Opinião

960 × 960 – O que está por trás do atentado a Bolsonaro merece explicação

diario da manha

A ten­ta­ti­va de ho­mi­cí­dio que vi­ti­mou o pre­si­den­ci­á­vel Ja­ir Bol­so­na­ro no úl­ti­mo dia 6 de se­tem­bro em cur­so em Ju­iz de Fo­ra não é de cau­sar es­tra­nhe­za.

Pri­mei­ro, por­que não é in­co­mum con­ta­bi­li­za­rem-se mor­tes e ten­ta­ti­vas de mor­te de po­lí­ti­cos em pe­rí­o­do elei­to­ral, com o tam­bém é mais ou me­nos nor­mal ocor­re­rem as­sas­si­na­tos de pré-can­di­da­tos e can­di­da­tos em cam­pa­nha, o que mos­tra o ce­ná­rio de ex­tre­ma vi­o­lên­cia; se­gun­do, por­que o de­sem­pe­nho de Bol­so­na­ro nas úl­ti­mas pes­qui­sas, ali­a­do a su­as ine­gá­veis pro­mes­sas de “pas­sar um pen­te fi­no” nas ma­ze­las da po­lí­ti­ca an­dou as­sus­tan­do os que es­tão ca­da vez mais acu­a­dos, com re­ceio de uma vi­tó­ria do ca­pi­tão, que pa­re­ce pre­nun­ci­ar-se lo­go no pri­mei­ro tur­no.

Ali­ás, se Bol­so­na­ro não li­qui­dar a fa­tu­ra no pri­mei­ro tur­no, di­fi­cil­men­te le­va­rá o re­sul­ta­do no se­gun­do, pois o ce­ná­rio in­di­ca que a es­quer­da se uni­rá con­tra ele por ra­zões ide­o­ló­gi­cas, e a di­rei­ta não li­ga­da a ele tam­bém for­ma­rá um blo­co só­li­do pa­ra evi­tar que ele re­vi­ta­li­ze a La­va Ja­to e le­ve pa­ra o xa­drez no­tó­rios pi­ca­re­tas que po­sam de au­to­ri­da­de.

O lei­tor po­de até ig­no­rar que em 18 anos, fo­ram as­sas­si­na­dos 79 can­di­da­tos du­ran­te cam­pa­nhas elei­to­ra­is.

A exe­cu­ção de Ma­ri­el­le Fran­co, ve­re­a­do­ra do PSOL, no dia 14 de mar­ço des­te ano re­a­cen­deu o de­ba­te so­bre as­sas­si­na­tos por mo­ti­va­ções po­lí­ti­cas no Bra­sil.

Pes­qui­sa re­cen­te di­vul­ga­da pe­la Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral do Es­ta­do do Rio de Ja­nei­ro re­ve­la que a vi­o­lên­cia con­tra po­lí­ti­cos já es­tá pre­sen­te mui­to an­tes da pos­se. En­tre 1998 e 2016, fo­ram 79 mor­tes de can­di­da­tos em cam­pa­nha, uma mé­dia de 16 as­sas­si­na­tos por pe­rí­o­do elei­to­ral.

O ci­en­tis­ta po­lí­ti­co Fe­li­pe Bor­ba, pro­fes­sor da uni­ver­si­da­de, pes­qui­sou o as­sun­to e con­clu­iu que mor­rem can­di­da­tos de to­das as ten­dên­cias (es­quer­da, de cen­tro e de di­rei­ta). “Ao to­do fo­ram con­ta­bi­li­za­das mor­tes em 22 es­ta­dos com cer­ca de 25 di­fe­ren­tes par­ti­dos”, con­ta­bi­li­za.

O es­ta­do do Rio de Ja­nei­ro pro­ta­go­ni­za o “ranking” das mor­tes de can­di­da­tos em cam­pa­nha com 13 as­sas­si­na­tos, se­gui­do de São Pau­lo, com 10 ho­mi­cí­di­os de po­lí­ti­cos.

Ge­ral­men­te tais as­sas­si­na­tos e ten­ta­ti­vas de ho­mi­cí­dio ocor­rem por ra­zões de cu­nho pes­so­al e de re­per­cus­são lo­cal.

Mas es­se aten­ta­do con­tra Bol­so­na­ro era um epi­só­dio per­fei­ta­men­te pre­vi­sí­vel e até anun­ci­a­do nas re­des so­ci­ais, exa­ta­men­te de­vi­do às su­as po­si­ções de ex­tre­ma di­rei­ta, que in­co­mo­da­vam mui­ta gen­te, dos três Po­de­res, prin­ci­pal­men­te aque­les en­vol­vi­dos em es­cân­da­los que fa­zi­am com que o pre­si­den­ci­á­vel se iden­ti­fi­cas­se com enor­me par­ce­la do po­vo, pro­fun­da­men­te in­con­for­ma­do com a si­tu­a­ção vi­gen­te no pa­ís.

Du­ran­te a úl­ti­ma elei­ção no Rio de Ja­nei­ro, em 2016, hou­ve 5 mor­tes de can­di­da­tos em cam­pa­nha, po­rém na pré-cam­pa­nha fo­ram as­sas­si­na­das 13 pes­so­as, se­gun­do da­dos do TSE, o Tri­bu­nal Su­pe­ri­or Elei­to­ral. En­tre de­zem­bro de 2015 e agos­to de 2016, 20 pré-can­di­da­tos fo­ram as­sas­si­na­dos no Bra­sil, a mai­o­ria no es­ta­do do Rio de Ja­nei­ro.

Es­ses da­dos do Rio de Ja­nei­ro são bem ex­pres­si­vos de uma si­tu­a­ção bas­tan­te gra­ve que de­no­ta por um la­do a per­ma­nên­cia das prá­ti­cas de vi­o­lên­cia no âm­bi­to da dis­pu­ta po­lí­ti­ca. De ou­tro la­do, de­no­ta a in­ca­pa­ci­da­de do es­ta­do em atu­ar com su­as fer­ra­men­tas e dis­po­si­ti­vos de se­gu­ran­ça pú­bli­ca pa­ra co­i­bir es­se ti­po de prá­ti­ca que mui­tas ve­zes per­ma­ne­ce im­pu­ne.

Po­dem ter a cer­te­za de que os ini­mi­gos vol­ta­rão a ata­car, pois es­se aten­ta­do veio for­ta­le­cer Bol­so­na­ro ain­da mais, e o la­men­tá­vel epi­só­dio ape­nas vem de­mons­trar que os ban­di­dos es­tão com me­do, o que re­co­men­da mais se­gu­ran­ça pa­ra ele.

Diz um sá­bio di­ta­do que em cer­tas cir­cun­stân­cias, “a in­ve­ja quan­do não ma­ta alei­ja”, e no ca­so de Bol­so­na­ro po­de-se di­zer, com ab­so­lu­ta cer­te­za, que “quan­do a fa­ca­da não ma­ta ele­ge”.

Di­an­te dos fa­tos que an­te­ce­de­ram o la­men­tá­vel epi­só­dio, que, ali­ás, es­tá se tor­nan­do co­mum no Bra­sil, me­re­cem ser te­ci­das al­gu­mas con­si­de­ra­ções.

Tão lo­go a Po­lí­cia Fe­de­ral co­me­çou a in­ves­ti­gar os mo­ti­vos do ata­que en­con­trou no lo­cal on­de o qua­se as­sas­si­no se hos­pe­dou foi en­con­tra­do um car­tão da Cai­xa Eco­nô­mi­ca Fe­de­ral de uma con­ta com um sal­do de 350 mil re­ais em no­me de um la­ran­ja, re­sul­tan­te de um de­pó­si­to si­do fei­to uma se­ma­na an­tes do aten­ta­do.

Adé­lio Bis­po de Oli­vei­ra, que ten­tou ma­tar Bol­so­na­ro, es­ta­va de­sem­pre­ga­do, se­gun­do a im­pren­sa se far­tou de no­ti­ci­ar; no en­tan­to, ti­nha to­da uma es­tru­tu­ra lo­gís­ti­ca e fi­nan­cei­ra a sua dis­po­si­ção, já ha­via es­ta­do em São Pau­lo e no Rio de Ja­nei­ro on­de Bol­so­na­ro fa­zia cam­pa­nha, tu­do pa­go por al­guém, que a po­lí­cia não quer ou não po­de de­cli­nar, o que in­di­ca que tem pei­xe gra­ú­do por trás dis­so.

Sin­to­ma­ti­ca­men­te, a Glo­bo es­tá des­vi­an­do o fo­co das in­ves­ti­ga­ções ao tra­tar o ca­so co­mo “lo­bo so­li­tá­rio”, que, no jar­gão da im­pren­sa, é aque­le ca­so iso­la­do, pra­ti­ca­do por uma só pes­soa por mo­ti­va­ção pes­so­al pró­pria, e o mi­nis­tro da de­fe­sa, Ra­ul Jung­man, pa­re­ce que  em­bar­cou na mes­ma ca­noa pa­ra cor­ro­bo­rar a te­se glo­bal, in­du­zin­do pa­ra ou­tra li­nha de in­ves­ti­ga­ção. Sa­be-se que a Glo­bo de­ve R$ 358 mi­lhões só de im­pos­tos, que Bol­so­na­ro ame­a­ça co­brar, além de cor­tar gran­de par­te da pu­bli­ci­da­de go­ver­na­men­tal da em­pre­sa dos Ma­ri­nho. E não é só a es­quer­da que tem in­te­res­se no fim  de Bol­so­na­ro, pois gen­te de di­rei­ta e cen­tro-di­rei­ta é quem mais se vê en­ca­la­cra­da no ci­po­al da La­va Ja­to e ou­tras ope­ra­ções da Po­lí­cia Fe­de­ral. E com a ame­a­ça de Bol­so­na­ro pas­sar um “pen­te fi­no” na pi­lan­tra­gem dos três Po­de­res tor­na pe­ri­cli­tan­te sua si­tu­a­ção  de se­gu­ran­ça.

Mas, vol­tan­do ao ca­so do “lo­bo so­li­tá­rio”, tam­bém soa es­tra­nho que sua hos­pe­da­gem es­ti­ves­se pa­ga por três se­ma­nas, em di­nhei­ro vi­vo; que o de­sem­pre­ga­do ti­ves­se qua­tro ce­lu­la­res e por­tas­se um no­te­bo­ok. Pa­re­ce que os man­dan­tes con­ta­vam com a mor­te do agres­sor pe­los se­gu­ran­ças de Bol­so­na­ro, se­pul­tan­do qual­quer ten­ta­ti­va de so­lu­ção do ca­so, pois foi adre­de es­co­lhi­da uma pes­soa sem re­la­ções de pa­ren­tes­co ou ami­za­de, sem em­pre­go e sem qual­quer pos­si­bi­li­da­de de se che­gar ao man­dan­te. E as au­to­ri­da­des só não che­ga­rão se não qui­se­rem, mas há que se le­var em con­ta que a es­quer­da, a di­rei­ta e to­dos aque­les ame­a­ça­dos pe­las pro­mes­sas de Bol­so­na­ro er de seu vi­ce, ge­ne­ral Mou­rão de pas­sar o Bra­sil a lim­po.

Mais es­tra­nho ain­da é o fa­to de a de­fe­sa de um de­sem­pre­ga­do es­tar a car­go de um re­no­ma­do es­cri­tó­rio de Mi­nas, que man­dou dois ad­vo­ga­dos em um avi­ão par­ti­cu­lar às pres­sas de  Be­lo Ho­ri­zon­te ru­mo a Ju­iz de Fo­ra, na Zo­na da Ma­ta, pa­ra par­ti­ci­par da de­fe­sa de Ade­lio Bis­po de Oli­vei­ra.

A de­fe­sa de Ade­lio era pa­ga, de acor­do com os pró­prios ad­vo­ga­dos, por uma con­gre­ga­ção re­li­gi­o­sa de Mon­tes Cla­ros, no Nor­te de Mi­nas. O no­me da igre­ja, en­tre­tan­to, foi man­ti­do em si­gi­lo. De­pois, saiu a igre­ja e sur­giu um ben­fei­tor anô­ni­mo. Mui­to es­tra­nho, es­tra­nhís­si­mo.

O que se con­clui é que exis­tem mui­tos in­te­res­ses es­cu­sos por de­trás des­se aten­ta­do, ain­da mais que já se fa­la em afas­ta­men­to do de­le­ga­do que in­ves­ti­ga o ca­so. E tam­bém já se al­vi­tra a hi­pó­te­se de um gol­pe do PRTB: se vi­er a acon­te­cer o pi­or a Bol­so­na­ro, seu vi­ce, o ge­ne­ral Mou­rão, as­su­mi­ria, tal qual Sar­ney, que ocu­pou o lu­gar de Tan­cre­do.

Se­rá que vai fi­car in­so­lú­vel co­mo o ca­so Cel­so Da­ni­el, um cri­me pra­ti­ca­do em ja­nei­ro de 2002, que con­ti­nua con­ve­nien­te­men­te sem so­lu­ção?

 

(Li­be­ra­to Pó­voa, de­sem­bar­ga­dor apo­sen­ta­do do TJ-TO, mem­bro-fun­da­dor da Aca­de­mia To­can­ti­nen­se de Le­tras e da Aca­de­mia Di­a­no­po­li­na de Le­tras, es­cri­tor, ju­ris­ta, his­to­ri­a­dor e ad­vo­ga­do. li­be­ra­to­po­[email protected])

Comentários