Opinião

Aumentar a produção de alimentos. Uma tarefa divina?

diario da manha

A can­ti­le­na de que a po­pu­la­ção mun­di­al es­tá au­men­tan­do não é no­vi­da­de pa­ra nin­guém. Ain­da que as ta­xas de fer­ti­li­da­de no mun­do ve­nham di­mi­nu­in­do, a Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das (ONU) pro­je­ta que em 2050 o con­tin­gen­te po­pu­la­cio­nal che­gue a mais de 9 bi­lhões, com acrés­ci­mo anual de 83 mi­lhões de pes­so­as. Mas não so­men­te a quan­ti­da­de de pes­so­as é im­por­tan­te. Fa­to­res co­mo au­men­to da lon­ge­vi­da­de do ser hu­ma­no, ur­ba­ni­za­ção e mai­or aces­so à ren­da tam­bém são de­ter­mi­nan­tes na de­man­da de re­cur­sos que, de acor­do com a ins­ti­tu­i­ção, con­si­de­ran­do o mes­mo ho­ri­zon­te de tem­po, de­ve­rá ser de 60% a mais de co­mi­da, 50% a mais de ener­gia e 40% a mais de água, ca­so o rit­mo de cres­ci­men­to se­ja man­ti­do.

Res­trin­gin­do a ques­tão ape­nas pa­ra ali­men­tos, ba­si­ca­men­te só exis­tem du­as for­mas de au­men­tar a pro­du­ção: au­men­tar a área plan­ta­da ou pro­du­zir mais na mes­ma área. Em ter­mos de Bra­sil, ape­sar de di­fe­ren­tes ór­gã­os mos­tra­rem que cer­ca de 60% do ter­ri­tó­rio é pre­ser­va­do e que, se ne­ces­sá­rio, po­de­rí­a­mos au­men­tar a pro­du­ção ape­nas uti­li­zan­do pas­ta­gens já de­gra­da­das, fa­lar em au­men­to da área des­ti­na­da à agri­cul­tu­ra é pra­ti­ca­men­te pro­i­bi­ti­vo. En­tão OK! Va­mos dei­xar es­sa op­ção de la­do e par­tir pa­ra pro­du­ti­vi­da­de.

A in­ter­fe­rên­cia nos cul­ti­vos a fim de bus­car mai­or pro­du­ti­vi­da­de, in­de­pen­den­te de qual se­ja, é pos­sí­vel de du­as ma­nei­ras: ex­ter­na ou in­ter­na. As ati­vi­da­des ex­ter­nas con­sis­tem em ati­vi­da­des de ma­ne­jo jun­to aos fa­to­res con­tro­lá­veis de pro­du­ção e que, con­se­quen­te­men­te, vão de­fi­nir os sis­te­mas agrí­co­las. Nes­te con­tex­to, além de as­pec­tos fí­si­cos, co­mo di­fe­ren­tes ar­ran­jos de es­pa­ça­men­tos e pro­fun­di­da­des de se­me­a­du­ra/plan­tio, ci­ta-se o em­pre­go de in­su­mos, co­mo cor­re­ti­vos de so­lo, fer­ti­li­zan­tes e de­fen­si­vos agrí­co­las. E en­tão caí­mos em ou­tro pon­to de dis­cus­são, com uma ga­ma de ta­xa­ções ne­ga­ti­vas às prá­ti­cas cul­tu­ra­is. Os agro­tó­xi­cos que os di­gam! O que não fal­ta é “in­for­ma­ção” sem fun­da­men­to ou cu­nho ci­en­ti­fi­co vá­li­do sen­do di­vul­ga­da na mí­dia. Mas Ok! Va­mos as­su­mir que as acu­sa­ções são vá­li­das e anu­lar as in­ter­fe­rên­cias ex­ter­nas.

Bom, se não po­de me­xer por fo­ra, nos res­ta me­xer por den­tro. En­tra em ce­na en­tão os ali­men­tos trans­gê­ni­cos, de­sen­vol­vi­dos a par­tir de me­ca­nis­mos de en­ge­nha­ria ge­né­ti­ca que ob­je­ti­vam in­cor­po­rar na cul­tu­ra em ques­tão ca­rac­te­rís­ti­cas no­vas ou me­lho­ra­das em re­la­ção ao in­di­ví­duo ori­gi­nal. Uma des­sas me­lho­ri­as, in­clu­si­ve, é a in­cor­po­ra­ção de re­sis­tên­cia a pra­gas e do­en­ças e que já apre­sen­tou re­sul­ta­dos sig­ni­fi­ca­ti­vos. De acor­do com da­dos do Ser­vi­ço In­ter­na­ci­o­nal pa­ra a Aqui­si­ção de Apli­ca­ções Agrí­co­las-Bi­o­tec­no­ló­gi­cas (ISA­AA), nas úl­ti­mas du­as dé­ca­das (de 1996-2015), 619 mi­lhões de qui­los de in­gre­di­en­te ati­vo dei­xa­ram de ser apli­ca­dos gra­ças às cul­tu­ras bi­o­tec­no­ló­gi­cas. E is­so é ape­nas um dos be­ne­fí­ci­os. Mas ad­vi­nha? Não po­de tam­bém! Is­so se se­guir­mos ou­tra cor­ren­te que de­fen­de que os trans­gê­ni­cos fa­zem mal. Evi­den­te, sem pro­vas con­cre­tas.

A re­fle­xão que fi­ca é: se to­das as al­ter­na­ti­vas iden­ti­fi­ca­das ou de­sen­vol­vi­das pe­lo ho­mem não são su­fi­ci­en­tes, nos res­ta de­le­gar a ta­re­fa de au­men­tar a pro­du­ção de ali­men­tos pa­ra uma en­ti­da­de di­vi­na? Se­ria es­pe­rar um “Deus” des­cer e cri­ar no­vas va­ri­e­da­des, mais pro­du­ti­vas e re­sis­ten­tes? Eu par­ti­cu­lar­men­te acre­di­to que não. Na ver­da­de, o que tem que se pa­rar é de ge­rar am­bi­en­tes de dis­cus­são e nor­te­ar con­clu­sões a par­tir de cu­nhos ide­o­ló­gi­cos, on­de mui­tas ve­zes se cria o pro­ble­ma pa­ra ven­der a so­lu­ção. Os ar­gu­men­tos de­vem ser ba­se­a­dos em ci­ên­cia. E ci­ên­cia, não tem par­ti­do, cre­do ou ide­o­lo­gia. Ci­ên­cia é ci­ên­cia. Afi­nal, se to­das as so­lu­ções de­sen­vol­vi­das fa­zem tão mal as­sim, por que a po­pu­la­ção mun­di­al es­tá cres­cen­do e fi­can­do ca­da vez mais ve­lha?

 

(Jo­ão Ro­sa, pro­fes­sor do Pe­ce­ge)

Comentários