Opinião

40 anos do bebê de proveta e os avanços da medicina reprodutiva

diario da manha

Em 25 de ju­lho de 1978 nas­cia na In­gla­ter­ra Lou­i­se Joy Brown, a pri­mei­ra be­bê de pro­ve­ta do mun­do. O pro­ce­di­men­to cri­a­do por pes­qui­sa­do­res bri­tâ­ni­cos re­vo­lu­ci­o­nou a me­di­ci­na re­pro­du­ti­va com o mé­to­do ino­va­dor de jun­tar os óvu­los com os es­per­ma­to­zoi­des den­tro de um la­bo­ra­tó­rio, trans­fe­rin­do pos­te­rior­men­te os em­bri­ões pa­ra o úte­ro. A re­a­li­za­ção des­se pro­ce­di­men­to foi o pon­ta­pé ini­ci­al pa­ra o avan­ço tec­no­ló­gi­co que per­mi­tiu am­pli­ar as pos­si­bi­li­da­des de tra­ta­men­to da fer­ti­li­da­de.

Pa­ra se ter di­men­são do quan­to a me­di­ci­na re­pro­du­ti­va evo­lu­iu nos úl­ti­mos 40 anos, até o fi­nal da dé­ca­da de 1980 as chan­ces de su­ces­so nas fer­ti­li­za­ções não ul­tra­pas­sa­vam 15%. Não exis­tia o ul­tras­som trans­va­gi­nal, os la­bo­ra­tó­rios e os equi­pa­men­tos eram bem me­nos de­sen­vol­vi­dos e o pro­ce­di­men­to era re­a­li­za­do por meio de la­pa­ros­co­pia, tor­nan­do-o mais ar­ris­ca­do e me­nos efi­caz. Di­an­te des­se ce­ná­rio, as chan­ces de uma gra­vi­dez acon­te­cer eram qua­se nu­las.

De lá pa­ra cá mui­ta coi­sa mu­dou. O mé­to­do pa­ra re­a­li­za­ção de uma fer­ti­li­za­ção in vi­tro (FIV) ho­je é mi­ni­ma­men­te in­va­si­vo. A evo­lu­ção tec­no­ló­gi­ca pos­si­bi­li­ta que as chan­ces de su­ces­so no tra­ta­men­to va­ri­em de 50% a 60% em mu­lhe­res de até 35 anos. A téc­ni­ca evo­lu­iu tan­to que, a ca­da ci­clo de fer­ti­li­za­ção in vi­tro, a chan­ce de gra­vi­dez é mai­or do que em um ci­clo na­tu­ral de um ca­sal jo­vem e sa­u­dá­vel.

No Bra­sil, o pri­mei­ro be­bê de pro­ve­ta nas­ceu em 1984 no in­te­ri­or do Pa­ra­ná. Nes­ta épo­ca, ain­da não es­ta­va dis­po­ní­vel no pa­ís a tec­no­lo­gia pa­ra ava­li­ar a qua­li­da­de dos em­bri­ões e, com is­so, os mé­di­cos op­ta­vam por trans­fe­rir vá­rios em­bri­ões em de­sen­vol­vi­men­to. O en­ten­di­men­to era que quan­to mais em­bri­ões o úte­ro re­ce­bes­se, mai­or se­ria a chan­ce de uma gra­vi­dez.

Ho­je, a pre­ci­são de téc­ni­cas de se­le­ção e con­ge­la­men­to de em­bri­ões em uma FIV já tem per­mi­ti­do a trans­fe­rên­cia de ape­nas um em­bri­ão ao úte­ro e, na mai­o­ria das ve­zes, em es­tá­gio de blas­to­cis­to, com mai­or chan­ce de gra­vi­dez. Pa­ra con­tri­bu­ir com is­so, clí­ni­cas de re­pro­du­ção tem usa­do equi­pa­men­tos de úl­ti­ma ge­ra­ção, co­mo o Em­bryos­co­pe Plus. Es­se apa­re­lho per­mi­te que to­do o pro­ces­so de ava­li­ção dos em­bri­ões se­ja re­a­li­za­do sem a ma­ni­pu­la­ção ex­ter­na. Seu sis­te­ma de ví­deo pos­si­bi­li­ta que em­brio­lo­gis­tas acom­pa­nhem de for­ma con­tí­nua e ao vi­vo ca­da es­tá­gio do de­sen­vol­vi­men­to, per­mi­tin­do se­le­ci­o­nar de for­ma mais ade­qua­da qua­is os em­bri­ões de me­lhor po­ten­ci­al pa­ra a trans­fe­rên­cia ao úte­ro, no mo­men­to cer­to, pro­por­ci­o­nan­do um ga­nho na fer­ti­li­za­ção in vi­tro.

Além dos equi­pa­men­tos, as téc­ni­cas de con­ge­la­men­to de óvu­los tam­bém evo­lu­í­ram. Elas per­mi­tem, por exem­plo, que mu­lhe­res que quei­ram adiar a ma­ter­ni­da­de ou irão pas­sar por al­gum tra­ta­men­to de sa­ú­de por con­ta de uma do­en­ça, co­mo cân­cer, pre­ser­vem seus óvu­los sa­u­dá­veis e es­co­lham o me­lhor mo­men­to pa­ra en­gra­vi­dar.

Em 2011, uma re­so­lu­ção do Con­se­lho Fe­de­ral de Me­di­ci­na (CFM) es­ta­be­le­ceu o nú­me­ro má­xi­mo de em­bri­ões que po­dem ser le­va­dos ao úte­ro du­ran­te o pro­ces­so de fer­ti­li­za­ção in vi­tro. Em mu­lhe­res até 35 anos, é per­mi­ti­da a trans­fe­rên­cia de até dois em­bri­ões. Já pa­ra mu­lhe­res de 36 a 39 anos o nú­me­ro au­men­ta pa­ra três; e pa­ra mu­lhe­res de 40 anos ou mais são per­mi­ti­dos até qua­tro em­bri­ões.

A me­di­ci­na re­pro­du­ti­va con­ti­nua em cons­tan­te avan­ço, ofe­re­cen­do téc­ni­cas ca­da vez me­nos in­va­si­vas e so­fis­ti­ca­das. As in­for­ma­ções e os re­cur­sos tec­no­ló­gi­cos pos­si­bi­li­tam re­a­li­zar pro­ce­di­men­tos ca­da vez mais pre­ci­sos pa­ra al­can­çar re­sul­ta­dos efe­ti­vos, per­mi­tin­do, as­sim, que mais pes­so­as pos­sam re­a­li­zar o so­nho de ter fi­lhos.

 

(Dr. Mau­ri­cio Che­hin, co­or­de­na­dor mé­di­co da Uni­da­de Vi­la Ma­ri­a­na e co­or­de­na­dor do pro­je­to de On­co­fer­ti­li­da­de da Hun­ting­ton Me­di­ci­na Re­pro­du­ti­va)

Comentários