Opinião

Globo perde com a saída de William Waack

diario da manha

A equi­pe de jor­na­lis­mo da Re­de Glo­bo é cons­ti­tu­í­da por pro­fis­si­o­nais de pri­mei­ra li­nha. Não exis­te es­pa­ço nas or­ga­ni­za­ções da fa­mí­lia Ma­ri­nho pa­ra in­com­pe­ten­tes. Nes­se ti­me dos mui­tos bons sem­pre se des­ta­cou o no­me de um pro­fis­si­o­nal ti­do, pe­los en­ten­di­dos, co­mo sen­do o me­lhor jor­na­lis­ta do Bra­sil na atu­a­li­da­de e um dos três mais qua­li­fi­ca­dos pro­fis­si­o­nais de im­pren­sa de to­dos os tem­pos do pa­ís. Fa­lo do cri­a­dor do pro­gra­ma de me­lhor ní­vel in­te­lec­tu­al da te­le­vi­são bra­si­lei­ra, o Glo­bo­news Pai­nel, apre­sen­ta­do pe­lo jor­na­lis­ta Wil­li­am Wa­ack. Fa­le­mos um pou­co de­le.

Wil­li­am Wa­ack é um pro­fis­si­o­nal de múl­ti­plos ta­len­tos. Exí­mio es­cri­tor (au­tor de qua­tro li­vros) e apre­sen­ta­dor, além de ser um ex­ce­len­te re­pór­ter. Sua vas­ta cul­tu­ra, re­co­nhe­ci­da e res­pei­ta­da pe­los in­te­lec­tu­ais e pe­los seus pa­res, mui­to con­tri­bu­iu pa­ra que Wil­li­am Wa­ack fos­se por du­as ve­zes lau­re­a­do com o mais sig­ni­fi­ca­ti­vo prê­mio do jor­na­lis­mo bra­si­lei­ro: o Es­so.

Gra­du­a­do em jor­na­lis­mo pe­la Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo, Wa­ack so­li­di­fi­cou sua for­ma­ção aca­dê­mi­ca nos tem­pos em que foi cor­res­pon­den­te in­ter­na­ci­o­nal da Re­de Glo­bo na Ale­ma­nha. Lá cur­sou ci­ên­cia po­lí­ti­ca, so­ci­o­lo­gia e co­mu­ni­ca­ção na res­pei­ta­da Uni­ver­si­da­de de Mainz. Con­clu­iu tam­bém, nes­sa ins­ti­tu­i­ção, o mes­tra­do em Re­la­ções In­ter­na­cio­nais.

A ra­zão de seu su­ces­so atre­la-se não só à sua só­li­da for­ma­ção aca­dê­mi­ca, mas, tam­bém, à enor­me ex­pe­ri­ên­cia in­ter­na­ci­o­nal de­le na Ale­ma­nha, na Rús­sia e no Ori­en­te Mé­dio. Guar­do ain­da na me­mó­ria sua ex­ce­len­te co­ber­tu­ra da Guer­ra do Gol­fo.

To­dos es­ses pre­di­ca­dos, to­da­via, não im­pe­di­ram a de­mis­são de Wil­li­am Wa­ack da emis­so­ra em que tra­ba­lhou por mais de du­as dé­ca­das. Mo­ti­vo ale­ga­do: o va­za­men­to, nas re­des so­ci­ais, de um ví­deo no qual es­se jor­na­lis­ta ex­pôs sua ir­ri­ta­bi­li­da­de com o ba­ru­lho de uma bu­zi­na de au­to­mó­vel ati­va­da no mo­men­to em que o apre­sen­ta­dor do Pai­nel se pre­pa­ra­va pa­ra en­tre­vis­tar, em Was­hing­ton, seu co­le­ga Pau­lo So­te­ro. “Is­so é coi­sa de pre­to”, te­ria di­to ele a seu en­tre­vis­ta­do. Por es­sa ra­zão, a Re­de Glo­bo re­sol­veu de­mi­tir seu mais qua­li­fi­ca­do pro­fis­si­o­nal de im­pren­sa.

Co­nhe­ci­do pe­la com­pe­tên­cia e pe­lo for­te tem­pe­ra­men­to, Wil­li­am Wa­ack tem ad­mi­ra­do­res e de­sa­fe­tos. Cau­sa-me es­tra­nhe­za a apa­ri­ção de um ví­deo gra­va­do há mais de um ano e só ago­ra di­vul­ga­do. O su­ces­so do ou­tro sem­pre in­co­mo­da. É da na­tu­re­za hu­ma­na.

O cri­a­dor do Glo­bo­news Pai­nel dei­xou há al­guns mes­es a emis­so­ra dos Ma­ri­nho, sen­do sub­sti­tu­í­do pe­la jor­na­lis­ta Re­na­ta Lo Pre­te. Pro­fis­si­o­nais co­mo Wil­li­am Wa­ack não pro­cu­ram em­pre­go. O em­pre­go é que vem atrás de­les.

Atu­al­men­te, o ga­nha­dor do prê­mio Es­so é ar­ti­cu­lis­ta do jor­nal Es­ta­do de São Pau­lo. Além dis­so, re­pro­du­ziu o pro­gra­ma Pai­nel com sua mar­ca pes­so­al nas mí­di­as so­ci­ais – o Pai­nel WW (Pai­nel Wil­li­am Wa­ack). Um su­ces­so de au­diên­cia não só pe­lo ní­vel dos in­te­lec­tu­ais que par­ti­ci­pam do pro­gra­ma, mas por dis­cu­tir al­go que o Pai­nel apre­sen­ta­do por Re­na­ta Lo Pre­te vem mos­tran­do-se in­ca­paz de fa­zer: ana­li­sar a fun­do os acon­te­ci­men­tos in­ter­na­cio­nais. Em­bo­ra com­pe­ten­te, es­sa jor­na­lis­ta não tem a mes­ma ba­ga­gem do ex­pe­ri­en­te Wil­li­am Wa­ack. Quem mais per­deu com a de­mis­são de­le da Glo­bo foi a pró­pria Glo­bo.

 

(Sa­la­ti­el So­a­res Cor­reia, en­ge­nhei­ro, ba­cha­rel em Ad­mi­nis­tra­ção de Em­pre­sas, mes­tre em Pla­ne­ja­men­to Ener­gé­ti­co. É au­tor, en­tre ou­tras obras, de Chei­ro de Bi­bli­o­te­ca. Email:sa­la­ti­el­cor­[email protected]­mail.com)

Comentários