Opinião

“Devo não nego, pago quando puder” dá cadeia

diario da manha

O an­ti­go adá­gio po­pu­lar “de­vo não ne­go, pa­go quan­do pu­der” ago­ra po­de le­var o em­pre­sá­rio/con­tri­buin­te pa­ra ca­deia. Is­to por­que, no  dia 22/08/2018 o Su­pe­ri­or Tri­bu­nal de Jus­ti­ça de­ci­diu que o não re­co­lhi­men­to de ICMS em ope­ra­ções pró­pri­as, de­vi­da­men­te de­cla­ra­das ao Fis­co, con­fi­gu­ra o cri­me pre­vis­to no art. 2º, II da Lei nº 8.137/1990, cu­ja pe­na é de de­ten­ção, de 6 (seis) a 2 (dois) anos, e mul­ta.

A im­por­tân­cia des­te jul­ga­men­to es­tá na uni­for­mi­za­ção da for­ma co­mo STJ pas­sa­rá a jul­gar a ma­té­ria no âm­bi­to pe­nal, em­bo­ra o pro­ces­so não se­ja afe­to aos Re­cur­sos Re­pe­ti­ti­vos, o que vin­cu­la­ria to­dos os ju­í­zes.

O Acór­dão pu­bli­ca­do dia 31/08/2018, con­fir­ma que a vi­da do con­tri­buin­te fi­ca­rá ain­da mais di­fí­cil a par­tir de ago­ra.

A de­ne­ga­ção do Ha­be­as Cor­pus nº 399.109-SC,  tra­ta de ca­rac­te­ri­zar o não pa­ga­men­to do ICMS de­cla­ra­do co­mo cri­me, ou se­ja, o con­tri­buin­te que cum­priu to­das as obri­ga­ções aces­só­rias, de­cla­rou cor­re­ta­men­te seu tri­bu­to, mas não re­co­lheu aos co­fres pú­bli­cos, po­de­rá ser con­de­na­do à pri­são.

O de­ta­lhe es­tá nas pa­la­vras “des­con­ta­do ou co­bra­do” na des­cri­ção do ti­po pe­nal, até en­tão, a ca­rac­te­ri­za­ção do cri­me ocor­ria quan­do hou­ves­se a re­ten­ção de tri­bu­tos de ter­cei­ros – apro­pria­ção in­dé­bi­ta. Que po­dia ser afas­ta­da me­di­an­te a com­pro­va­ção de não ocor­rên­cia de do­lo.

Ago­ra, a de­ci­são fa­la de ICMS pró­prio, sen­do es­te o pon­to no­dal da con­tro­vér­sia. Co­mo o  STF de­ci­diu que o ICMS não é re­cei­ta ou fa­tu­ra­men­to do con­tri­buin­te, pa­ra fins de ba­se de cál­cu­lo das con­tri­bui­ções ao PIS/Co­fins, pa­re­ce ra­zo­á­vel en­tão, con­si­de­rar que o não pa­ga­men­to do ICMS, con­fi­gu­ra-se a re­ten­ção do im­pos­to co­bra­do do con­su­mi­dor fi­nal, mas que efe­ti­va­men­te é do Es­ta­do.

Uma ló­gi­ca sim­ples, mas que não con­diz com o nos­so com­ple­xo sis­te­ma tri­bu­tá­rio, es­pe­ci­al­men­te quan­do fa­la­mos de res­trin­gir um dos va­lo­res mais ca­ros da so­ci­e­da­de – a li­ber­da­de.

O Di­rei­to é re­fle­xo dos va­lo­res so­ci­ais em de­ter­mi­na­do tem­po e lu­gar, a Lei dos cri­mes tri­bu­tá­rios, pu­bli­ca­da em 1990, ano em que Fer­nan­do Col­lor as­su­miu a pre­si­dên­cia com uma car­ga tri­bu­tá­ria de 23,71% do PIB, al­can­ça­va uma re­a­li­da­de, e ne­la cou­be es­co­lhas le­gis­la­ti­vas on­de al­gu­mas con­du­tas re­la­ci­o­na­das ao de­ver de pa­gar os tri­bu­tos fo­ram clas­si­fi­ca­das co­mo cri­me.

Qua­se três dé­ca­das de­pois, em meio a uma cri­se eco­nô­mi­ca e po­lí­ti­ca, com uma car­ga tri­bu­tá­ria de 32%, é pos­sí­vel re­pen­sar qua­is bens ju­rí­di­cos são mais im­por­tan­tes pa­ra so­ci­e­da­de e que me­re­cem a pro­te­ção do Di­rei­to Pe­nal.

Pa­ra o STJ, que dá a pa­la­vra fi­nal quan­to a in­ter­pre­ta­ção das Leis Fe­de­ra­is, não re­co­lher tri­bu­tos é um va­lor su­pe­ri­or ao  di­rei­to de ir e vir.

Se es­ta for mes­mo a pa­la­vra fi­nal do Ju­di­ci­á­rio, tal­vez, a con­si­de­ra­ção va­lo­ra­ti­va de­va vol­tar pa­ra o le­gis­la­ti­vo, es­pe­ci­al­men­te aque­le que se­rá elei­to es­te ano, e te­rá a res­pon­sa­bi­li­da­de de fa­zer a re­for­ma tri­bu­tá­ria, pre­vi­den­ci­á­ria e po­li­ti­ca no pró­xi­mo go­ver­no, não ne­ces­sa­ria­men­te nes­ta or­dem.

Pois, se há ri­gor em pu­nir, é ho­ra tam­bém da so­ci­e­da­de co­brar com ve­e­mên­cia um sis­te­ma tri­bu­tá­rio mais sim­ples, on­de o em­pre­sá­rio/con­tri­buin­te pos­sa com cer­te­za e tran­spa­rên­cia sa­ber an­te­ci­pa­da­men­te sua car­ga tri­bu­tá­ria, sem sur­pre­sas no meio do ca­mi­nho.  Co­brar mai­or ri­gor e tran­spa­rên­cias nas con­tas pú­bli­cas, pa­ra cla­re­za e con­fi­an­ça de que o tri­bu­to com­pul­so­ria­men­te co­bra­do, foi efe­ti­va­men­te uti­li­za­do pa­ra seus fins e re­dun­dou nu­ma so­ci­e­da­de mais jus­ta.

 

(Fer­nan­da Ter­ra, Ter­ra e Vec­ci Ad­vo­ga­dos)

Comentários