Opinião

Dólar nas alturas: viagem de férias em risco?

diario da manha

O pre­ço do dó­lar con­ti­nua em al­ta e nes­sa ter­ça-fei­ra (28) atin­giu no­vo re­cor­de fe­chan­do a R$ 4,14, o se­gun­do mai­or va­lor des­de o iní­cio do Pla­no Re­al, em 1994. Já o dó­lar tu­ris­mo, sem con­tar o IOF, era ven­di­do a R$ 4,31.

Qual­quer pre­vi­são a ser fei­ta pa­ra os pró­xi­mos mes­es, até o pe­rí­o­do das elei­ções, se­rá uma me­ra es­pe­cu­la­ção, já que o mer­ca­do se­gue ins­tá­vel di­an­te das in­cer­te­zas da cor­ri­da elei­to­ral.

Além dis­so, fa­to­res do am­bi­en­te in­ter­na­ci­o­nal tam­bém aca­bam re­fle­tin­do no va­lor do dó­lar. Es­sa si­tu­a­ção tem im­pac­tos di­re­tos em nos­sas vi­das, na nos­sa ro­ti­na e prin­ci­pal­men­te no nos­so bol­so.

A si­tu­a­ção fi­ca pi­or ain­da pa­ra quem es­tá com vi­a­gem mar­ca­da pa­ra o ex­te­ri­or. As fé­rias do fim de ano es­tão che­gan­do e quem es­ta­va pen­san­do em vi­a­jar pa­ra fo­ra do pa­ís e pre­ci­sa tro­car o re­al pe­lo dó­lar te­rá que re­pen­sar  mui­to bem os gas­tos.

Com o dó­lar tu­ris­mo nas al­tu­ras os va­lo­res po­dem au­men­tar mui­to: en­tram na con­ta pas­sei­os não com­pra­dos com an­te­ce­dên­cia, além é cla­ro do Im­pos­to so­bre Ope­ra­ções Fi­nan­cei­ras (IOF) do car­tão de cré­di­to in­ter­na­ci­o­nal, que atu­al­men­te pas­sa de 6%, sen­do es­sa uma das pi­o­res op­ções pa­ra quem quer fa­zer com­pras no ex­te­ri­or.

Pa­ra quem fi­ca­rá no Bra­sil, os pre­ços de pro­du­tos e ser­vi­ços tam­bém so­frem al­te­ra­ção, re­fle­tin­do di­re­ta­men­te no bol­so dos con­su­mi­do­res e di­mi­nu­in­do o po­der de com­pra. Pro­du­tos im­por­ta­dos e ali­men­tos que têm co­ta­ção no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal co­mo a so­ja, o ca­fé e prin­ci­pal­men­te o tri­go, que é usa­do na pro­du­ção de pã­es, bo­los, ma­car­rão, en­tre mui­tos ou­tros, tam­bém au­men­tam de pre­ço e o im­pac­to é sen­ti­do di­re­to nas pra­te­lei­ras dos su­per­mer­ca­dos bra­si­lei­ros.

Por­tan­to, é pre­ci­so re­fa­zer as con­tas e ter cau­te­la, ca­so con­trá­rio, as fi­nan­ças po­dem sa­ir do con­tro­le. Àque­les que ain­da não ti­nham se pro­gra­ma­do pa­ra uma vi­a­gem in­ter­na­ci­o­nal, não é que de­vam de­sis­tir, mui­to pe­lo con­trá­rio, mas tal­vez adiá-la pa­ra se pla­ne­jar me­lhor e não cor­rer o ris­co de se en­di­vi­dar se­ri­a­men­te.

Sen­do as­sim, a ori­en­ta­ção é sem­pre fa­zer uma boa pes­qui­sa de pre­ços, cor­tar gas­tos des­ne­ces­sá­rios e ter um cui­da­do ex­tra com as com­pras por im­pul­so, que qua­se sem­pre são mau ne­gó­cio.

A si­tu­a­ção pe­de cau­te­la, mas es­se po­de ser o mo­men­to de mu­dar de vez o com­por­ta­men­to em re­la­ção ao uso e à ad­mi­nis­tra­ção dos re­cur­sos, se edu­can­do fi­nan­cei­ra­men­te e es­tan­do pre­pa­ra­do pa­ra mo­men­tos de cri­se co­mo a atu­al.

 

(Rei­nal­do Do­min­gos, mes­tre e edu­ca­dor fi­nan­cei­ro, pre­si­den­te da As­so­cia­ção Bra­si­lei­ra de Edu­ca­do­res Fi­nan­cei­ros, au­tor dos li­vros Te­ra­pia Fi­nan­cei­ra, Pa­po Em­pre­en­de­dor, Li­vre-se das Dí­vi­das, Me­sa­da não é só di­nhei­ro, das co­le­ções in­fan­tis O Me­ni­no do Di­nhei­ro e O Me­ni­no e o Di­nhei­ro, além da co­le­ção di­dá­ti­ca de edu­ca­ção fi­nan­cei­ra pa­ra o En­si­no Bá­si­co, ado­ta­da em di­ver­sas es­co­las do pa­ís)

Comentários