Opinião

É possível evitar o erro médico?

diario da manha

Er­ros no sis­te­ma de sa­ú­de no Bra­sil ma­tam cer­ca de 148 pes­so­as por dia, se­gun­do pes­qui­sa di­vul­ga­da pe­lo 2º Anuá­rio de Se­gu­ran­ça As­sis­ten­ci­al Hos­pi­ta­lar no Bra­sil, pro­du­zi­do pe­lo IESS (Ins­ti­tu­to de Es­tu­dos de Sa­ú­de Su­ple­men­tar) e pe­lo Ins­ti­tu­to de Pes­qui­sa Fe­lu­ma, da Fa­cul­da­de de Ci­ên­cias Mé­di­cas de Mi­nas Ge­ra­is. Ao to­do, 54.076 pa­ci­en­tes per­de­ram a vi­da por es­sa ra­zão em 2017. O nú­me­ro se com­pa­ra aos de mor­tes vi­o­len­tas, cer­ca de 175 por dia, re­gis­tra­das no mes­mo pe­rí­o­do.

Na es­tei­ra des­ses da­dos, o mé­di­co, pes­qui­sa­dor e jor­na­lis­ta Atul Gawan­de, nos EUA, apon­ta que 40% dos pa­ci­en­tes co­ro­ná­rios re­ce­bem tra­ta­men­to ina­de­qua­do ou in­com­ple­to; 60% dos pa­ci­en­tes com as­ma e AVC pas­sam pe­la mes­ma si­tu­a­ção. Dois mi­lhões de pes­so­as ad­qui­rem in­fec­ção hos­pi­ta­lar, por­que al­guém da es­tru­tu­ra não ob­ser­vou re­gras bá­si­cas de hi­gi­e­ne.

Im­por­tan­te des­ta­car que, de ma­nei­ra equi­vo­ca­da, cha­ma­mos de er­ro mé­di­co to­das as in­ter­cor­rên­cias, fa­lhas e com­pli­ca­ções pre­sen­tes na se­a­ra da pres­ta­ção de ser­vi­ços mé­di­cos hos­pi­ta­la­res. Va­le res­sal­tar que a es­ma­ga­do­ra dou­tri­na pá­tria con­si­de­ra er­ro mé­di­co des­de o er­ro na ad­mi­nis­tra­ção de me­di­ca­men­tos por equi­pe de en­fer­ma­gem até a fa­lha téc­ni­ca em um pro­ce­di­men­to ci­rúr­gi­co ou er­ro de di­ag­nós­ti­co.

Não ob­stan­te, ob­ser­van­do-se a am­pli­tu­de se­mân­ti­ca do ter­mo e os fa­tos, cons­ta­ta-se que os er­ros mé­di­cos são nor­mal­men­te sis­tê­mi­cos e não en­vol­vem ape­nas do mé­di­co. Exis­te uma equi­pe de en­fer­mei­ros, au­xi­li­a­res, nu­tri­cio­nis­tas, fi­si­o­te­ra­peu­tas, far­ma­cêu­ti­cos e as­sis­ten­tes, que atuam no sis­te­ma de sa­ú­de. Es­ta­tis­ti­ca­men­te, as mai­o­res com­pli­ca­ções hos­pi­ta­la­res ain­da se re­la­ci­o­nam a me­di­ca­men­tos mi­nis­tra­dos er­ro­ne­a­men­te, al­guns in­clu­si­ve sem se­rem per­ce­bi­dos pe­los pa­ci­en­tes e seus fa­mi­lia­res e ou­tras que le­vam até a mor­te.

To­da vez que se ve­ri­fi­ca um er­ro, es­tá-se fa­lan­do de al­go mai­or que o fa­to em si.  O er­ro de um mé­di­co, por exem­plo, que con­sis­ta na tro­ca de um mem­bro bi­la­te­ral no mo­men­to de uma ci­rur­gia (ao in­vés de ser ope­ra­do o bra­ço di­rei­to, ope­ra­ra-se o bra­ço es­quer­do) po­de ser um in­di­ca­ti­vo de er­ro sis­tê­mi­co, em ge­ral. Ilus­tran­do-se: há al­guém que re­cep­cio­nou es­se pa­ci­en­te e fez a do­cu­men­ta­ção na in­ter­na­ção, al­guém que ve­ri­fi­cou se ha­via au­to­ri­za­ção do pla­no de sa­ú­de, al­guém que pre­pa­rou o cam­po ci­rúr­gi­co, al­guém que se­pa­rou to­dos os ins­tru­men­tos, o pró­prio pa­ci­en­te en­quan­to acor­da­do, o anes­te­sio­lo­gis­ta, o ci­rur­gi­ão. Se­rá que hou­ve um check list ci­rúr­gi­co? Se­rá que ca­da qual fez seu pa­pel com res­pon­sa­bi­li­da­de, con­si­de­ran­do que seu tra­ba­lho po­de­ria afe­tar to­dos os ou­tros sub­se­quen­tes?

Ou­tro pro­ble­ma de con­jun­tu­ra que afe­ta a vi­da do pro­fis­si­o­nal de sa­ú­de e, es­pe­ci­al­men­te a do mé­di­co, é a ro­ti­na es­tres­san­te e as jor­na­das exaus­ti­vas. Exis­tem mé­di­cos, que em de­cor­rên­cia dos bai­xos sa­lá­ri­os ou ho­no­rá­rios que re­ce­bem, que aca­bam re­a­li­zan­do se­te, oi­to ou mais ci­rur­gi­as em um dia, com o ob­je­ti­vo de ga­ran­tir um pa­drão de re­mu­ne­ra­ção al­to. Es­te pro­fis­si­o­nal es­tá se ex­pon­do a um ní­vel de es­tres­se mui­to gran­de e tam­bém a um ris­co de co­me­ter al­gum equí­vo­co ou des­li­ze, que com­pro­me­ta a vi­da do pa­ci­en­te. Além da sua pró­pria car­rei­ra.

É nor­mal que os pro­fis­si­o­nais re­a­li­zem aten­di­men­tos em sé­rie de pa­ci­en­tes no mes­mo dia, em lu­ga­res di­fe­ren­tes, in­ter­ca­la­dos com pro­ce­di­men­tos ci­rúr­gi­cos.  E, as­sim, es­ses pro­fis­si­o­nais vi­vem aba­los fí­si­cos, emo­cio­nais e psi­co­ló­gi­cos. Au­men­tan­do o ris­co de co­me­ter um er­ro em pro­ce­di­men­tos ou in­di­ca­ção de me­di­ca­men­to, por exem­plo.

Há tra­ta­men­tos pa­ra mi­lha­res de con­di­ções que um ser hu­ma­no po­de ter, mais 4 mil ti­pos de pro­ce­di­men­tos ci­rúr­gi­cos e em tor­no de 6 mil dro­gas que os mé­di­cos po­dem pres­cre­ver. Mas, um úni­co mé­di­co não con­se­gue ter to­das es­sas in­for­ma­ções pa­ra tra­tar seu pa­ci­en­te.

Ho­je os mé­di­cos bus­cam as es­pe­cia­li­za­ções e as hi­per es­pe­cia­li­za­ções. Pa­ra se ter uma ideia, o tra­ta­men­to de um pa­ci­en­te hos­pi­ta­li­za­do nor­mal­men­te é re­a­li­za­do por 10 pro­fis­si­o­nais: mé­di­cos, en­fer­mei­ros, es­pe­cia­lis­tas, fi­si­o­te­ra­peu­tas, nu­tri­cio­nis­tas, au­xi­li­a­res de en­fer­ma­gem e psi­có­lo­gos. To­dos es­ses pro­fis­si­o­nais são res­pon­sá­veis pe­lo pa­ci­en­te e in­ter­fe­rem di­re­ta­men­te no re­sul­ta­do do tra­ta­men­to. Se a me­nor dú­vi­da, há mé­di­cos es­pe­ta­cu­la­res, qua­se so­bre-hu­ma­nos em re­la­ção a sua ex­per­ti­se; mas, is­so não é su­fi­ci­en­te.

Se­ria pos­sí­vel evi­tar al­guns er­ros? Sim, atra­vés de um ár­duo tra­ba­lho de pre­ven­ção. Os pro­to­co­los mé­di­cos são es­sen­ci­ais pa­ra se evi­tar er­ros mé­di­cos. Os pro­to­co­los são cri­a­dos por jun­tas de pro­fis­si­o­nais es­pe­cia­li­za­dos em de­ter­mi­na­dos pro­ce­di­men­tos – le­vam em con­si­de­ra­ção as evi­dên­cias, ar­ti­gos ci­en­tí­fi­cos e pos­su­em fun­da­men­ta­ção den­tro de de­ter­mi­na­do tem­po – is­so por­que de­vem ser cons­tan­te­men­te atu­a­li­za­dos, ha­ja vis­ta a fre­quen­te in­ser­ção de no­vas tec­no­lo­gi­as em equi­pa­men­tos e me­di­ca­men­tos.

Ju­ri­di­ca­men­te, os pro­to­co­los são nor­te­a­do­res. Se ob­ser­va­dos, e em ha­ven­do uma com­pli­ca­ção pre­vis­ta em li­te­ra­tu­ra, di­fi­cil­men­te uma ação se­rá jul­ga­da pro­ce­den­te pe­los ma­gis­tra­dos. E, na hi­pó­te­se de o mé­di­co não ter ob­ser­va­do os pro­to­co­los por ne­gli­gên­cia, as chan­ces de uma con­de­na­ção au­men­tam di­an­te de um da­no ao pa­ci­en­te. A re­gra de­ve ser ob­ser­var os pro­to­co­los e se­gui-los. A ex­ce­ção pre­ci­sa­rá ser sem­pre jus­ti­fi­ca­da.

Co­nhe­cer o er­ro, por­tan­to, fa­lar so­bre ele, dis­cu­tir su­as cau­sas, não po­de ser­vir uni­ca­men­te pa­ra a pu­ni­ção dos en­vol­vi­dos, mas sim pa­ra que se re­a­li­zem re­gis­tros es­ta­tís­ti­cos sé­rios que per­mi­tam a ado­ção de mu­dan­ças pa­ra que se im­pe­ça ou­tros de er­ra­rem. À par­te as in­de­ni­za­ções, o er­ro de­ve ser um con­du­tor pa­ra a re­no­va­ção e con­se­quen­te re­a­va­li­a­ção de pro­ces­sos in­ter­nos e de for­ma­ção dos pro­fis­si­o­nais de sa­ú­de. Es­sa é a cha­ve pa­ra mu­dan­ças: re­co­nhe­ci­men­to das fa­lhas e bus­ca de so­lu­ções em con­jun­to.

 

(San­dra Fran­co é con­sul­to­ra ju­rí­di­ca es­pe­cia­li­za­da em Di­rei­to Mé­di­co e da Sa­ú­de, pre­si­den­te da Co­mis­são de Di­rei­to da Sa­ú­de e Res­pon­sa­bi­li­da­de Mé­di­co-Hos­pi­ta­lar da OAB de São Jo­sé dos Cam­pos (SP), pre­si­den­te da Aca­de­mia Bra­si­lei­ra de Di­rei­to Mé­di­co e da Sa­ú­de, mem­bro do Co­mi­tê de Éti­ca da UNESP pa­ra pes­qui­sa em se­res hu­ma­nos e Dou­to­ran­da em Sa­ú­de Pú­bli­ca)

tags:

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais