Opinião

Os males do cigarro para a sociedade e suas consequências

diario da manha

Em­bo­ra já ti­ves­se co­nhe­ci­men­to dos efei­tos no­ci­vos e de­vas­ta­do­res do ci­gar­ro, ví­cio que aban­do­nei, es­pon­ta­ne­a­men­te, ain­da na ado­les­cên­cia, por jul­gá-lo in­com­pa­tí­vel com o meu mo­do de ser e de vi­ver, fi­quei con­ten­te com uma sé­rie de re­por­ta­gens da Re­de Glo­bo de Te­le­vi­são le­va­das ao ar, há al­guns anos, tra­tan­do des­se as­sun­to, que tem cau­sa­do gran­des ma­les à fa­mí­lia bra­si­lei­ra e, prin­ci­pal­men­te, aos jo­vens, com do­en­ças res­pi­ra­tó­ri­as e cân­cer de pul­mão. Mas o que é pi­or e la­men­tá­vel, pa­ra não di­zer uma gran­de fal­ta de res­pei­to e edu­ca­ção, são os que usam o ci­gar­ro den­tro de sua pró­pria ca­sa, pre­ju­di­can­do seus fa­mi­lia­res e aos seus ami­gos quan­do os vi­si­tam em su­as re­si­dên­cias, além de fu­ma­rem em lo­ca­is pú­bli­cos, co­mo ter­mi­nais de ôni­bus e lu­ga­res fe­cha­dos, co­mo res­tau­ran­tes, chur­ras­ca­ri­as, ba­res, en­tre ou­tros. Ao as­sim pro­ce­de­rem es­sas pes­so­as de­mons­tram o quan­to são ego­ís­tas, pro­cu­ran­do sa­tis­fa­zer o seu pra­zer, em­bo­ra ma­lé­fi­co, pou­co se im­por­tan­do com quem es­tá ao seu la­do, afron­tan­do o bom sen­so, a ci­vi­li­da­de e con­tra­ri­an­do as leis que tra­tam des­sa ma­té­ria. É de per­gun­ta-se: já que o Bra­sil é tão gran­de, com mais de oi­to mi­lhões e qui­nhen­tos mil qui­lô­me­tros qua­dra­dos, com cam­pos, ve­re­das, mon­ta­nhas, va­les, ma­tas e rios, por que os con­tu­ma­zes fu­man­tes não vão pa­ra es­ses lu­ga­res pa­ra pra­ti­ca­rem seu ví­cio, dei­xan­do seus vi­zi­nhos em paz?  Além dis­so, os adep­tos do ta­ba­co in­fes­tam os hos­pi­tais pú­bli­cos com su­as do­en­ças, cau­san­do enor­mes pre­ju­í­zos aos go­ver­nos fe­de­ral, es­ta­du­ais e mu­ni­ci­pa­is e, con­se­quen­te­men­te, ao po­vo, que po­de­ria be­ne­fi­ci­ar-se das ver­bas pú­bli­cas em ou­tras áre­as, in­clu­si­ve re­for­çan­do o de­fi­ci­tá­rio cai­xa do SUS, já tão so­bre­car­re­ga­do de en­car­gos pa­ra o aten­di­men­to, ao tem­po e à ho­ra, ao mais ne­ces­si­ta­dos, es­pe­ci­al­men­te aos po­bres apo­sen­ta­dos que, na sua gran­de mai­o­ria, ga­nham o sa­lá­rio mí­ni­mo, bem com as mu­lhe­res e cri­an­ça em es­ta­do de vul­ne­ra­bi­li­da­de. Pen­sar nes­se pro­ble­ma e ten­tar ame­ni­zá-lo é um ges­to cris­tão e hu­ma­ni­tá­rio.

Im­põe-se di­zer que, com boa von­ta­de e de­ter­mi­na­ção, é pos­sí­vel abo­mi­nar o ci­gar­ro que, em cer­ta oca­si­ão, o sa­u­do­so mes­tre e ami­go dou­tor Waldyr do Es­pí­ri­to San­to Cas­tro Quin­ta, em ar­ti­go pu­bli­ca­do na ex­tin­ta Re­vis­ta Oá­sis, cha­mou-o co­mo “o pe­que­no ti­ra­no”, lo­go ele que foi um fu­man­te in­ve­te­ra­do du­ran­te qua­se to­da a sua exis­tên­cia, le­van­do-o à mor­te, já em ida­de avan­ça­da, quan­do aban­do­nou es­se ví­cio mal­di­to, de que tan­to se quei­xa­va, em­bo­ra tar­di­a­men­te.

Na mi­nha fa­mí­lia, com ra­rís­si­mas ex­ce­ções, qua­se nin­guém fu­ma, aqui in­cluí­dos pa­is fi­lhos e ne­tos, não car­re­gan­do em seu or­ga­nis­mo os efei­tos da­no­sos des­se mal per­ver­so – a prá­ti­ca de fu­mar –, com as bên­çã­os de Deus.

Fi­ca, aqui, o exem­plo pa­ra quem qui­ser ne­le se es­pe­lhar. As­se­gu­ro que se da­rá bem, com mais von­ta­de de vi­ver, com sa­ú­de, ale­gria e tran­qui­li­da­de, que é o mai­or pre­sen­te que o nos­so Pai Mai­or con­fe­re aos seus fi­lhos mui­to ama­dos.

 

(Si­se­nan­do Fran­cis­co de Aze­ve­do, ad­vo­ga­do, es­cri­tor, his­to­ri­a­dor, ar­ti­cu­lis­ta do DM e mem­bro da As­so­cia­ção Go­i­a­na de Im­pren­sa – AGI)

tags:

Comentários