Opinião

A perfeita lei da liberdade

diario da manha

A Lei Per­fei­ta da Li­ber­da­de é a lei in­te­ri­or, não exi­gi­da por um pre­cei­to, mas pe­lo pró­prio co­ra­ção do ho­mem. Es­ta é a lei do amor dei­xa­da por Nos­so Se­nhor Je­sus Cris­to. A car­ta de São Ti­a­go é com­pos­ta por mui­tas exor­ta­ções so­bre a fé que, quan­do aco­lhi­da e pra­ti­ca­da, pro­duz a san­ti­da­de, en­vol­ven­do aque­les que es­tão em tor­no. O tex­to (Tg 1,19-27) co­me­ça com uma trí­pli­ce exor­ta­ção: pron­ti­dão no es­cu­tar, len­ti­dão no fa­lar e fre­ar a ira.

A pron­ti­dão em es­cu­tar a pa­la­vra se re­fe­re ao re­la­ci­o­na­men­to com Deus. Por meio da es­cu­ta se co­nhe­ce a Sua von­ta­de, que po­de ser ma­ni­fes­ta­da a qual­quer mo­men­to. Por is­so, exi­ge-se pron­ti­dão, dis­po­ni­bi­li­da­de in­te­ri­or em es­cu­tar, de­di­ca­ção à pa­la­vra pa­ra po­der co­nhe­cê-la bem.

A len­ti­dão, quan­to ao fa­lar e ao irar-se, se re­fe­re ao tra­to co­mu­ni­tá­rio, con­se­quên­cia da es­cu­ta da pa­la­vra. So­mos con­du­zi­dos a não ape­nas ou­vir, mas re­a­li­zar a pa­la­vra, ou se­ja, cum­prir a jus­ti­ça de Deus, aqui­lo que é de Sua von­ta­de.

O fa­lar de­mais ou mui­to rá­pi­do an­tes de es­cu­tar a voz in­te­ri­or e a ira im­pe­dem que fa­ça­mos aqui­lo que agra­da a Deus, que é jus­to e san­to aos olhos d’Ele e, por is­so, im­pe­dem a pa­la­vra de ger­mi­nar e pro­du­zir fru­tos no co­ra­ção.

Es­ta exor­ta­ção vem ao en­con­tro de mui­tas re­a­li­da­des do nos­so tem­po: as pes­so­as sen­tem mais ne­ces­si­da­de de fa­lar do que de ou­vir e, por is­so, mes­mo nas fa­mí­lias, o di­á­lo­go fi­ca pre­ju­di­ca­do. Pa­re­ce que ou­vir a Deus ou ao ou­tro é sen­ti­do co­mo per­da de tem­po, co­mo se o ou­tro não fos­se ca­paz de acres­cen­tar na­da em nos­sa vi­da.

A aco­lhi­da da pa­la­vra é ape­nas o pri­mei­ro pas­so. De­pois é pre­ci­so co­lo­cá-la em prá­ti­ca (Tg 1,22). Quem ape­nas es­cu­ta pas­si­va­men­te  é com­pa­ra­do a quem con­tem­pla o pró­prio ros­to e de­pois se es­que­ce do que viu por­que fez ape­nas a ex­pe­ri­ên­cia con­si­go mes­mo, não a sen­tiu co­mo pa­la­vra de Deus.

A sim­ples es­cu­ta e acei­ta­ção não pro­du­zem san­ti­da­de. É co­mo al­guém que gos­ta de ou­vir mú­si­ca ins­tru­men­tal, ape­nas de­di­car-se a ou­vir não o tor­na ca­paz de re­ti­rar aque­les be­los sons do ins­tru­men­to ao tê-lo nas mãos. O amor, à me­di­da que é pra­ti­ca­do, vai dan­do à pes­soa a ver­da­dei­ra ca­pa­ci­da­de de amar e pro­du­zir fru­tos.

O con­vi­te é a de­bru­çar-se so­bre a pa­la­vra pa­ra ne­la des­co­brir a Lei Per­fei­ta da Li­ber­da­de e, pra­ti­can­do-a, ser bem-aven­tu­ra­do em tu­do que faz. Um im­pe­ra­ti­vo que sur­ge em nos­so co­ra­ção e ins­pi­ra nos­sa for­ma de agir.

Por ser aqui­lo de mais es­pon­tâ­neo no ser hu­ma­no, o amor não po­de ser en­ten­di­do co­mo uma re­gra à qual al­guém pos­sa ser sub­me­ti­do. É um dom de Deus que pro­vo­ca o ho­mem por­que re­si­de em seu co­ra­ção e em sua con­sci­ên­cia, ex­pres­são da Sua von­ta­de pre­sen­te no Evan­ge­lho. Ob­ser­var es­sa lei tor­na o ho­mem li­vre do pe­ca­do, sim­bo­li­za­do pe­la ira, e do exa­ge­ra­do ape­go a si mes­mo, sim­bo­li­za­do pe­lo fa­lar apres­sa­da­men­te.

A Lei Per­fei­ta da Li­ber­da­de, ca­paz de ge­rar a ver­da­dei­ra fe­li­ci­da­de, é o amor de Deus im­plan­ta­do no co­ra­ção do ho­mem. Por­que on­de es­tá o Es­pí­ri­to do Se­nhor aí es­tá a li­ber­da­de (2Cor 3,17) e aos pou­cos va­mos sen­do trans­fi­gu­ra­dos na­que­le que con­tem­pla­mos (2Cor 3,18). Tu­do par­te do ou­vir com do­ci­li­da­de aco­lhen­do a pa­la­vra, se­gui­do pe­lo pra­ti­car.

O per­fei­to cum­pri­men­to da von­ta­de de Deus se dá no exer­cí­cio das obras de mi­se­ri­cór­dia que a pa­la­vra nos ins­pi­ra a re­a­li­zar. Tu­do é fei­to com li­ber­da­de pa­ra não ser cum­pri­men­to de re­gra, já que é o amor de Deus que nos im­pe­le (2Cor 2,15). As­sim, nos­so co­ra­ção vai se tor­nan­do man­so e hu­mil­de, se­me­lhan­te ao Sa­gra­do Co­ra­ção de Je­sus (Mt 11,29).

 

(Pa­dre An­tô­nio Xa­vi­er Ba­tis­ta é mem­bro da Co­mu­ni­da­de Can­ção No­va e As­ses­sor da Co­mis­são Epis­co­pal Pas­to­ral pa­ra Co­mu­ni­ca­ção da Con­fe­rên­cia Na­ci­o­nal dos Bis­pos do Bra­sil (CNBB). O sa­cer­do­te é Mes­tre em Ci­ên­cias Bí­bli­cas e Ar­que­o­lo­gia)

Comentários