Opinião

Os princípios da física quântica e a espiritualidade (I)

diario da manha

Um tex­to de ex­ce­len­te con­tex­to, que ao im­pres­sio­nar-me pe­la sim­pli­ci­da­de da ex­pli­ca­ção so­bre um as­sun­to tão com­ple­xo e que vem a ca­da dia do­mi­nan­do o mun­do e que con­fir­ma a as­ser­ti­va de Wil­li­am Shakes­pe­a­re de “Que há mais coi­sas en­tre o céu e a ter­ra do que po­de ima­gi­nar nos­sa vã fi­lo­so­fia…” E eu não po­de­ria dei­xar de com­par­ti­lhá-lo com os lei­to­res do Di­á­rio da Ma­nhã, mes­mo por­que tra­ta-se de um as­sun­to que ver­sa so­bre o que ocor­re em nos­so dia a dia no tra­ba­lho, no lar, no au­to­mó­vel ou por on­de quer que an­de­mos.

Pa­ra ini­ci­ar o en­ten­di­men­to so­bre o mun­do in­vi­sí­vel que nos cer­ca, de­ve­mos nos re­por­tar pa­ra quan­do tu­do co­me­çou, ou se­ja em 1900, quan­do o fí­si­co ale­mão Max Planck in­tro­du­ziu a ideia de que a ener­gia era en­vi­a­da em “pa­co­tes” cha­ma­dos quan­ta (meio que pa­re­ci­do com a trans­mis­são de da­dos pe­la in­ter­net), com o fim de de­ri­var uma fór­mu­la pa­ra a de­pen­dên­cia da fre­quên­cia ob­ser­va­da com a ener­gia emi­ti­da por um cor­po ne­gro. Em 1905, Eins­tein ex­pli­cou o efei­to fo­to­e­lé­tri­co por um pos­tu­la­do so­bre que a luz, ou mais es­pe­ci­fi­ca­men­te to­da a ra­di­a­ção ele­tro­mag­né­ti­ca po­de ser di­vi­di­da num nú­me­ro fi­ni­to de “quan­ta de ener­gia”, que são lo­ca­li­za­dos co­mo pon­tos no es­pa­ço.

A Fí­si­ca Quân­ti­ca sur­giu co­mo a ten­ta­ti­va de ex­pli­car a na­tu­re­za na­qui­lo que ela tem de me­nor: os cons­ti­tu­in­tes bá­si­cos da ma­té­ria e tu­do que pos­sa ter um ta­ma­nho igual ou me­nor. Em ou­tras pa­la­vras, pen­se o se­guin­te: tu­do o que é mai­or do que um áto­mo es­tá su­jei­to a leis da fí­si­ca que cha­ma­mos de “fí­si­ca clás­si­ca”. Por exem­plo, elas so­frem a atra­ção da gra­vi­da­de, as leis da inér­cia, ação e re­a­ção, e por aí vai. Mas quan­do ana­li­sa­mos ta­ma­nhos me­no­res que um áto­mo, tu­do mu­da e as re­gras da fí­si­ca clás­si­ca já não va­lem mais. Foi pre­ci­so en­tão ad­mi­tir que er­ma ne­ces­sá­rias ou­tras leis pa­ra li­dar com es­sa re­a­li­da­de e, tam­bém, uma fí­si­ca to­tal­men­te no­va, que fi­cou co­nhe­ci­da co­mo Fí­si­ca Quân­ti­ca.

Nos­so dia ocor­re nu­ma es­ca­la di­ta ma­cros­có­pi­ca (tu­do aqui­lo que po­de­mos ver a olho nu, por as­sim di­zer). São os ob­je­tos que po­de­mos en­xer­gar sem a aju­da de len­tes ou mi­cros­có­pios atô­mi­cos. A fí­si­ca quân­ti­ca li­da com coi­sas mui­to tre­men­da­men­te pe­que­nas. Mui­tís­si­mo me­no­res que um mi­lí­me­tro. Exis­tem vá­ri­as par­tí­cu­las do áto­mo, co­mo os nêu­trons (que con­tém uma car­ga neu­tra e são for­ma­dos por três quarks) e pró­tons (car­ga po­si­ti­va, tam­bém for­ma­dos por três quarks), jun­tos eles for­mam o nú­cleo atô­mi­co.

O mun­do em que vi­ve­mos é fei­to de áto­mos. Os áto­mos são fei­tos de coi­sas ain­da me­no­res cha­ma­das quarks e elé­trons. Ain­da não sa­be­mos se os quarks são fei­tos de coi­sas ain­da me­no­res. Os áto­mos, elé­trons, quarks e ou­tra coi­sa tão pe­que­na que ain­da não sa­be­mos mui­to so­bre ela, cha­ma­da fó­ton, têm com­por­ta­men­tos bi­zar­ros de vez em quan­do: nun­ca po­de­mos sa­ber exa­ta­men­te on­de es­tão. Não é por fal­ta de ins­tru­men­tos po­ten­tes, é uma lei da fí­si­ca, cha­ma­da Prin­cí­pio da In­cer­te­za de Hein­sen­berg, que diz que nun­ca sa­be­re­mos a exa­ta po­si­ção das coi­sas. Nun­ca sa­be­re­mos on­de os elé­trons de um áto­mo es­tão exa­ta­men­te. Nun­ca. É al­go es­tra­nhís­si­mo, mas é a ver­da­de. Há elé­trons que, in­clu­si­ve, so­mem de um lu­gar e re­a­pa­re­cem em ou­tro, al­go co­mo um te­le­tran­spor­te. Não dá pa­ra ver que ca­mi­nho se­gui­ram pa­ra ir de um lu­gar a ou­tro, só sa­be­mos que eles fa­zem is­so.

No mun­do ma­cros­có­pi­co, o “nos­so” mun­do, on­das são mui­to di­fe­ren­tes de ob­je­tos. Po­rém, se ti­vés­se­mos o ta­ma­nho de áto­mos, tu­do se com­por­ta­ria co­mo uma on­da de vez em quan­do e co­mo uma par­tí­cu­la ou­tras ve­zes. Es­sa foi uma das con­se­quên­cias mais bi­zar­ras da fí­si­ca quân­ti­ca.

Há áto­mos, co­mo o de Urâ­nio que, do na­da, ex­plo­dem. Nun­ca sa­be­mos que áto­mos vão ex­plo­dir, ou quan­do, só sa­be­mos que al­guns vão e ou­tros não. Apa­ren­te­men­te, na­da faz eles ex­plo­di­rem, mas eles ex­plo­dem. Di­zem que ir­ri­tou tan­to a Eins­tein que foi aí que ele pro­nun­ciou sua fa­mo­sa fra­se “Deus não jo­ga da­dos com o uni­ver­so”.

Mui­to em­bo­ra a Fí­si­ca quân­ti­ca se­ja es­qui­si­tís­si­ma, e ain­da por ci­ma se­ja, co­mo gos­tam de apon­tar al­guns (sem­pre aque­les que não co­nhe­cem na­da de ci­ên­cia), “ape­nas uma te­o­ria”, sem ela não te­rí­a­mos os avan­ços da nos­sa tec­no­lo­gia atu­al. Até o com­pu­ta­dor, smartpho­ne ou ta­blet no qual vo­cê es­tá len­do es­se tex­to de­ve mui­to à me­câ­ni­ca quân­ti­ca em al­gum ní­vel.

É Deus se ma­ni­fes­tan­do e con­tri­buin­do com a evo­lu­ção da hu­ma­ni­da­de. “Quem tem ou­vi­dos que ou­ça, quem tem olhos que ve­ja!”

 

(Jo­sé Cân­di­do Pó­voa, po­e­ta, es­cri­tor e ad­vo­ga­do. Mem­bro fun­da­dor da Aca­de­mia de Le­tras de sua ter­ra na­tal, Di­a­nó­po­lis – GO/TO)

Comentários