Opinião

Um novo olhar sobre o Quinto Constitucional

Se­guin­do os prin­cí­pios de­mo­crá­ti­cos e re­pu­bli­ca­nos que re­gem a nos­sa Cons­ti­tu­i­ção, o cri­té­rio da al­ter­nân­cia de­ve nor­te­ar não só o sis­te­ma po­lí­ti­co, mas tam­bém as de­mais es­co­lhas de re­pre­sen­tan­tes, sen­do um ele­men­to vi­tal de oxi­ge­na­ção dos ór­gã­os de Po­der, ra­zão pe­la qual o art. 94 da Cons­ti­tu­i­ção ga­ran­te que 1/5 dos Tri­bu­nais se­ja for­ma­do por pro­fis­si­o­nais egres­sos da Ad­vo­ca­cia e do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co.

E den­tre es­te per­cen­tu­al des­ti­na­do à clas­se dos ad­vo­ga­dos tam­bém é pre­ci­so ter al­ter­nân­cia en­tre ad­vo­ga­dos pú­bli­cos e pri­va­dos, vez que são do­ta­dos de per­fil na­tu­ral­men­te di­fe­ren­tes um do ou­tro em ra­zão da pró­pria atu­a­ção ao lon­go da car­rei­ra, sem ne­nhum de­mé­ri­to a quem quer que se­ja, mas tão so­men­te pe­la ne­ces­si­da­de de se man­ter a es­sên­cia do ins­ti­tu­to que vi­sa, num dos seus as­pec­tos, va­lo­ri­zar o olhar di­fe­ren­ci­a­do do ad­vo­ga­do nos tri­bu­nais.

In­fe­liz­men­te, con­tu­do, es­pe­ci­al­men­te no Es­ta­do de Go­i­ás, con­si­de­ran­do que a OAB es­ta­va sob o do­mí­nio de um mes­mo gru­po há mais de du­as dé­ca­das, o ins­ti­tu­to vem per­den­do ca­da vez mais a sua na­tu­re­za e trans­for­man­do-se em me­ro ob­je­to de bar­ga­nha po­lí­ti­ca, cor­ren­do o ris­co de ca­ir no to­tal des­cré­di­to da so­ci­e­da­de e da pró­pria clas­se em ra­zão da dis­pa­ri­da­de de ar­mas en­tre os can­di­da­tos que dis­pu­tam a va­ga, ten­do em vis­ta as pe­cu­li­a­ri­da­des do cri­té­rio de es­co­lha que en­vol­ve não só a OAB e o Tri­bu­nal, im­bu­í­dos de for­mar a lis­ta sêx­tu­pla e trí­pli­ce, mas tam­bém o Che­fe do Po­der Exe­cu­ti­vo, quem faz a es­co­lha fi­nal.

Só pa­ra re­lem­brar, o úl­ti­mo de­sem­bar­ga­dor egres­so da ad­vo­ca­cia pri­va­da no­me­a­do pa­ra o car­go foi o ilus­tre Pau­lo Ma­ria Te­les, no dis­tan­te ano de 1997. Ali­ás, di­ga-se de pas­sa­gem, lem­bra­do por mui­tos co­mo sen­do um ma­gis­tra­do de por­tas sem­pre aber­tas pa­ra re­ce­ber os ad­vo­ga­dos, que de­sem­pe­nhou a pre­si­dên­cia do Tri­bu­nal com mui­ta sa­be­do­ria e com­pe­tên­cia, sem­pre sen­sí­vel aos ju­ris­di­cio­na­dos e aos seus pa­tro­nos. A par­tir de en­tão, ou se­ja, há mais de 20 anos, vem ocu­pan­do o car­go so­men­te pro­fis­si­o­nais egres­sos do ser­vi­ço pú­bli­co. Ve­ja­mos: Flo­ri­a­no Go­mes, ex-che­fe da Ca­sa Ci­vil; Ge­ral­do Gon­çal­ves da Cos­ta e No­ri­val San­to­mé, ex-Pro­cu­ra­do­res Ge­ra­is do Es­ta­do; Ni­co­me­des Bor­ges, ex-Pre­si­den­te da Sa­ne­a­go; e Ita­mar de Li­ma, ex-ser­vi­dor do TCE e da As­sem­bleia Le­gis­la­ti­va.

Sem ne­nhum de­mé­ri­to aos emi­nen­tes de­sem­bar­ga­do­res, os qua­is de­sem­pe­nham a fun­ção com to­tal re­ti­dão, com­pe­tên­cia e in­de­pen­dên­cia, mas pe­lo fa­to in­con­tes­tá­vel de que de­ve­mos va­lo­ri­zar tam­bém os co­le­gas egres­sos da ad­vo­ca­cia pri­va­da, que exer­cem a ár­dua fun­ção sem con­tar com bons sa­lá­ri­os no fi­nal do mês, tam­pou­co usu­fru­em de ga­bi­ne­tes equi­pa­dos com mão de obra es­pe­cia­li­za­da cus­te­a­do pe­lo Es­ta­do, nem go­zam de pla­no de car­go e car­rei­ra, as­sis­tên­cia à sa­ú­de, apo­sen­ta­do­ria, 13º sa­lá­rio, con­ta­gem dos pra­zos em do­bro, mas vi­vem, em re­gra, ex­clu­si­va­men­te dos seus ho­no­rá­rios ad­vo­ca­tí­ci­os, ca­so não se­ja vo­ca­cio­na­do e ex­tre­ma­men­te de­di­ca­do à sua fun­ção, aca­ba se su­cum­bin­do di­an­te das agru­ras pro­ces­su­ais, ra­zão pe­la qual se sa­cri­fi­ca in­can­sa­vel­men­te em bus­ca da pres­ta­ção ju­ris­di­cio­nal, so­fren­do to­da sor­te de pres­são pa­ra de­fen­der os in­te­res­ses dos seus cons­ti­tu­in­tes, mui­tas das ve­zes cor­ren­do ris­co de vi­da, pe­gan­do es­tra­da pe­los in­te­rio­res afo­ra pa­ra par­ti­ci­par de au­diên­cias que nem sem­pre se re­a­li­zam, frus­tran­do o de­sen­ro­lar do pro­ces­so e re­tar­dan­do o re­ce­bi­men­to dos seus ho­no­rá­rios por anos e anos in­ter­mi­ná­veis.

O olhar do ad­vo­ga­do é sa­lu­tar pa­ra o quin­to cons­ti­tu­ci­o­nal. Há mais de du­as dé­ca­das, co­mo já di­to, o nos­so Es­ta­do não no­meia um pro­fis­si­o­nal com es­te per­fil, da­das as cir­cun­stân­cias já men­ci­o­na­das. En­tre­tan­to, o pu­jan­te mo­vi­men­to da ad­vo­ca­cia go­i­a­na que cul­mi­nou com a vi­tó­ria da Cha­pa OAB QUE QUE­RE­MOS é fru­to do de­se­jo de mui­tos ad­vo­ga­dos e ad­vo­ga­das em al­can­çar a re­no­va­ção da en­ti­da­de, e las­tre­ou-se no ide­al de rom­per com as ve­lhas prá­ti­cas e que­brar os pa­ra­dig­mas até en­tão rei­nan­tes, que aca­ba­ram trans­for­man­do a OAB num gran­de bal­cão de ne­gó­ci­os.

A fal­ta de al­ter­nân­cia tem ge­ra­do nos co­le­gas, prin­ci­pal­men­te na­que­les que mi­li­tam nas co­mar­cas do in­te­ri­or e não têm aces­so aos al­tos es­ca­lões do go­ver­no, um to­tal des­cré­di­to e sen­ti­men­to de in­jus­ti­ça, vez que a va­ga é des­ti­na­da à ad­vo­ca­cia, não de­ven­do se pri­vi­le­gi­ar ape­nas aque­les que ti­ve­ram aces­so ao ser­vi­ço pú­bli­co – se­ja atra­vés de con­cur­so ou no­me­a­ção pa­ra car­gos de con­fi­an­ça, e que, em re­gra, não en­fren­ta­ram as mes­mas di­fi­cul­da­des que a mai­o­ria en­fren­ta pa­ra ga­nhar seus ho­no­rá­rios e vi­ver ex­clu­si­va­men­te de­les.

O que te­mos as­sis­ti­do ao lon­go des­tas du­as dé­ca­das em Go­i­ás é um to­tal des­vir­tua­men­to da na­tu­re­za do ins­ti­tu­to em ra­zão da ma­nei­ra co­mo vem sen­do con­du­zi­do o pro­ces­so de es­co­lha, dis­tan­ci­an­do-se in­clu­si­ve da pró­pria re­gra cons­ti­tu­ci­o­nal que não exi­ge ne­nhu­ma pas­sa­gem do can­di­da­to pe­lo ser­vi­ço pú­bli­co, ali­ás, pe­la sua es­sên­cia, o ide­al se­ria exa­ta­men­te o con­trá­rio, es­co­lher quem nun­ca es­te­ve li­ga­do ao go­ver­no, exa­ta­men­te pa­ra que le­ve um no­vo olhar pa­ra o Po­der Ju­di­ci­á­rio, equi­li­bran­do as de­ci­sões e co­la­bo­ran­do com a de­mo­cra­ti­za­ção do ór­gão.

Ou­tro as­pec­to que me­re­ce des­ta­que nes­ta ques­tão é o fa­to do nos­so Es­ta­do nun­ca ter no­me­a­do ne­nhu­ma ad­vo­ga­da pa­ra ocu­par o car­go, inob­stan­te o nú­me­ro de mu­lhe­res atu­an­tes na ad­vo­ca­cia se igua­lar ou até mes­mo su­pe­rar aos ho­mens. A mu­lher es­tá em evi­dên­cia nas mais di­ver­sas es­fe­ras do mun­do pro­fis­si­o­nal e ti­ve­mos em 2015 uma con­quis­ta his­tó­ri­ca – o Pla­no Na­ci­o­nal de Va­lo­ri­za­ção da Mu­lher Ad­vo­ga­da, cu­jas re­gras de­ve­ri­am ser ade­qua­das pe­las sec­ci­o­nais até ja­nei­ro de 2017, in­clu­si­ve as­se­gu­ran­do a sua mai­or par­ti­ci­pa­ção nas elei­ções da en­ti­da­de. Di­an­te des­te ce­ná­rio tor­na-se com­ple­ta­men­te dis­tan­te da re­a­li­da­de con­ti­nu­ar­mos fa­zen­do vis­ta gros­sa à par­ti­ci­pa­ção efe­ti­va das mu­lhe­res no quin­to cons­ti­tu­ci­o­nal, é pre­ci­so ha­ver es­tí­mu­lo pa­ra a sua par­ti­ci­pa­ção e ga­ran­tia de que não se tra­ta de um me­ro pro­ces­so de “fa­cha­da”.

To­das es­tas pon­de­ra­ções apon­tam pa­ra o de­se­jo da mai­o­ria dos ad­vo­ga­dos que an­sei­am por uma pos­tu­ra co­e­ren­te, co­ra­jo­sa e in­de­pen­den­te do atu­al Con­se­lho que te­rá a gran­de opor­tu­ni­da­de de dei­xar um le­ga­do na nos­sa his­tó­ria, in­di­can­do seis no­mes de ho­mens e mu­lhe­res egres­sos ex­clu­si­va­men­te da ad­vo­ca­cia pri­va­da e sem ne­nhum vín­cu­lo com o go­ver­no, fa­vo­re­cen­do o prin­cí­pio da al­ter­nân­cia – ba­se do Es­ta­do De­mo­crá­ti­co de Di­rei­to, e a dis­pu­ta em pé de igual­da­de en­tre to­dos, sem ne­nhum fa­vo­ri­tis­mo po­lí­ti­co, os qua­is te­rão as mes­mas con­di­ções e opor­tu­ni­da­des de con­quis­tar a va­ga que é, fri­se-se, es­sen­cial­men­te da ad­vo­ca­cia, que não de­ve se cur­var a ne­nhum dos Po­de­res da Re­pú­bli­ca, pois co­mo já di­zia um dos mai­o­res ad­vo­ga­dos do Bra­sil, o des­te­mi­do So­bral Pin­to – “não é pro­fis­são de co­var­des”.

Que es­ta sin­ce­ra re­fle­xão se­ja aten­ta­men­te con­si­de­ra­da pe­los ad­vo­ga­dos go­i­a­nos que po­de­rão opi­nar de­mo­cra­ti­ca­men­te nes­te pro­ces­so, e prin­ci­pal­men­te pe­los co­le­gas in­te­gran­tes do Con­se­lho, aos qua­is in­cum­bi­rá a ár­dua e no­bre ta­re­fa de es­co­lher seis no­mes, e não se cur­vem às ve­lhas prá­ti­cas que o pu­jan­te mo­vi­men­to da ad­vo­ca­cia go­i­a­na, vi­to­ri­o­so nas ur­nas da úl­ti­ma elei­ção, tan­to com­ba­teu.

 

(Fa­brí­cio An­tô­nio Al­mei­da de Brit­to, ad­vo­ga­do, con­se­lhei­ro da OAB-GO e pre­si­den­te da Co­mis­são de Acom­pa­nha­men­to Fo­ren­se, di­re­tor da Re­de In­ter­na­ci­o­nal de Ju­ris­tas, di­re­tor da ONG Jus­ti­ça Já)

 

Comentários