Opinião

Ainda existe presunção de inocência?

diario da manha

Nos úl­ti­mos di­as, te­nho pen­sa­do mui­to acer­ca da tal pre­sun­ção de ino­cên­cia, há al­gum tem­po, quan­do es­tu­dan­te do cur­so de di­rei­to, fi­ca­va eu­fó­ri­ca quan­do o pro­fes­sor fa­la­va: O prin­cí­pio da pre­sun­ção de ino­cên­cia é um ins­ti­tu­to pre­vis­to no ar­ti­go 5º, in­ci­so LVII da Cons­ti­tu­i­ção Fe­de­ral de 1988, di­rei­to que de­ve ser as­se­gu­ra­do a to­dos sem dis­tin­ção.

Co­mo uma fa­la di­nâ­mi­ca e for­te, ele afir­ma­va que é uma ga­ran­tia cons­ti­tu­ci­o­nal e pro­ces­su­al atri­bu­í­da ao acu­sa­do pe­la prá­ti­ca de uma in­fra­ção pe­nal, opor­tu­ni­zan­do lhe a prer­ro­ga­ti­va de não ser con­si­de­ra­do cul­pa­do por um ato tí­pi­co até que a sen­ten­ça pe­nal con­de­na­tó­ria tran­si­te em jul­ga­do.

Co­mo to­do aman­te do Di­rei­to, fi­ca­va ma­ra­vi­lha­da com a te­o­ria, po­rém não du­rou mui­to meu es­ta­do de gra­ça, após fi­na­li­zar o cur­so de di­rei­to, es­tu­dei mais um pou­co e me tor­nei ad­vo­ga­da, daí vi­ve a prá­ti­ca nos cor­re­do­res da jus­ti­ça bra­si­lei­ra.

A Cons­ti­tu­i­ção Fe­de­ral apre­sen­ta o prin­cí­pio da pre­sun­ção de ino­cên­cia em seu rol de di­rei­tos e ga­ran­ti­as cons­ti­tu­ci­o­nais, afir­man­do que to­dos são igua­is pe­ran­te a lei, sem dis­tin­ção de qual­quer na­tu­re­za, e que nin­guém se­rá cul­pa­do até o trân­si­to em jul­ga­do de sen­ten­ça pe­nal con­de­na­tó­ria”.

Co­mo ad­vo­ga­da atu­an­te, te­nho di­to que, a pre­sun­ção de ino­cên­cia não é mais pre­su­mi­da, não é mais ga­ran­tia fun­da­men­tal, o Es­ta­do De­mo­crá­ti­co de Di­rei­to en­con­tra-se aba­la­do, pe­la afron­ta a Lex Ma­ter em di­ver­sos pro­ces­sos cri­mi­nais Bra­sil afo­ra.

Co­mo de­fen­so­ra dos di­rei­tos hu­ma­nos, não po­de­ria dei­xar de ci­tar que a ofen­sa a pre­sun­ção de ino­cên­cia é uma afron­ta ao prin­cí­pio ve­tor da dig­ni­da­de da pes­soa hu­ma­na, ten­do em vis­ta a to­tal inob­ser­vân­cia de um di­rei­to ba­si­lar “ a pa­la­vra do acu­sa­do, em con­jun­to com a apre­sen­ta­ção da ver­da­de re­al dos fa­tos”.

A pre­sun­ção de ino­cên­cia não po­de ser tra­ta­da co­mo ex­ce­ção em nos­so sis­te­ma pe­nal, e sim co­mo re­gra. No de­vi­do pro­ces­so le­gal, es­ta, de­ve ser en­ten­di­da e se com­pro­va­da, aca­ta­da de pron­to, ve­ri­fi­can­do a ra­zo­a­bi­li­da­de e pro­por­ci­o­na­li­da­de em ca­da ca­so em con­cre­to.

O in du­bio pro reo de­ve ser le­va­do em con­si­de­ra­ção em to­do pro­ces­so cri­mi­nal, e não ser ig­no­ra­do pe­los ope­ra­do­res do di­rei­to em sua mai­o­ria, co­mo acon­te­ce di­u­tur­na­men­te na prá­ti­ca. Não ha­ven­do pro­vas su­fi­ci­en­tes de au­to­ria e ma­te­ri­a­li­da­de de de­ter­mi­na­do fa­to tí­pi­co/ilí­ci­to o ma­gis­tra­do de­ve­rá ab­sol­ver o acu­sa­do.

Acom­pa­nho o mo­men­to his­tó­ri­co pe­lo qual pas­sa o pa­ís, e meu des­con­ten­ta­men­to com o Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral, em sua in­sis­tên­cia em vi­o­lar a Cons­ti­tu­i­ção Fe­de­ral/88, prin­ci­pal­men­te no que tan­ge a exe­cu­ção pro­vi­só­ria da pe­na, após a con­de­na­ção em se­gun­da ins­tân­cia, e con­se­quen­te­men­te a in­ter­po­si­ção de re­cur­sos “me­ra­men­te pro­te­la­tó­rios”, tão dis­cu­ti­dos em des­fa­vor da de­fe­sa.

Fa­ço al­gu­mas in­da­ga­ções: o exer­cí­cio da ad­vo­ca­cia fi­ca en­tão con­di­cio­na­da ao achis­mo, a su­po­si­ções de re­cur­sos pro­te­la­tó­rios? Is­so é de­mo­cra­cia? É jus­ti­ça hu­ma­ni­za­da? Com a má­xi­ma vê­nia, o atu­al en­ten­di­men­to da­que­les que de­ve­ri­am res­guar­dar a Cons­ti­tu­i­ção Fe­de­ral es­tá em to­tal de­sa­cor­do com a nor­ma, não me­re­cen­do pros­pe­rar.

A pre­sun­ção de ino­cên­cia é ga­ran­tia de gran­de re­le­vân­cia, con­quis­ta­do, após sé­cu­los de per­se­cu­ção pe­nal in­qui­si­tó­ria e ab­so­lu­tis­ta, on­de o acu­sa­do/ réu era ví­ti­ma de um sis­te­ma ar­bi­trá­rio. Vi­ve­mos o cha­ma­do re­tro­ces­so, res­tri­ções cla­ras ao di­rei­to e in­se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca.

A so­ci­e­da­de tem o di­rei­to à vi­da, a li­ber­da­de, a exis­tên­cia de for­ma dig­na e a cor­re­ta apli­ca­ção da jus­ti­ça, com igual­da­de e bom sen­so.

 

(Lo­re­na Ayres, ad­vo­ga­da, es­pe­cia­lis­ta em di­rei­to pú­bli­co e cri­mi­nal (pre­si­den­te da Co­mis­são de Di­rei­tos Hu­ma­nos da Abracrim-GO, vi­ce-pre­si­den­te da Co­mis­são de Di­rei­to Cri­mi­nal e Po­lí­ti­cas Pú­bli­cas OAB/GO sub­se­ção Apa­re­ci­da de Go­i­â­nia), pro­fes­so­ra uni­ver­si­tá­ria, ar­ti­cu­lis­ta e co­men­da­do­ra)

Comentários