Opinião

Precisamos restaurar o orgulho de nossos professores

diario da manha

Pro­fes­sor: pro­fis­são das mais no­bres, cu­jo exer­cí­cio no pas­sa­do era mo­ti­vo de ex­tre­mo or­gu­lho, res­pei­to e apre­ço. Pois bem; pe­lo que te­mos vis­to, não é mais as­sim. Ho­je a pro­fis­são pas­sa lon­ge dos so­nhos da mai­o­ria de nos­sos jo­vens. Por que ta­ma­nho des­dém pe­la ar­te res­pon­sá­vel por trans­mi­tir o sa­ber que nos pos­si­bi­li­ta abrir a ja­ne­la pa­ra o mun­do? Po­de­mos enu­me­rar di­ver­sas ra­zões, mas a que mais me cha­ma aten­ção – e do Cen­so Es­co­lar tam­bém – é a des­va­lo­ri­za­ção pro­fis­si­o­nal em to­dos os as­pec­tos. E não es­tou fa­lan­do ape­nas do as­pec­to fi­nan­cei­ro.

A pes­qui­sa “Pro­fis­são Do­cen­te”, re­a­li­za­da pe­lo Ibo­pe In­te­li­gên­cia e di­vul­ga­da re­cen­te­men­te, com­pro­va o que es­tou di­zen­do. Dos 2160 pro­fes­so­res de edu­ca­ção bá­si­ca ou­vi­dos, 33% afir­ma­ram es­tar to­tal­men­te in­sa­tis­fei­tos com a pro­fis­são. O mo­ti­vo mais ci­ta­do? A des­va­lo­ri­za­ção pro­fis­si­o­nal. Ela é tan­ta que qua­se me­ta­de des­ses do­cen­tes não re­co­men­da a pró­pria ati­vi­da­de pa­ra um jo­vem. Os ou­tros mo­ti­vos tam­bém não são no­vi­da­de: ex­ces­so de tra­ba­lho, fal­ta de re­co­nhe­ci­men­to e bai­xa re­mu­ne­ra­ção. In­fe­liz­men­te, es­ses fa­to­res só re­i­te­ram a quão me­nos­pre­za­da vem sen­do a ar­te de edu­car em nos­so pa­ís.

Os pro­fes­so­res são fun­da­men­tais na nos­sa for­ma­ção en­quan­to ci­da­dã­os pen­san­tes e es­sa de­pre­ci­a­ção tem efei­tos no de­sen­vol­vi­men­to do Bra­sil. A fal­ta de uma po­lí­ti­ca de in­ves­ti­men­tos na área po­de es­tag­nar ou atra­sar um pa­ís, uma vez que uma na­ção não po­de ser con­si­de­ra­da so­ci­al e eco­no­mi­ca­men­te de­sen­vol­vi­da sem ter um pa­drão edu­ca­cio­nal de­cen­te. O edu­ca­dor pre­ci­sa ser o ele­men­to cen­tral de um pla­no de ges­tão que va­lo­ri­ze a edu­ca­ção. Ele pre­ci­sa ser ou­vi­do, pois é quem faz o dia a dia, co­nhe­ce seu pú­bli­co e to­das as pe­cu­li­a­ri­da­des das áre­as em que atua. Ele pre­ci­sa ser tra­ta­do com dig­ni­da­de, pois é o prin­ci­pal agen­te trans­for­ma­dor, mo­ti­va­dor e pas­sí­vel de re­fe­rên­cia pa­ra seus alu­nos. É pre­ci­so va­lo­ri­zar es­sa ati­vi­da­de, uma vez que ain­da te­mos pes­so­as apai­xo­na­das pe­la ar­te de en­si­nar. A pes­qui­sa ci­ta­da aci­ma com­pro­va nos­sa per­cep­ção quan­do apon­ta que a mai­o­ria da­que­les que de­ci­di­ram con­ti­nu­ar na car­rei­ra o fi­ze­ram pe­lo pra­zer de trans­mi­tir co­nhe­ci­men­to.

Dis­se­mi­nar es­sa pai­xão, po­rém, tem si­do di­fí­cil, ad­mi­to. O pro­ble­ma co­me­ça ain­da nos anos de for­ma­ção bá­si­ca do fu­tu­ro do­cen­te que, uma vez alu­no de uma es­co­la pú­bli­ca, co­mo 80% dos es­tu­dan­tes bra­si­lei­ros ho­je, so­fre com a fal­ta de pro­fes­so­res es­pe­cia­li­za­dos. Quan­tas his­tó­ri­as ou­vi­mos de alu­nos que nun­ca ti­ve­ram au­la de ge­o­gra­fia, fí­si­ca ou quí­mi­ca. Mes­mo nes­tas con­di­ções pre­cá­rias es­te alu­no se tor­na pro­fes­sor mo­vi­do so­men­te pe­la von­ta­de de fa­zer di­fe­ren­te, de le­var aos alu­nos al­go que ele não te­ve. Ele ge­ral­men­te ini­cia sua car­rei­ra tam­bém em es­co­las pú­bli­cas e se de­pa­ra com uma vas­ta di­men­são de de­sa­fi­os ine­ren­tes ao ou­tro la­do da car­tei­ra. A bai­xa re­mu­ne­ra­ção, que faz com que ele te­nha que com­ple­men­tar sua ren­da; a fal­ta ou atra­so no re­pas­se de re­cur­sos; es­tru­tu­ras de tra­ba­lho su­ca­te­a­das, que não ofe­re­cem es­pa­ços e ma­te­ri­ais ade­qua­dos pa­ra de­sen­vol­ver as ati­vi­da­des que tan­to an­siou em ti­rar dos li­vros que pas­sou anos es­tu­dan­do. Ao lon­go dos anos, a mo­ti­va­ção vai por água abai­xo; o dia a dia es­tres­san­te fin­da com o so­nho e ele aca­ba por pro­cu­rar em­pre­go em ou­tras áre­as ou fo­ra do pa­ís.

So­bre­vi­ver no ma­gis­té­rio é di­fí­cil no Bra­sil, mas tem so­lu­ção. Não se so­bre­vi­ve por má­gi­ca, mas a re­cei­ta é sim­ples. A meu ver, pro­gra­mas de edu­ca­ção con­ti­nu­a­da ali­nha­dos à re­a­li­da­de es­co­lar e ao ce­ná­rio tec­no­ló­gi­co que vi­ve­mos são os pon­tos-cha­ve. Em to­do o pa­ís, e não só nas zo­nas mais ca­ren­tes co­mo se pen­sa, há pro­fis­si­o­nais com dé­fi­cit de con­te­ú­do e eles têm con­sci­ên­cia dis­so. Tan­to que 76% dos par­ti­ci­pan­tes da pes­qui­sa acre­di­tam que é ne­ces­sá­rio, sim, pas­sa­rem por atu­a­li­za­ções fre­quen­tes. A im­plan­ta­ção da no­va Ba­se Na­ci­o­nal Co­mum Cur­ri­cu­lar (BNCC), que vem co­mo a gran­de pro­mes­sa pa­ra uma no­va era na edu­ca­ção bra­si­lei­ra, já ba­te à nos­sa por­ta e o que tem si­do fei­to pa­ra qua­li­fi­car os do­cen­tes? A edu­ca­ção mu­dou, os mei­os mu­da­ram e o con­te­ú­do a ser trans­mi­ti­do pre­ci­sa acom­pa­nhar tu­do is­so. O Bra­sil tem qua­se 50 mi­lhões de alu­nos ma­tri­cu­la­dos em pou­co mais de 180 mil es­co­las par­ti­cu­la­res e pú­bli­cas e é o pro­fes­sor quem vai pre­pa­rar es­ses jo­vens pa­ra mu­dar a so­ci­e­da­de. A qua­li­da­de da edu­ca­ção só vai me­lho­rar quan­do se in­ves­tir na me­lho­ria da qua­li­da­de dos pro­fes­so­res.

 

(Da­vid Mar­ce­lo P. Ber­to, co­or­de­na­dor do Pro­gra­ma Lín­guas Es­tran­gei­ras da Plan­ne­ta Edu­ca­ção, uma em­pre­sa do gru­po Vi­tae Bra­sil. Gra­du­a­do em Le­tras pe­la Fa­cul­da­de Anhan­gue­ra de Ta­u­ba­té/SP, tra­du­tor-in­tér­pre­te de Li­bras pe­la Imoesc – Ca­ça­pa­va/SP, pro­fes­sor de lín­gua in­gle­sa, for­ma­dor in­ter­na­ci­o­nal do mé­to­do Ka­gan Co­o­pe­ra­ti­ve Le­ar­ning (San Di­e­go Uni­ver­sity – Ca­li­for­nia/USA), pa­les­tran­te da pla­ta­for­ma Yo­u­Tu­be Edu so­bre ha­bi­li­da­des so­ci­o­e­mo­cio­nais na edu­ca­ção, além de es­pe­cia­lis­ta em cons­tru­ção de iden­ti­da­de da sa­la de au­la, iden­ti­da­de do gru­po e apren­di­za­gem ba­se­a­da no cé­re­bro)

Comentários