Opinião

Stephen Hawking e a Meritocracia

diario da manha

On­tem o mun­do das ci­ên­cias per­deu um dos mai­o­res no­mes, Step­hen Hawking. Hawking se tor­nou um dos ci­en­tis­tas mais co­nhe­ci­dos do mun­do ao abor­dar te­mas co­mo a na­tu­re­za da gra­vi­da­de e a ori­gem do uni­ver­so. Tam­bém foi um exem­plo de de­ter­mi­na­ção por re­sis­tir mui­tos anos à es­cle­ro­se la­te­ral amio­tró­fi­ca, uma do­en­ça de­ge­ne­ra­ti­va. E so­bre is­so que va­mos fa­lar. Es­sa do­en­ça afe­ta neu­rô­ni­os mo­to­res, que são as cé­lu­las ner­vo­sas res­pon­sá­veis por to­dos os mo­vi­men­tos do cor­po. Com pas­sar do tem­po os pa­ci­en­tes per­dem a ca­pa­ci­da­de de se mo­ver, de fa­lar, de en­go­lir e até de res­pi­rar. Co­mo mé­di­co pos­so afir­mar com to­da cer­te­za que Step­hen Hawking é um sim­bo­lo da su­pe­ra­ção. Mes­mo com to­das as di­fi­cul­da­des oca­si­o­na­das pe­lo avan­ço de­ge­ne­ra­ti­vo, Hawking foi ca­paz de avan­çar nos seus es­tu­dos e ga­nhar um res­pei­to mun­di­al.

Me­ri­to­cra­cia? Tam­bém. Mas não me­nos im­por­tan­te é o fa­to que o Es­ta­do não atra­pa­lhou su­as pes­qui­sas e es­tu­dos. No Bra­sil, o Es­ta­do au­men­ta ain­da mais as di­fi­cul­da­des dos in­di­ví­duos. A pes­soa já nas­ce mal, po­bre e nós ain­da o obri­ga­mos a fre­quen­tar es­co­las de pés­si­mas qua­li­da­des mes­mo ten­do uma das mai­o­res car­gas tri­bu­ta­ri­as do mun­do.

Tal­vez se ti­ves­se nas­ci­do aqui, mui­to pro­va­vel­men­te, Step­hen Hawnkin já te­ria di­fi­cul­da­des pa­ra ar­car com os cus­tos da sua ca­dei­ra e re­mé­di­os de­vi­do os im­pos­tos abu­si­vos. Tal­vez se ti­ves­se nas­ci­do aqui, mui­to pro­va­vel­men­te,  nun­ca te­ria ini­ci­a­do su­as pes­qui­sas de­vi­do as bu­ro­cra­cias exa­ge­ra­das pre­sen­tes nas uni­ver­si­da­des. Tal­vez se ti­ves­se nas­ci­do aqui, mui­to pro­va­vel­men­te, Step­hen Hawnkin nun­ca te­ria vi­ra­do “O Step­hen Hawnkin”.

 

(Ala­no Quei­roz, mé­di­co or­to­pe­dis­ta)

Comentários