Opinião

Abandono afetivo. O outro lado do Dia dos Pais

diario da manha

No se­gun­do do­min­go do mês de agos­to é co­me­mo­ra­do o Dia dos Pa­is no Bra­sil. É um dia es­pe­ci­al pa­ra as fa­mí­lias, pois os fi­lhos ho­me­na­gei­am seus pa­is, e agra­de­cem to­do o ca­ri­nho re­ce­bi­do ao lon­go da vi­da. Um dia ce­le­bra­do com mui­ta ale­gria, abra­ços, bi­lhe­tes e pre­sen­tes. Mas, in­fe­liz­men­te es­sa ale­gria não che­ga a to­dos os la­res.

Não são to­dos os pa­is que cum­prem os de­ve­res de­cor­ren­tes do po­der fa­mi­liar, ou se­ja, a obri­ga­ção le­gal de cu­i­dar dos fi­lhos. E tal des­cui­do com a pro­le, que de­no­mi­na­mos “aban­do­no afe­ti­vo”, tem si­do ca­da vez mais de­ba­ti­do na so­ci­e­da­de, ge­ran­do in­clu­si­ve con­de­na­ções ju­di­ci­ais.

Aban­do­nar um fi­lho é for­ma gra­ve de mal­tra­to, en­se­jan­do a pa­ten­te vi­o­la­ção ao Prin­cí­pio da Dig­ni­da­de da Pes­soa Hu­ma­na (Art. 1º, III, da Cons­ti­tu­i­ção Fe­de­ral), que pre­si­de to­das as re­la­ções ju­rí­di­cas e sub­me­te to­do o or­de­na­men­to ju­rí­di­co bra­si­lei­ro.

So­bre os de­ve­res do po­der fa­mi­liar, ou se­ja, dos pa­is com seus fi­lhos, a Cons­ti­tu­i­ção Fe­de­ral, em seu Art. 229, foi ain­da mais in­ci­si­va: “Os pa­is têm o de­ver de as­sis­tir, cri­ar e edu­car os fi­lhos me­no­res, e os fi­lhos mai­o­res têm o de­ver de aju­dar e am­pa­rar os pa­is na ve­lhi­ce, ca­rên­cia ou en­fer­mi­da­de”. E lhes as­se­gu­ra ain­da, ex­pres­sa­men­te no Art. 227, o di­rei­to à “con­vi­vên­cia fa­mi­liar”. O Có­di­go Ci­vil tam­bém rei­te­rou ex­pres­sa­men­te tais de­ve­res de cri­a­ção e edu­ca­ção em seu ar­ti­go 1634, bem co­mo, o Es­ta­tu­to da Cri­an­ça e do Ado­les­cen­te, no ar­ti­go 22.

A ju­ris­pru­dên­cia so­bre o te­ma tem evo­luí­do des­de 2003, quan­do na co­mar­ca de Ca­pão da Ca­noa/RS, hou­ve a pri­mei­ra con­de­na­ção por da­nos mo­ra­is de­cor­ren­tes de aban­do­no afe­ti­vo. Des­ta­ca-se, o jul­ga­men­to da Ter­cei­ra Tur­ma Cí­vel do STJ, que em 2012, ad­mi­tiu a re­pa­ra­ção de da­nos por aban­do­no afe­ti­vo, con­de­nan­do um pai a in­de­ni­zar sua fi­lha, com des­ta­que pa­ra a fra­se da mi­nis­tra re­la­to­ra “Amar é fa­cul­da­de, cu­i­dar é de­ver”. Cum­pre sa­li­en­tar, que no le­gis­la­ti­vo, tra­mi­tam pro­je­tos de lei es­pe­cí­fi­cos so­bre o te­ma, ca­rac­te­ri­zan­do o aban­do­no afe­ti­vo co­mo ato ilí­ci­to.

A cri­an­ça aban­do­na­da po­de apre­sen­tar de­fi­ci­ên­cias em seu com­por­ta­men­to pa­ra o res­to da vi­da. A dor da cri­an­ça que es­pe­ra­va por um sen­ti­men­to, ain­da que mí­ni­mo, de amor ou aten­ção, po­de ge­rar dis­túr­bi­os de re­la­ci­o­na­men­to so­ci­al, pro­ble­mas es­co­la­res, de­pres­são, tris­te­za, bai­xa au­to­es­ti­ma, in­clu­si­ve pro­ble­mas de sa­ú­de, en­tre ou­tros de­vi­da­men­te com­pro­va­dos por es­tu­dos clí­ni­cos e psi­co­ló­gi­cos.

Além das se­que­las pro­du­zi­das nes­sas cri­an­ças, o cus­to so­ci­al do aban­do­no apon­ta ci­fras alar­man­tes, que che­gam a in­flu­en­ciar ín­di­ces de cri­mi­na­li­da­de, tal co­mo, por exem­plo, em San­ta Ca­ta­ri­na, aon­de 6 (seis) en­tre ca­da 10(dez) in­ter­nos em uni­da­des de me­no­res in­fra­to­res ti­ve­ram uma in­fân­cia sem pai. No mes­mo sen­ti­do, re­cen­tes es­tu­do do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co de São Pau­lo/SP con­clu­iu que 02 (dois) em ca­da 03 (três) jo­vens in­fra­to­res vêm de fa­mí­lia que não têm o pai den­tro de ca­sa.

O aban­do­no de fi­lhos, não re­per­cu­te ape­nas nos ín­di­ces apon­ta­dos, mas na so­ci­e­da­de co­mo um to­do. Da­dos do Con­se­lho Na­ci­o­nal de Jus­ti­ça (CNJ), apon­tam que exis­tem ao me­nos 5,5 mi­lhões de cri­an­ças bra­si­lei­ras sem o no­me do pai na cer­ti­dão de nas­ci­men­to. Tais nú­me­ros são as­sus­ta­do­res, e re­fle­tem uma gra­vís­si­ma ir­res­pon­sa­bi­li­da­de so­ci­al.

A in­fân­cia é sem­pre o mai­or pa­tri­mô­nio de uma so­ci­e­da­de, que po­de ser ava­li­a­da pe­la ma­nei­ra que cu­i­da das su­as cri­an­ças. Não po­de­mos ad­mi­tir o aban­do­no de fi­lhos co­mo um fa­to nor­mal da vi­da hu­ma­na, pois não é ape­nas na cer­ti­dão de nas­ci­men­to que um pai faz fal­ta.

As­sim, na mes­ma se­ma­na que co­me­mo­ra­mos a im­por­tan­te da­ta, de­di­ca­da a to­dos aque­les pa­is que cu­i­dam dos seus fi­lhos, pre­ci­sa­mos re­fle­tir so­bre a cul­tu­ra do aban­do­no. O aban­do­no des­trói o pro­je­to de vi­da de mi­lha­res de cri­an­ças e ado­les­cen­tes, cau­san­do-lhes gra­ves se­que­las e im­pon­do os mais di­ver­sos pro­ble­mas so­ci­ais. É pre­ci­so co­lo­car um fim a uma so­ci­e­da­de com fi­lhos ór­fã­os de pa­is vi­vos.

É pre­ci­so que to­dos en­ten­dam a gra­vi­da­de do pro­ble­ma, e des­sa for­ma, se mo­bi­li­zem com cam­pa­nhas a fa­vor da pa­ter­ni­da­de res­pon­sá­vel no Bra­sil. E nos ca­sos aon­de a pre­ven­ção não sur­tir efei­to, que se­jam pro­fe­ri­das as mais se­ve­ras con­de­na­ções pa­ra a re­pa­rar o da­no, com efei­to pe­da­gó­gi­co a de­sen­co­ra­jar tais con­du­tas omis­si­vas. Não pu­nir pa­is au­sen­tes, é in­cen­ti­var o há­bi­to de im­por a di­fí­cil ta­re­fa de edu­car os fi­lhos so­men­te às mã­es.

En­tre­tan­to, é im­por­tan­te sa­li­en­tar, que a mai­or pu­ni­ção pa­ra ca­da pai omis­so, se­rá sem­pre não ter a ale­gria de es­tar com os fi­lhos nes­te do­min­go, pa­ra re­ce­ber aque­le abra­ço es­pe­ci­al, e ou­vir a emo­cio­nan­te fra­se “FE­LIZ DIA DOS PA­IS”!

 

(Char­les Bic­ca, ad­vo­ga­do, es­pe­cia­lis­ta em Di­rei­to de Fa­mí­lia e Di­rei­to Pe­nal/Pro­ces­su­al Pe­nal. É au­tor do li­vro Abandono Afetivo – O de­ver de cui­da­do e a res­pon­sa­bi­li­da­de ci­vil por aban­do­no de fi­lhos (OWL Edi­to­ra). Co­au­tor do li­vro Pedofilia – Re­pre­en­são a cri­mes se­xu­ais con­tra cri­an­ças e ado­les­cen­tes (Mal­let Edi­to­ra). Na in­ter­net li­de­ra a mai­or co­mu­ni­da­de vir­tu­al con­tra o aban­do­no de fi­lhos no Bra­sil – www.aban­do­no­a­fe­ti­vo.org. e  www.fa­ce­bo­ok.com/aban­do­no­a­fe­ti­vo­o­fi­ci­al)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais