Opinião

Liberdade da alma

diario da manha

Vo­cê dor­me bem ou mal? O te­or da sua re­pos­ta de­fi­ne o seu grau de li­ber­da­de en­quan­to en­car­na­do nes­te Pla­ne­ta.

Dor­mir  é sa­ir  da pri­são,  é fi­car li­vre  no  mun­do  re­al e ver­da­dei­ro, o mun­do es­pi­ri­tual. Por aqui o Es­pí­ri­to es­ta­gia em pe­rí­o­dos rá­pi­dos. Co­lo­ca em che­que, a ca­da re­tor­no à vi­da cor­po­ral, su­as con­quis­tas e qua­li­da­des. Vê-se pre­so às fal­tas do pas­sa­do ou li­be­ra-se apro­vei­tan­do o te­sou­ro das ho­ras na re­cons­tru­ção do pró­prio des­ti­no.

A  ten­dên­cia ins­tin­ti­va  do Es­pí­ri­to  que an­seia por vol­tar ao seu mun­do de ori­gem  en­con­tra res­pal­do no so­no e nos so­nhos. Acon­te­ce as­sim por­que a vi­da na Ter­ra ou em qual­quer mun­do ma­te­ri­al é ape­nas uma eta­pa pro­vi­só­ria de apren­di­za­do. A ver­da­dei­ra vi­da con­ti­nua, eter­na­men­te, no es­pa­ço, lo­cal da vi­da de­fi­ni­ti­va. As­sim  se  ex­pli­ca  es­se  an­seio pe­la li­ber­ta­ção.

Quan­to mais gros­sei­ro  for o cor­po, mai­or o de­se­jo de li­vrar-se do seu in­vó­lu­cro. Mui­tos acham que a al­ma re­pou­sa, du­ran­te o so­no. Is­so não acon­te­ce por­que o Es­pí­ri­to ja­mais fi­ca ina­ti­vo.

Du­ran­te o so­no os la­ços  que o pren­dem ao cor­po se afrou­xam e  não pre­ci­san­do o cor­po  de sua pre­sen­ça, o Es­pí­ri­to se lan­ça no es­pa­ço e en­tra em re­la­ção mais di­re­ta com os ou­tros Es­pí­ri­tos.  Jul­ga-se da li­ber­da­de do Es­pí­ri­to, du­ran­te o so­no, pe­los so­nhos.

Quan­do   o  cor­po  re­pou­sa,   o Es­pí­ri­to  tem mais  fa­cul­da­des do que no es­ta­do de vi­gí­lia; é ca­paz de se lem­brar do pas­sa­do e al­gu­mas ve­zes pre­vê o fu­tu­ro.

Sua po­ten­ci­a­li­da­de au­men­ta e po­de pôr-se em co­mu­ni­ca­ção com os de­mais Es­pí­ri­tos, quer des­te mun­do, quer do ou­tro. Há lem­bran­ças dos lu­ga­res e das coi­sas que fo­ram vis­tas ou se­rão vis­tas, em ou­tra oca­si­ão.

Es­tan­do o cor­po en­tor­pe­ci­do, o Es­pí­ri­to tra­ta de que­brar seus gri­lhões e de in­ves­ti­gar no pas­sa­do ou no fu­tu­ro.

Quan­do dor­me, o ho­mem se acha, mo­men­ta­ne­a­men­te, no es­ta­do em que fi­ca­rá de for­ma de­fi­ni­ti­va, de­pois da mor­te.

Es­pí­ri­tos que se des­li­gam lo­go da ma­té­ria, quan­do mor­rem, são os que ti­ve­ram mai­or ín­di­ce de so­nhos in­te­li­gen­tes, os que vão pa­ra   jun­to dos se­res que lhes são su­pe­ri­o­res; vi­a­jam, con­ver­sam  e se ins­tru­em com eles; tra­ba­lham em obras que en­con­tra­rão pron­tas, ao mor­re­rem.

As­sim, cla­ro es­tá que se tre­i­na pa­ra a mor­te, en­quan­to se dor­me; é o que acon­te­ce com  Es­pí­ri­tos mais ele­va­dos. Mas, pa­ra a mas­sa dos ho­mens que mor­ren­do tem que pas­sar lon­gas ho­ras na per­tur­ba­ção, es­ses vão, en­quan­to dor­mem,  ou a mun­dos in­fe­rio­res à Ter­ra, on­de os cha­mam ve­lhas afei­ções , ou em bus­ca de go­zos mais bai­xos do que  os em que aqui tan­to se de­lei­tam. Vão be­ber dou­tri­nas ain­da mais vis , mais ig­nó­beis, mais fu­nes­tas dos que a que pro­fes­sam.

O que ge­ra a sim­pa­tia na Ter­ra é o  fa­to de sen­tir-se o ho­mem, ao des­per­tar, li­ga­do pe­lo co­ra­ção àque­les com quem aca­ba de pas­sar oi­to ou no­ve ho­ras de ven­tu­ra ou de pra­zer.

Tam­bém as an­ti­pa­ti­as in­ven­cí­veis se ex­pli­cam pe­lo fa­to de sen­tir­mos que os en­tes com quem an­ti­pa­ti­za­mos têm uma con­sci­ên­cia di­ver­sa da nos­sa. Is­so tam­bém ex­pli­ca o in­te­res­se mai­or ou ne­nhum, em re­la­ção ao que já nos in­te­res­sou, nou­tro mo­men­to.

Co­mo ve­mos, o so­no in­flui mais do que su­po­mos, em nos­sa vi­da. É atra­vés de­le que Deus abre a por­ta pa­ra que pos­sa­mos ir ter com nos­sos ami­gos do Céu; é o re­creio de­pois do tra­ba­lho.

Não há dú­vi­das. Di­a­ria­men­te, ao ador­me­cer, nos eman­ci­pa­mos   atra­vés    das  inú­me­ras ati­vi­da­des e en­con­tros   oní­ri­cos (so­nhos).

Es­sa fu­ga do cor­po fí­si­co re­ce­beu a de­no­mi­na­ção de Eman­ci­pa­ção da al­ma, pe­lo Co­di­fi­ca­dor da Dou­tri­na Es­pí­ri­ta, Al­lan Kar­dec, e pa­ra mai­o­res es­cla­re­ci­men­tos in­di­ca­mos a lei­tu­ra do ca­pí­tu­lo VI­II, da par­te se­gun­da de O Li­vro dos Es­pí­ri­tos, FEB Edi­to­ra, 2012, que, em mais de cin­quen­ta per­gun­tas,   res­pon­di­das pe­los Es­pí­ri­tos, traz  tam­bém  co­men­tá­rios per­ti­nen­tes, ca­so quei­ra sa­ber mais so­bre  o so­no e os so­nhos: a li­ber­da­de da al­ma.

 

(El­zi Nas­ci­men­to – psi­có­lo­ga clí­ni­ca e es­cri­to­ra / El­zi­ta Me­lo Quin­ta  –  pe­da­go­ga – es­pe­cia­lis­ta em Edu­ca­ção e es­cri­to­ra. São res­pon­sá­veis pe­lo Blog Es­pí­ri­ta: lu­zes­do­con­so­la­dor.com. Elas es­cre­vem  no DM às sex­tas-fei­ras e aos do­min­gos. E-mail: iop­[email protected]­ta.com.br (062) 3251 8867)

Comentários