Opinião

Atentado a Bolsonaro: parece que há mais coisas por trás daquela faca

diario da manha

O aten­ta­do a ar­ma bran­ca – coi­sa apa­ren­te­men­te inu­si­ta­da – con­tra o pre­si­den­ci­á­vel Ja­ir Bol­so­na­ro sus­ci­tou mui­ta po­lê­mi­ca por di­ver­sas ra­zões.

Pri­mei­ro, o acha­do de um car­tão da Cai­xa Eco­nô­mi­ca Fe­de­ral de uma con­ta com 350 mil re­ais na pou­sa­da on­de se hos­pe­da­ra o qua­se as­sas­si­no, Adé­lio Bis­po de Oli­vei­ra, re­sul­tan­te de um de­pó­si­to, que so­ou es­tra­nho pa­ra um de­sem­pre­ga­do.

Não ob­stan­te de­sem­pre­ga­do, Adé­lio ti­nha to­da uma es­tru­tu­ra lo­gís­ti­ca e fi­nan­cei­ra a sua dis­po­si­ção, com qua­tro ce­lu­la­res e um “no­te­bo­ok” im­pen­sá­vel pa­ra um de­sem­pre­ga­do. O de­sem­pre­ga­do já es­ti­ve­ra nos es­ta­dos de São Pau­lo e do Rio de Ja­neir,o on­de Bol­so­na­ro fa­zia cam­pa­nha, tu­do pa­go por al­guém, que a po­lí­cia não quer ou não po­de de­cli­nar, o que in­di­ca que tem pei­xe gra­ú­do por trás dis­so.

A Glo­bo es­tá tra­tan­do o ca­so co­mo “lo­bo so­li­tá­rio” (um ca­so iso­la­do, pra­ti­ca­do por uma só pes­soa por mo­ti­va­ção pes­so­al pró­pria), e o mi­nis­tro da de­fe­sa, Ra­ul Jung­mann, pa­re­ce que  cor­ro­bo­rou a te­se glo­bal, con­du­zin­do o ca­so pa­ra ou­tra li­nha de in­ves­ti­ga­ção. O im­pé­rio dos Ma­ri­nho (leia-se Re­de Glo­bo) de­ve R$ 358 mi­lhões só de im­pos­tos, que Bol­so­na­ro ame­a­ça co­brar, além de cor­tar gran­de par­te da pu­bli­ci­da­de go­ver­na­men­tal da em­pre­sa, o que iria “que­brar as per­nas” da eco­no­mia da Glo­bo.

Não é só a es­quer­da que tem in­te­res­se no fim de Bol­so­na­ro, pois gen­te de di­rei­ta e cen­tro-di­rei­ta é quem mais se vê en­ca­la­cra­da no ci­po­al da La­va Ja­to e ou­tras ope­ra­ções da Po­lí­cia Fe­de­ral. E com a ame­a­ça de Bol­so­na­ro de pas­sar um “pen­te fi­no” na pi­lan­tra­gem dos três Po­de­res tor­na pe­ri­cli­tan­te sua si­tu­a­ção  de se­gu­ran­ça.

Que exis­tem man­dan­tes, não há dú­vi­da, e es­tes pa­re­ce que con­ta­vam com a mor­te do agres­sor pe­los se­gu­ran­ças de Bol­so­na­ro, se­pul­tan­do qual­quer ten­ta­ti­va de so­lu­ção do ca­so, pois foi adre­de es­co­lhi­da uma pes­soa sem re­la­ções de pa­ren­tes­co ou ami­za­de, sem em­pre­go e sem qual­quer pos­si­bi­li­da­de de se che­gar ao man­dan­te. E as au­to­ri­da­des só não che­ga­rão se não qui­se­rem, mas há que se le­var em con­ta o in­te­res­se da es­quer­da, da di­rei­ta e de to­dos aque­les ame­a­ça­dos pe­las pro­mes­sas de Bol­so­na­ro e de seu vi­ce, ge­ne­ral Mou­rão, de ve­rem o Bra­sil pas­sa­do a lim­po.

O fa­to de a de­fe­sa de um de­sem­pre­ga­do es­tar a car­go de um re­no­ma­do es­cri­tó­rio ad­vo­ca­tí­cio de Mi­nas, que man­dou dois ad­vo­ga­dos em um avi­ão par­ti­cu­lar às pres­sas de Be­lo Ho­ri­zon­te ru­mo a Ju­iz de Fo­ra, na Zo­na da Ma­ta, pa­ra par­ti­ci­par da de­fe­sa de Adé­lio Bis­po de Oli­vei­ra, soa es­tra­nho.

Ago­ra, um fa­to no­vo apa­re­ce.

No dia 14 sub­se­quen­te, uma se­ma­na após o aten­ta­do, foi pro­to­co­li­za­da na Pro­cu­ra­do­ria Ge­ral da Re­pú­bli­ca uma no­tí­cia-cri­me, que, em re­su­mo, in­clui co­mo co­par­ti­ci­pan­tes do aten­ta­do jus­ta­men­te os ad­vo­ga­dos Za­no­ne Ma­nu­el de Oli­vei­ra Jú­ni­or, Fer­nan­do Cos­ta Oli­vei­ra Ma­ga­lhã­es, Mar­ce­lo Ma­no­el da Cos­ta, e Pe­dro Au­gus­to de Li­ma Fe­li­pe e Pos­sas, to­dos com en­de­re­ço pro­fis­si­o­nal no Es­cri­tó­rio de Ad­vo­ca­cia Nas­ci­men­to, Dis­cac­ci­a­ti, Cos­ta & Mou­tei­ra, Ad­vo­ga­dos As­so­cia­dos (que pa­tro­ci­na a de­fe­sa de Adé­lio), pe­los cri­mes de or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa e de ter­ro­ris­mo. Ale­ga a re­pre­sen­ta­ção que na ma­nhã se­guin­te ao aten­ta­do, o ad­vo­ga­do Za­no­ne Ma­nu­el de Oli­vei­ra Jú­ni­or, des­lo­cou-se em ae­ro­na­ve par­ti­cu­lar de Be­lo Ho­ri­zon­te pa­ra Ju­iz de Fo­ra, on­de se en­con­trou com os de­mais re­pre­sen­ta­dos, pa­ra acom­pa­nha­rem o agres­sor na au­diên­cia de cus­tó­dia, re­a­li­za­da pe­ran­te a 2ª Va­ra Fe­de­ral da Sub­se­ção Ju­di­ci­á­ria da­que­la ci­da­de.

Pros­se­gue a pe­ça de re­pre­sen­ta­ção, in­for­man­do que du­ran­te a au­diên­cia de cus­tó­dia, o acu­sa­do ma­ni­fes­tou-se de for­ma lú­ci­da e co­e­ren­te, de­mos­tran­do fri­e­za e ple­na con­sci­ên­cia da gra­vi­da­de do de­li­to pra­ti­ca­do, bem co­mo de su­as con­se­quên­cias, dei­xan­do cla­ra a ine­quí­vo­ca mo­ti­va­ção po­lí­ti­ca e ide­o­ló­gi­ca do cri­me, des­cre­ven­do o en­ca­de­a­men­to dos fa­tos que re­sul­ta­ram em sua ação, dei­xan­do vis­lum­brar com cer­te­za ra­zo­á­vel, a pos­si­bi­li­da­de re­al da exis­tên­cia de ou­tras pes­so­as no pla­ne­ja­men­to, fi­nan­cia­men­to e exe­cu­ção do aten­ta­do, em ine­quí­vo­ca as­so­cia­ção cri­mi­no­sa pa­ra a prá­ti­ca de um ato ter­ro­ris­ta de na­tu­re­za po­lí­ti­ca, e que ti­nha co­mo ob­je­ti­vo as­sas­si­nar o can­di­da­to a Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca Ja­ir Mes­si­as Bol­so­na­ro, mui­to em­bo­ra tal pos­si­bi­li­da­de ve­nha sen­do ne­ga­da pe­lo acu­sa­do.

A con­du­ta, atu­a­ção, com­por­ta­men­to, de­cla­ra­ções e con­tra­di­ções dos ad­vo­ga­dos fren­te ao epi­só­dio le­van­tam sus­pei­tas plau­sí­veis de que es­ses es­te­jam atu­an­do no ca­so não ape­nas na con­di­ção de ad­vo­ga­dos do au­tor do de­li­to, ação ple­na­men­te am­pa­ra­da pe­lo or­de­na­men­to ju­rí­di­co e cons­ti­tu­ci­o­nal, mas es­cu­da­das por uma or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa res­pon­sá­vel pe­la prá­ti­ca de um aten­ta­do de na­tu­re­za po­lí­ti­ca.

Den­tro des­sa pers­pec­ti­va, à luz do com­por­ta­men­to dos re­pre­sen­ta­dos, exis­te a pos­si­bi­li­da­de con­cre­ta de que os mes­mos te­nham pra­ti­ca­do, ou es­te­jam pra­ti­can­do, em te­se, os de­li­tos de or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa e cri­mes con­tra a se­gu­ran­ça na­ci­o­nal; em re­su­mo, es­ta­ri­am en­qua­dra­dos no cri­me de ter­ro­ris­mo (ar­ti­gos 2°, inc. V; 3°, ”ca­put”; e 6°, pa­rá­gra­fo úni­co, da Lei n° 13.260/16), hi­pó­te­se me­nos gra­vo­sa, mas igual­men­te pas­sí­vel de per­se­cu­ção pe­nal,  ca­pi­tu­la­dos nos ar­ti­gos 1°, in­ci­sos I, II, III e V; e 2°, in­ci­sos I e II, da Lei n° 8.137/90, que de­fi­ne cri­mes con­tra a or­dem tri­bu­tá­ria, eco­nô­mi­ca e re­la­ções de con­su­mo.

Den­tre os ele­men­tos de sus­pei­ta es­ta­ria a es­tra­nha re­la­ção que foi es­ta­be­le­ci­da en­tre os re­pre­sen­ta­dos, na con­di­ção de ad­vo­ga­dos; o au­tor do de­li­to, ho­mem ale­ga­da­men­te de­sem­pre­ga­do, apa­ren­te­men­te sem re­cur­sos fi­nan­cei­ros pa­ra cus­te­ar os ho­no­rá­rios ad­vo­ca­tí­ci­os de pro­fis­si­o­nais li­ga­dos a uma das mais con­cei­tu­a­das, e ca­ras, ban­cas de ad­vo­ca­cia do es­ta­do de Mi­nas Ge­ra­is; e um pre­ten­so “fi­lan­tro­po” que, em me­nos de 24 ho­ras, se dis­pôs a cus­te­ar a de­fe­sa do au­tor de um cri­me que cau­sou gran­de co­mo­ção na­ci­o­nal, co­lo­can­do a sua dis­po­si­ção uma ca­ra equi­pe de ad­vo­ga­dos de re­no­ma­da atu­a­ção e re­co­nhe­ci­da ca­pa­ci­da­de pro­fis­si­o­nal.

Ocor­re que os re­pre­sen­ta­dos, quan­do ques­ti­o­na­dos so­bre a ori­gem dos re­cur­sos re­ce­bi­dos a tí­tu­lo de ho­no­rá­rios, apre­sen­ta­ram ver­sões con­tra­di­tó­ri­as, e que não ape­nas dei­xam de co­la­bo­rar com a elu­ci­da­ção das dú­vi­das que pai­ram so­bre seu re­al pa­pel no epi­só­dio, mas aca­bam por em­ba­ra­çar a pró­pria in­ves­ti­ga­ção po­li­ci­al em an­da­men­to, vol­ta­da não ape­nas pa­ra a con­du­ta do exe­cu­tor do cri­me, mas que tam­bém bus­ca apu­rar a exis­tên­cia de uma es­tru­tu­ra or­ga­ni­za­da cri­a­da dar su­por­te ao co­me­ti­men­to do de­li­to.

Den­tre as ver­sões ofe­re­ci­das pe­los ad­vo­ga­dos so­bre a ori­gem dos re­cur­sos des­ti­na­dos ao pa­ga­men­to de seus ho­no­rá­rios, ini­ci­al­men­te foi re­fe­ri­da que o con­tra­tan­te e fi­nan­cia­dor da as­sis­tên­cia ju­rí­di­ca se­ria a “Igre­ja Tes­te­mu­nhas de Je­o­vá”, na ci­da­de de Mon­tes Cla­ros/MG, o que foi pron­ta­men­te re­pe­li­do pe­la en­ti­da­de ci­ta­da, em no­ta ofi­ci­al. Em um se­gun­do mo­men­to, so­bre­veio a ver­são de que os ho­no­rá­rios e cus­tas es­ta­ri­am sen­do pa­gos pe­lo mem­bro de uma ins­ti­tu­i­ção re­li­gi­o­sa, que pe­diu pa­ra não ser iden­ti­fi­ca­do e, ao fi­nal, foi ofe­re­ci­da ain­da ou­tra ver­são, de que a as­sis­tên­cia ju­rí­di­ca es­ta­va sen­do re­a­li­za­da “pro bo­no”, em con­di­ções ve­da­das pe­lo pró­prio Es­ta­tu­to da OAB e Có­di­go de Éti­ca da Ad­vo­ca­cia.

É por de­mais ob­scu­ra a for­ma de par­ti­ci­pa­ção dos ad­vo­ga­dos na de­fe­sa do au­tor de um aten­ta­do ter­ro­ris­ta, pes­soa ca­ren­te de re­cur­sos, mas que te­ve apre­en­di­do con­si­go qua­tro ce­lu­la­res e um com­pu­ta­dor por­tá­til, e que vi­nha cir­cu­lan­do en­tre ci­da­des, sem ocu­pa­ção fi­xa, sus­ten­tan­do-se com re­cur­sos cu­ja ori­gem ain­da per­ma­ne­ce des­co­nhe­ci­da; o fa­to tem o con­dão de le­van­tar con­tra os mes­mos fun­da­das sus­pei­tas de que te­nha ha­vi­do a tran­spo­si­ção de li­mi­tes que de­vem ba­li­zar a re­la­ção ad­vo­ga­do-cli­en­te, prin­ci­pal­men­te pe­la exis­tên­cia de um ter­cei­ro ele­men­to, o fi­nan­cia­dor, cu­ja iden­ti­da­de os re­pre­sen­ta­dos in­sis­tem em man­ter sob si­gi­lo.

Sus­ten­ta a no­tí­cia-cri­me que o ale­ga­do di­rei­to ao si­gi­lo, in­clu­si­ve, nes­se ca­so, não en­con­tra qual­quer am­pa­ro le­gal, uma vez que não se re­fe­re à re­la­ção ad­vo­ga­do-cli­en­te, mas a um ter­cei­ro al­heio a es­ta, que uma vez dis­pon­do–se a cus­te­ar o pa­ga­men­to da de­fe­sa do acu­sa­do, não po­de exi­gir qual­quer ga­ran­tia de ano­ni­ma­to em re­la­ção à sua pes­soa.

Além dis­so, se al­gu­ma dú­vi­da pai­ras­se em re­la­ção à im­pos­si­bi­li­da­de de se opor si­gi­lo a ter­cei­ro al­heio à re­la­ção ad­vo­ga­do-cli­en­te, ela se­ria ful­mi­na­da pe­la obri­ga­to­ri­e­da­de de os ad­vo­ga­dos de­cla­ra­rem a ori­gem e va­lor dos re­cur­sos re­ce­bi­dos a tí­tu­lo de ho­no­rá­rios, mes­mo que te­nham ocor­ri­do em es­pé­cie, co­mo os pró­prios ale­gam, pa­ra fins de re­co­lhi­men­tos de im­pos­tos, no­ta­da­men­te o im­pos­to de ren­da, sob pe­na de es­ta­rem pra­ti­can­do so­ne­ga­ção fis­cal.  A pró­pria mo­da­li­da­de do pa­ga­men­to – em es­pé­cie – que ale­ga­da­men­te, se­gun­do o re­pre­sen­ta­do Za­no­ne Ma­nu­el de Oli­vei­ra Jú­ni­or, te­ria ocor­ri­do, de per se já pos­sui o con­dão de le­van­tar sus­pei­tas so­bre a ope­ra­ção, nor­mal­men­te re­a­li­za­da em ati­vi­da­des ilí­ci­tas com a fi­na­li­da­de de di­fi­cul­tar ou mes­mo im­pe­dir o ras­tre­a­men­to da ori­gem dos re­cur­sos, ação tí­pi­ca de or­ga­ni­za­ções cri­mi­no­sas.

Além dis­so tu­do, o es­cla­re­ci­men­to da mo­ti­va­ção, au­to­ria ou co­au­to­ria, e a iden­ti­fi­ca­ção de even­tua­is man­dan­tes da ten­ta­ti­va de as­sas­si­na­to pra­ti­ca­da con­tra Ja­ir Mes­si­as Bol­so­na­ro é ho­je uma exi­gên­cia da so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra, uma vez que o de­li­to, mais do que um ata­que pes­so­al, foi igual­men­te um aten­ta­do à de­mo­cra­cia e ao pró­prio Es­ta­do De­mo­crá­ti­co de Di­rei­to e, nes­se ca­so, en­ten­de-se ha­ver a su­pre­ma­cia do in­te­res­se pú­bli­co so­bre ques­tões pri­va­das, par­ti­cu­lar­men­te no que tan­ge à bus­ca da per­se­cu­ção pe­nal, com a iden­ti­fi­ca­ção de to­dos os par­tí­ci­pes do aten­ta­do ter­ro­ris­ta.

A con­du­ta dos ad­vo­ga­dos re­pre­sen­ta­dos em não re­ve­lar o no­me do con­tra­tan­te que se dis­pôs, de for­ma ine­qui­vo­ca­men­te sus­pei­ta, a cus­te­ar a de­fe­sa de um cri­mi­no­so de re­co­nhe­ci­da pe­ri­cu­lo­si­da­de, e que co­me­teu um de­li­to de am­pla re­per­cus­são so­ci­al, po­de ocul­tar a re­al in­ten­ção de res­guar­dar quem, even­tual­men­te, po­de ser o men­tor in­te­lec­tu­al, man­dan­te do cri­me, ou cúm­pli­ce de um com­plô pa­ra as­sas­si­nar um de­sa­fe­to po­lí­ti­co, e que ago­ra bus­ca evi­tar que o au­tor ma­te­ri­al do cri­me, ve­nha a de­nun­ci­ar tal con­di­ção, se não for au­xi­li­a­do de­vi­da­men­te em sua de­fe­sa; de pre­fe­rên­cia com a cons­ti­tu­i­ção de um cor­po ju­rí­di­co de ine­gá­vel qua­li­fi­ca­ção.

Le­van­do-se em con­ta as fun­da­das sus­pei­tas de que o aten­ta­do pos­sa ter si­do en­gen­dra­do e fi­nan­cia­do por uma or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa, a con­du­ta dos ad­vo­ga­dos em ne­ga­rem-se a re­ve­lar a iden­ti­da­de do seu con­tra­tan­te, que se ima­gi­na pos­sa ser o elo en­tre o cri­mi­no­so e even­tua­is man­dan­tes do cri­me, quan­do não, ele mes­mo, in­te­gran­te de um gru­po cri­mi­no­so, dei­xa de ser res­guar­da­da pe­las prer­ro­ga­ti­vas cons­ti­tu­ci­o­nais do exer­cí­cio da ad­vo­ca­cia, e pas­sa a ca­rac­te­ri­zar con­du­ta cri­mi­no­sa pas­sí­vel de res­pon­sa­bi­li­za­ção pe­nal, nos mol­des já an­te­rior­men­te in­di­ca­dos, tais co­mo as­so­cia­ção em or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa; cri­me con­tra a se­gu­ran­ça na­ci­o­nal; e cri­me de ter­ro­ris­mo.

Não se con­fir­man­do, no en­tan­to, a exis­tên­cia de de­li­tos des­sa na­tu­re­za, e que te­nham si­do pra­ti­ca­dos pe­los ad­vo­ga­dos re­pre­sen­ta­dos, hi­pó­te­se que so­men­te se po­de­rá des­car­tar após uma ade­qua­da in­ves­ti­ga­ção, a ser le­va­da a ca­bo por or­dem do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co ain­da re­ma­nes­ce; an­te a de­cla­ra­ção do ad­vo­ga­do Za­no­ne Ma­nu­el de Oli­vei­ra Jú­ni­or, de que te­ria re­ce­bi­do os va­lo­res de ho­no­rá­rios em es­pé­cie, de al­guém que não quis ser iden­ti­fi­ca­do; a pos­si­bi­li­da­de de se es­tar fren­te a um de­li­to de na­tu­re­za tri­bu­tá­ria, co­mo a omis­são de ren­da pa­ra exi­mir-se, to­tal ou par­ci­al­men­te, de pa­ga­men­to de tri­bu­to, con­du­ta pre­vis­ta na Lei n° 8.137/90; e que de­ve, igual­men­te, ser apu­ra­da.

Em re­su­mo, com es­sa no­tí­cia-cri­me, já em pro­ces­sa­men­to na Pro­cu­ra­do­ria Ge­ral da Re­pú­bli­ca, e com o cri­mi­no­so con­fi­na­do em  um pre­sí­dio fe­de­ral, só não che­gam ao man­dan­te se não qui­se­rem.

 

(Li­be­ra­to Pó­voa, de­sem­bar­ga­dor apo­sen­ta­do do TJ-TO, mem­bro-fun­da­dor da Aca­de­mia To­can­ti­nen­se de Le­tras e da Aca­de­mia Di­a­no­po­li­na de Le­tras, es­cri­tor, ju­ris­ta, his­to­ri­a­dor e ad­vo­ga­do – li­be­ra­to­po­[email protected])

Comentários