a bem di­zer, ti­rou de nos­so meio a ve­lha di­fi­cul­da­de em se sa­ber so­bre a vi­da e tra­je­tó­ria so­ci­o­cul­tu­ral, po­lí­ti­ca e li­te­rá­ria dos nos­sos con­fra­des, as­sun­to sem­pre de­sa­fi­an­te.

Es­sa per­ti­ná­cia de Ba­si­leu To­le­do Fran­ça, em­bo­ra pre­sen­te em tu­do o que es­cre­veu, re­ve­la-se mais acen­tu­a­da em Pi­o­nei­ros, his­tó­ria ro­man­ce­a­da de Ja­taí; O Su­do­es­te; Ten­ta­ti­va de In­ter­pre­ta­ção, obra dig­na de ser imi­ta­da; Can­ci­o­nei­ro de Tro­pas do Bra­sil Cen­tral, des­ta­can­do a ri­ca per­so­na­li­da­de in­te­lec­tu­al do fol­clo­ris­ta e há­bil his­to­ri­a­dor Ame­ri­ca­no do Bra­sil; Con­tos, Fá­bu­las e Fol­clo­re, res­ga­tan­do a im­por­tân­cia his­tó­ri­ca e li­te­rá­ria do pri­mei­ro con­tis­ta de Go­i­ás, Cris­pi­a­no Ta­va­res; e Ca­pan­guei­ros e Ja­gun­ços, ou­tro in­te­res­san­te ro­man­ce his­tó­ri­co do de­vo­ta­do es­cri­tor, sem o qual, a His­tó­ria dos Co­ro­néis es­ta­ria ór­fã no Su­do­es­te go­i­a­no e Les­te de Ma­to Gros­so, do­mí­nio his­to­ri­o­grá­fi­co, ali­ás, inau­gu­ra­do pe­lo Nor­des­te, on­de, além do im­pres­cin­dí­vel Os ser­tões, de Eu­cli­des da Cu­nha, obra da ca­be­cei­ra de Ba­si­leu, dis­tin­guem-se Co­ro­ne­lis­mo, En­xa­da e Vo­to, de Vi­tor Nu­nes Le­al, e Can­ga­cei­ros e Fa­ná­ti­cos, de Rui Fa­có.

Ao ser ho­me­na­ge­a­do em sua ter­ra na­tal em 8 de ju­nho de 2002, pre­sen­ci­an­do seu no­me no fron­tis­pí­cio de um Cen­tro de Cul­tu­ra, es­cre­veu pa­la­vras co­mo­ve­do­ras, li­das pe­lo fi­lho Jo­sé Ma­no­el To­le­do Fran­ça:

Ho­je, ao re­tor­nar a es­te lu­gar má­gi­co da me­ni­ni­ce, nos­sa que­ri­da Ma­ti­nha do olho d’água, on­de jor­ra­va dia e noi­te em bi­ca rús­ti­ca a água pu­ra pa­ra o ba­nho pú­bli­co, eu me en­can­to ain­da com as lem­bran­ças e te­nho a ine­fá­vel ale­gria de ver meu pró­prio no­me no fron­tis­pí­cio des­te Cen­tro de cul­tu­ra. Sem dú­vi­da al­gu­ma re­pre­sen­ta mais do que es­pe­ra­va da vi­da de ga­ro­to po­bre, mas fe­liz: ser lem­bra­do as­sim pe­los con­ter­râ­ne­os. Ja­mais po­de­ria so­nhar com prê­mio tão al­to e sig­ni­fi­ca­ti­vo, em­bo­ra não te­nha fei­to ou­tra coi­sa es­pe­ci­al na vi­da adul­ta de ho­mem de le­tras se­não pes­qui­sar, es­tu­dar e di­fun­dir os ver­da­dei­ros va­lo­res do po­vo, da ter­ra e da cul­tu­ra bra­si­lei­ra. De mo­do mui­to par­ti­cu­lar de Ja­taí e sua be­la re­gi­ão.

Por tu­do is­so, a ho­me­na­gem que me es­tá sen­do con­fe­ri­da de ser o pa­tro­no des­ta ca­sa re­pre­sen­ta o mai­or ga­lar­dão de mi­nha vi­da in­te­lec­tu­al. Uma con­sa­gra­ção na pró­pria ter­ra na­tal, que tan­to amo e pro­cu­ro dig­ni­fi­car. (Ja­taí, ju­nho/2002).

Eis aí, um pou­co da in­ten­sa tra­je­tó­ria in­te­lec­tu­al de Ba­si­leu To­le­do Fran­ça, au­tor de 25 li­vros dos qua­is pe­lo me­nos três in­te­gram a co­le­ção Do­cu­men­to Go­i­a­no, da edi­to­ra da UFG. Eis, por­tan­to, se­nhor pre­si­den­te, o re­tros­pec­to que pu­de fa­zer do in­sig­ne fi­lho de Ja­taí, ten­tan­do mos­trar por que os gran­des es­cri­to­res não mor­rem, no má­xi­mo, en­can­tam-se, co­mo di­ria Gui­ma­rã­es Ro­sa. Ba­si­leu não mor­reu. Su­as idei­as e seu in­dis­cu­tí­vel ta­len­to não têm co­mo se­pa­rar-se des­te lu­gar on­de de­fen­deu com bra­vu­ra os seus ide­ais, se­me­ou com ra­ra dis­cus­são sen­ti­men­tos de ami­za­de e apai­xo­nou-se pe­la Edu­ca­ção na qual – co­mo o fi­ló­so­fo Pla­tão – só en­si­nou o amor por al­gu­ma coi­sa.

 

(Mar­ti­nia­no J. Sil­va, ad­vo­ga­do, es­cri­tor, mem­bro do Mo­vi­men­to Ne­gro Uni­fi­ca­do MNU, da Aca­de­mia Go­i­a­na de Le­tras e Mi­nei­ren­se de Le­tras e Ar­tes, IHGGO, Ubego, mes­tre em His­tó­ria So­ci­al pe­la UFG, pro­fes­sor uni­ver­si­tá­rio, ar­ti­cu­lis­ta do DM  mar­ti­nia­nojsil­[email protected]­hoo.com.br)

 

Comentários