Opinião

Viagem à Terra Natal - IV

diario da manha
  1. Che­ga­mos a San­ta Luz às 10:30h, en­tran­do à di­rei­ta, an­tes de che­gar a Cris­ti­no Cas­tro, ex-No­va La­pa. Va­mos di­re­to à re­si­dên­cia de Tia Te­re­za. Ela com­ple­tou 83anos, e es­tá lú­ci­da. Ape­nas a vis­ta lhe di­fi­cul­ta um re­la­ci­o­na­men­to mais es­trei­to. A Ade­ci, es­po­sa do Pi­nhei­ro, nos le­va pa­ra sua ca­sa – ca­sa bem cons­tru­í­da e bem mo­bi­lia­da. Ire­ne, tam­bém ex-Pre­fei­to, ‘faz a sa­la’.

A fa­mí­lia é, pra­ti­ca­men­te, a fun­da­do­ra e cons­tru­to­ra da ci­da­de. A não ser uma ad­mi­nis­tra­ção, to­das as ou­tras sem­pre es­ti­ve­ram nas mãos da nos­sa fa­mí­lia. Ago­ra mes­mo, o can­di­da­to a Pre­fei­to é ne­to de Tia Te­re­za, fi­lho de Ada­ci e Pi­nhei­ro. Lo­go se or­ga­ni­za um mu­ti­rão, e o al­mo­ço sai rá­pi­do: Fran­go ao mo­lho par­do, fa­ro­fa, ar­roz, car­ne-de-sol, e ou­tras igua­ri­as do gê­ne­ro. A ma­tri­ar­ca, Tia Te­re­za, faz a ses­ta. 2. Vou à Igre­ja, a mai­or do sul do Es­ta­do, no Cen­tro da pra­ça, – mo­ti­vo de or­gu­lho da Ci­da­de. É de­di­ca­da a São Fran­cis­co da As­sis.

  1. La Sa­le­te, ne­ta de Tia Te­re­za, 29 anos, quer fa­zer o Cur­so de Far­má­cia. Pro­me­to aju­dar. E me com­pro­me­to a en­vi­ar in­for­me so­bre o ves­ti­bu­lar, em Go­i­â­nia.
  2. Dei­xo uma lem­bran­ça com Tia Te­re­za, – uma ban­de­ja de pra­ta.
  3. Vol­ta­mos às 15:00h, dei­xan­do pa­ra traz uma pai­sa­gem ci­ne­ma­to­grá­fi­ca que, até ho­je, não foi ex­plo­ra­da, ar­tis­ti­ca­men­te.
  4. De­ci­do vol­tar pe­la Fa­zen­da “São Ro­mão”. Após a “Pon­te dos So­nhos” so­bre o Rio Gur­gueia, pa­ra­mos uns pou­cos mi­nu­tos na pro­pri­e­da­de do Pri­mo Jo­sé Bor­ges, fi­lho de Tio Mi­guel, ir­mão de Ma­mãe. Ele é fa­bri­can­te de ca­cha­ça, e tem plan­ta­ção de co­co da praia, ou co­co da Ba­hia.
  5. Se­gui­mos em fren­te, após au­to­gra­far meu li­vro pa­ra a pri­ma que faz Di­rei­to, sua fi­lha.
  6. Na Fa­zen­da “São Ro­mão”, on­de Tio Nél­son mo­rou, e lo­cal de sua tra­gé­dia, fa­ço bre­ve pa­ra­da. Aqui, Tio Nél­son so­freu a mai­or in­jus­ti­ça de to­da a sua vi­da: Por ar­tes de Ma­no­el ‘Bo­ca Boa’, foi in­jus­ta­men­te acu­sa­do de ‘man­dan­te de ho­mi­cí­dio’, epi­só­dio que le­vou Vo­vô Fran­cis­co a se mu­dar, com to­da a Fa­mí­lia, de Bom Je­sus, pa­ra o Pei­xe Can­gu­as­su, com to­dos os fi­lhos e ne­tos. Mor­reu e foi se­pul­ta­do em Por­to Na­ci­o­nal, ho­je Es­ta­do do To­can­tins. Pas­so pe­la ‘Ma­lha­di­nha’, pe­lo ‘Pin­ga’, pe­lo ‘Xi­xá’, – por on­de an­dei tan­tas ve­zes, na in­fân­cia e na ado­les­cên­cia: a pé e a ca­va­lo. Tam­bém pas­so pe­lo ‘Mi­ra Mar, do Ve­lho An­tô­nio Jo­sé, ho­je de Jo­a­quim Bor­ges, meu pri­mo, fi­lho de Tio Mi­guel.
  7. Jan­tar na ca­sa de Jo­a­quim Bor­ges, es­pe­ci­al­men­te pre­pa­ra­do, com Aba­dia, meu pre­sen­te: Uma ban­de­ja de par­ta.

Jo­a­quim vai, na ma­dru­ga­da de ama­nhã, a Te­re­si­na, pa­ra con­tra­tar um ar­qui­te­to a fim de fa­zer a plan­ta de sua no­va re­si­dên­cia, no ‘Mi­ra Mar’.

Dia 24, Quar­ta-fei­ra – Sa­í­mos ce­do. Va­mos a Pal­mei­ras. Mas nos­so des­ti­no é Uru­çuí, pa­ra vi­si­tar o tú­mu­lo de Tia Chi­qui­nha.

Em Pal­mei­ras, cons­ta­to que Val­de­ci na­da pro­vi­den­ci­ou do que lhe en­co­men­dei, a cer­ca do Ce­mi­té­rio, a pin­tu­ra do tú­mu­lo de Ma­mãe. Wal­ter se dis­põe a fi­car pa­ra pin­tar o tú­mu­lo, e co­or­de­nar os tra­ba­lhos de ro­ça­gem, ca­pi­na e cer­ca do ce­mi­té­rio. Val­de­ci tam­bém fi­ca pa­ra ar­ru­mar o pes­so­al do tra­ba­lho. Man­do pre­ser­var a al­ta­nei­ra cu­ma­ça­ri, que tam­bém cha­mam de ca­tin­ga de por­co. E mais al­gu­mas ár­vo­res me­no­res, den­tro e fo­ra do Ce­mi­té­rio.

Dis­pos­tas, as­sim, as coi­sas, va­mos ao Uru­çuí: Aba­dia, Eu e o Zi­zi­nho, pa­ren­te nos­so. Be­lo es­pe­tá­cu­lo, na su­bi­da da ser­ra e na sua des­ci­da. Mo­nu­men­tos ar­que­o­ló­gi­cos, tal­vez qua­se tão be­los que ‘Se­te Ci­da­des’.

Va­mos di­re­to a Sus­su­a­pa­ra, on­de re­si­de Osé­as, pri­mo de Ma­mãe. Ele es­tá ma­go­a­do com ao as­sas­si­na­to de seu fi­lho de cri­a­ção.

– “Sen­ti mais que a mor­te de meu pai”, – diz, cons­ter­na­do.

 

(Li­cí­nio Bar­bo­sa, ad­vo­ga­do cri­mi­na­lis­ta, pro­fes­sor emé­ri­to da UFG, pro­fes­sor ti­tu­lar da PUC-Go­i­ás, mem­bro ti­tu­lar do IAB-Ins­ti­tu­to dos Ad­vo­ga­dos Bra­si­lei­ros-Rio/RJ, e do IHGG-Ins­ti­tu­to His­tó­ri­co e Ge­o­grá­fi­co de Go­i­ás, mem­bro efe­ti­vo da Aca­de­mia Go­i­a­na de Le­tras, Ca­dei­ra 35 – E-mail li­ci­nio­bar­bo­[email protected])

 

tags:

Comentários