Opinião

Ronaldo Caiado

diario da manha

To­tó, Bra­sil e Le­o­ni­no. Se Ro­nal­do ga­nhar a elei­ção pa­ra go­ver­na­dor pas­sa­rá a ser o 4º na li­nha de su­ces­são dos Cai­a­dos a co­man­dar o po­der es­ta­du­al go­i­a­no. Is­so sem con­tar com o An­tô­nio Jo­sé Cai­a­do, que de 1892 a 1895 foi o pri­mei­ro vi­ce-pre­si­den­te da pro­vín­cia de Go­i­ás, e avô do To­tó.

É um re­cor­de ab­so­lu­to em se tra­tan­do de uma mes­ma fa­mí­lia ocu­pan­do a mes­ma po­si­ção de su­pre­ma­cia es­ta­du­al, ain­da que To­tó te­nha efe­ti­va­men­te go­ver­na­do sem ser ele o go­ver­na­dor. Su­pe­ra até mes­mo nos­sa mo­nar­quia co­lo­ni­al tu­pi­ni­quim, com um Rei e dois Im­pe­ra­do­res.

Nes­sas elei­ções, há um chei­ro de Ca­pi­ta­nia no ar, con­tras­tan­do com um Go­i­ás mo­der­no, co­nec­ta­do e di­li­gen­te. Di­zer que Ro­nal­do, em ga­nhan­do, vai as­su­mir o “tro­no” go­i­a­no não fo­ge mui­to da ide­a­li­za­ção que te­mos dos Cai­a­dos.

Os ou­tros eu não co­nhe­ci. Mas nun­ca fui sim­pa­ti­zan­te da fi­gu­ra com­pri­da e ma­ci­len­ta de Ro­nal­do, que em bre­ve com­ple­ta 30 anos atu­an­do na Câ­ma­ra Fe­de­ral, sen­do os úl­ti­mos 3 no se­na­do, sem­pre em de­fe­sa dos pro­du­to­res ru­ra­is, da UDR e da TFP.

Ro­nal­do é um se­nhor em­per­ti­ga­do, com uma fa­cha­da de quem quer ter ra­zão an­tes mes­mo de abrir a bo­ca. Apa­ren­ta -a um tom a mais- ser se­nhor de si e tra­ta os de­mais su­bal­ter­na­men­te, co­mo se fos­se a coi­sa mais na­tu­ral do mun­do. Só com um seu olhar ele já se re­ve­la em to­da sua ar­ro­gân­cia. Ou de­ve­rí­a­mos di­zer, re­a­le­za?

No en­tan­to, não sou dos que que­rem des­qua­li­fi­cá-lo a qual­quer cus­to. Ro­nal­do tem seu va­lor. Co­mo re­pre­sen­tan­te de um de­ter­mi­na­do seg­men­to da eco­no­mia e da pro­du­ção go­i­a­na sem­pre re­co­nhe­ci sua com­pe­tên­cia. Ele é ta­lha­do pa­ra re­pre­sen­tar o agro­ne­gó­cio, so­bre o qual tem co­nhe­ci­men­to e in­te­res­ses di­re­tos.

Po­rém, em se tra­tan­do de um pre­ten­di­do Go­ver­no Es­ta­du­al, to­do cui­da­do é pou­co, se­ja pa­ra quem ele­ge, se­ja pa­ra quem é elei­to. Ao que­rer na­ve­gar na on­da pop (o agro é pop, na Glo­bo) e sa­ir de seu cam­po de le­gi­ti­mi­da­de re­pre­sen­ta­ti­va, Ro­nal­do se lan­ça em uma aven­tu­ra que po­de­rá cus­tar mui­to ca­ro à po­pu­la­ção go­i­a­na.

A co­me­çar pe­lo fa­to de que ele é re­co­nhe­ci­da­men­te um su­jei­to tem­pe­ra­men­tal. Já ima­gi­nou o elei­tor es­tar­mos às vol­tas com um go­ver­na­dor de TPM por um pe­rí­o­do de 4 anos? En­quan­to de­pu­ta­do ou mes­mo se­na­dor, vá lá, cir­cun­scri­to a seu seg­men­to. Mas co­mo go­ver­na­dor de to­dos go­i­a­nos é di­fe­ren­te. Além de uma per­cep­ção ge­ral da po­pu­la­ção e seus pro­ble­mas, tem que ter mui­to equi­lí­brio emo­cio­nal pa­ra tra­tar do que gos­ta e tam­bém do que não gos­ta. So­lu­ci­o­nar o que lhe des­per­ta in­te­res­se e tam­bém o que não.

In­fe­liz­men­te, fa­lar de “go­ver­na­dor TPM” não é exa­ge­ro, Ro­nal­do é um es­tor­va­do ca­paz de gros­se­rias com as al­mas mais pa­ca­tas des­te mun­do. A im­pren­sa go­i­a­na e na­ci­o­nal têm re­gis­tra­do di­ver­sas de­las. Se aca­so elei­to, Go­i­ás se­rá no­va­men­te des­ta­que pe­lo as­pec­to es­drú­xu­lo de um man­dan­te que gos­ta de cha­mar pa­ra “re­sol­ver as coi­sas lá fo­ra”.

Ou­tro pon­to de des­ta­que po­si­ti­vo no Ro­nal­do é a sua fran­que­za -o que de for­ma al­gu­ma di­mi­nui seus de­fei­tos. Em do­cu­men­tá­rio so­bre o ami­an­to, da fran­ce­sa Sylvie De­leu­le, ele foi ca­paz de di­zer olhan­do em clo­se pa­ra a câ­me­ra: “To­dos os de­pu­ta­dos go­i­a­nos re­ce­bem di­nhei­ro da Sama, quem dis­ser que não, es­tá men­tin­do”. Era épo­ca de Cai­a­do já elei­to de­pu­ta­do fe­de­ral pe­la 3ª vez e o do­cu­men­tá­rio, pre­mi­a­do em 1º lu­gar no Fica, de­nun­ci­a­va o lobby em tor­no des­te mi­ne­ral que ren­de mui­to di­nhei­ro (a pon­to de ser di­vi­di­do com po­lí­ti­cos, co­mo afir­ma Ro­nal­do) e que ao mes­mo tem­po é sa­bi­da­men­te mor­tal.

Mes­ma fran­que­za ele não de­mons­trou quan­do Jr Fri­boi veio a pú­bli­co afir­mar, em en­tre­vis­ta ao Po­pu­lar, que du­ran­te uma das cam­pa­nhas de Ro­nal­do Cai­a­do à de­pu­ta­do fe­de­ral ele o te­ria aju­da­do le­van­do pes­so­al­men­te em sua ca­sa um “pa­co­te de di­nhei­ro vi­vo”, ao que Ro­nal­do ne­gou ve­e­men­te­men­te e ame­a­çou pro­ces­sar o Jr, fa­zen­do exa­ta­men­te o que ele te­ria que fa­zer, pa­ra as­sim evi­tar ele mes­mo um pos­sí­vel pro­ces­so de cas­sa­ção de seu man­da­to e de seus di­rei­tos po­lí­ti­cos, por fla­gran­te cai­xa 2.

É co­nhe­ci­do na­ci­o­nal­men­te o epi­só­dio de ten­ta­ti­va de cen­su­ra de Ro­nal­do ao es­cri­tor Fer­nan­do Mo­ra­is. Um ato in­fe­liz pa­ra a li­te­ra­tu­ra bra­si­lei­ra e ver­go­nho­so pa­ra os go­i­a­nos. Foi em abril de 2005. Após um pro­ces­so por da­nos mo­ra­is mo­vi­do pe­lo en­tão de­pu­ta­do con­tra o es­cri­tor, o ju­iz da 7ª Va­ra Cri­mi­nal de Go­i­â­nia de­ter­mi­nou o re­co­lhi­men­to em to­das as li­vra­ri­as do Bra­sil do li­vro des­te au­tor in­ti­tu­la­do Na To­ca dos Le­ões. O li­vro tra­zia um de­poi­men­to do pu­bli­ci­tá­rio Ga­bri­el Zellme­is­ter so­bre o Ro­nal­do, on­de es­te afir­ma que “a so­lu­ção pa­ra os nor­des­ti­nos do pa­ís era adi­ci­o­nar à água po­tá­vel um re­mé­dio que es­te­ri­li­zas­se as mu­lhe­res”. Em ju­nho do mes­mo ano, em ar­ti­go pu­bli­ca­do no jor­nal Fo­lha de São Pau­lo, Ro­nal­do ne­gou ter da­do tais de­cla­ra­ções, sa­li­en­tan­do, in­clu­si­ve, que sua es­po­sa era nor­des­ti­na, de Fei­ra de San­ta­na (BA). Ain­da em ou­tu­bro de 2005, por no­va de­ter­mi­na­ção ju­di­cial o li­vro foi fi­nal­men­te li­be­ra­do pa­ra a ven­da nas li­vra­ri­as do pa­ís. A cen­su­ra do Ro­nal­do não vin­gou na­ci­o­nal­men­te. Ima­gi­na se a mo­da pe­ga em Go­i­ás.

Tem-se por ver­da­de que o ho­mem já fei­to não mu­da. O po­lí­ti­co, mui­to me­nos. Ele ape­nas é ca­paz de in­cor­po­rar ao seu tron­co já tor­to ou­tros ga­lhos de par­ce­las da es­pé­cie hu­ma­na com as qua­is ele sim­pa­ti­za ou se diz re­pre­sen­tar. É por is­so que as mu­dan­ças que al­me­ja­mos pa­re­cem nun­ca che­gar, por­que as es­pe­ra­mos de gen­te que já se in­cli­nou pro seu la­do e não mu­da.

Te­mos a per­fei­ta con­sci­ên­cia de que o car­go de go­ver­na­dor es­ta­du­al é o que há de mais de­ter­mi­nan­te em nos­sa vi­das, as­se­gu­ran­do-lhe am­bien­ta­ção e ru­mo. E é cla­ro, de­ve­mos to­mar mui­to cui­da­do com quem já foi de­fi­ni­do pe­lo tam­bém se­na­dor e seu ex-prin­ci­pal com­pa­nhei­ro de par­ti­do co­mo “Uma voz à pro­cu­ra de um cé­re­bro”.

Em es­tu­do pu­bli­ca­do em 2014, a Tran­spa­rên­cia Bra­sil con­clui que “En­tra e sai go­ver­no, os oli­gar­cas e seus fi­lhos, ne­tos, côn­ju­ges, ir­mãos e so­bri­nhos se­guem dan­do as car­tas. A trans­fe­rên­cia de po­der de uma ge­ra­ção a ou­tra da mes­ma fa­mí­lia pro­vo­ca tan­to a for­ma­ção de uma ba­se par­la­men­tar aves­sa a mu­dan­ças sig­ni­fi­ca­ti­vas co­mo a per­pe­tu­a­ção no po­der de po­lí­ti­cos tra­di­cio­nais des­gas­ta­dos”. Is­to é, pas­sam-se ge­ra­ções e a al­co­va fa­mi­liar per­ma­ne­ce co­mo um dos nos­sos prin­ci­pa­is am­bi­en­tes po­lí­ti­cos.

Po­de­mos ci­tar o ca­so dos An­dra­das, em Mi­nas Ge­ra­is, que­ren­do em­pla­car ago­ra a 6ª ge­ra­ção, po­rém cir­cun­scri­tos à Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos, e os clãs Ca­lhei­ros em Ala­go­as, os Bar­ba­lhos no Pa­rá, os Fer­rei­ras Go­mes no Ce­a­rá e os Sar­neys no Ma­ra­nhão. Po­rém, ne­nhum des­tes che­ga per­to dos Cai­a­dos, que mais nos lem­bra uma di­nas­tia in­ter­mi­ten­te, com seu mais de um sé­cu­lo de du­ra­ção.

Fa­ça­mos fi­gas. Toc toc toc na ma­dei­ra. O ca­va­lo bran­co mon­ta­do por Ro­nal­do Cai­a­do na sua de­cep­cio­nan­te can­di­da­tu­ra a pre­si­den­te do Bra­sil, em 1989, es­tá ago­ra no­va­men­te em mar­cha, des­sa vez que­ren­do apro­fun­dar as mar­cas de su­as pa­tas no fu­tu­ro lím­pi­do dos de­li­ca­dos do­mí­nios do chão de Go­i­ás.

 

(Px Sil­vei­ra, Ins­ti­tu­to Ar­te­Ci­da­da­nia, pre­si­den­te)

Comentários