Opinião

Intervenção Federal no Rio de Janeiro e as consequências na segurança pública

diario da manha

A in­ter­ven­ção fe­de­ral con­sis­te no afas­ta­men­to tem­po­rá­rio das prer­ro­ga­ti­vas to­tais ou par­ci­ais pró­pri­as da au­to­no­mia dos Es­ta­dos, pe­la Uni­ão, pre­va­le­cen­do a von­ta­de do en­te in­ter­ven­tor.  A in­ter­ven­ção é me­di­da ex­cep­cio­nal de de­fe­sa do Es­ta­do fe­de­ral e de pro­te­ção às uni­da­des fe­de­ra­das que o in­te­gram.

A in­ter­ven­ção é au­to­ri­za­da pa­ra re­pe­lir in­va­são es­tran­gei­ra e pa­ra im­pe­dir que o mau uso da au­to­no­mia pe­los Es­ta­dos-Mem­bros re­sul­te na in­va­são de um Es­ta­do em ou­tro; na per­tur­ba­ção da or­dem pú­bli­ca; na cor­rup­ção do Po­der Pú­bli­co es­ta­du­al; no des­res­pei­to da au­to­no­mia mu­ni­ci­pal.

Além dos pres­su­pos­tos ma­te­ri­ais, que são as hi­pó­tes­es elen­ca­das no art. 34º – CF, o ato de in­ter­ven­ção es­tá su­jei­to a cer­tos pres­su­pos­tos for­mais: quan­to à sua efe­ti­va­ção, li­mi­ta­ção e re­qui­si­tos. (art. 36 – CF)

A efe­ti­va­ção da in­ter­ven­ção fe­de­ral é de com­pe­tên­cia pri­va­ti­va do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca (art. 84º, X), atra­vés de de­cre­to pre­si­den­ci­al de in­ter­ven­ção, ou­vi­dos os dois ór­gã­os su­pe­ri­o­res de con­sul­ta, Con­se­lho da Re­pú­bli­ca (art. 90, I), e o  Con­se­lho de De­fe­sa Na­ci­o­nal (art.91º, § 1º, II), sem qual­quer vin­cu­la­ção do Che­fe do Exe­cu­ti­vo nos res­pec­ti­vos pa­re­ce­res.

O de­cre­to pre­si­den­ci­al de­ve­rá ser apre­ci­a­do pe­lo Con­gres­so Na­ci­o­nal que re­a­li­za­rá o con­tro­le po­lí­ti­co so­bre o de­cre­to de in­ter­ven­ção ex­pe­di­do pe­lo Exe­cu­ti­vo. A apre­cia­ção de­ve­rá ser fei­ta em 24 ho­ras (art. 36º, § 1º – CF). Se não es­ti­ver em fun­cio­na­men­to, se­rá con­vo­ca­do ex­tra­or­di­na­ria­men­te, no pra­zo de 24 ho­ras (art. 36º, § 2º – CF).

Os ge­ne­ra­is das For­ças Ar­ma­das se­rão os co­man­dan­tes di­re­tos de seus co­ro­néis das For­ças Ar­ma­das Ter­res­tres e Aé­re­as, pa­ra de­le­gar-lhes as mis­sões. O Ex­mo. Sr. Cel. Ivan Cos­me de Oli­vei­ra Pi­nhei­ro, fi­ca­rá a co­man­dar di­re­ta­men­te to­dos De­le­ga­dos de Po­lí­cia, as­sim co­mo to­dos os Cel. Po­li­ci­ais Mi­li­ta­res do Co­man­do Ge­ral ao Se­cre­tá­rio de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, que se­rá no­me­a­do em bre­ve.

Ha­ve­rá mu­dan­ça em to­dos os Quar­té­is das For­ças Au­xi­li­a­res (Po­li­cia Mi­li­tar). Os de­mais Quar­té­is de For­ça Au­xi­li­ar que não es­tão en­qua­dra­dos co­mo per­ten­cen­tes a áre­as con­fla­gra­das co­mo de au­to ris­co ou áre­as ver­me­lhas. Se­rão co­man­da­dos por Cel. de In­fan­ta­ria on­de os CMTs dos Ba­ta­lhões e to­do o Es­ta­do Mai­or de­ve­rá ser co-au­xi­li­a­dor do mes­mo em ações ope­ra­ci­o­nais em su­as áre­as.

O Se­cre­tá­rio de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, se­rá de­no­mi­na­do Se­cre­tá­rio de Es­ta­do e se­rá su­bor­di­na­do ao Cel. mais an­ti­go da Co­or­de­na­ção de Ope­ra­ções Avan­ça­das. O se­cre­tá­rio re­ce­be­rá di­re­tri­zes e or­dens do co­man­dan­te do CML e as mes­mas se­rão re­pas­sa­das ao co­ro­nel mais an­ti­go até che­gar na tro­pa.

Se­rá con­si­de­ra­do cri­me mi­li­tar to­do e qual­quer en­vol­vi­men­to de tro­pas fe­de­ra­is, es­ta­du­ais, ci­vil co­mo mi­lí­cias de nar­co­tra­fi­can­tes. O Sis­te­ma de In­te­li­gên­cia do Exér­ci­to es­ta­rá mo­ni­to­ran­do 24hs qua­is­quer ti­po de con­du­ta in­con­sis­ten­te, por mei­os de es­cu­tas te­le­fô­ni­cas au­to­ri­za­das pe­la jus­ti­ça, bem co­mo in­for­ma­ções le­van­ta­das pe­la  In­te­li­gên­cia do Exér­ci­to.

To­das as Ope­ra­ções em Co­mu­ni­da­des a par­tir de ho­je, se­rão con­si­de­ra­das co­mo “área de ter­ri­tó­rio hos­til “ e es­ta­rá res­pal­da­do pe­lo Mi­nis­té­rio da De­fe­sa to­da re­a­ção de For­ças Hos­tis de Nar­co­tra­fi­can­tes que re­sul­tem em pri­são ou mor­te de nar­co­tra­fi­can­tes e as­so­cia­dos ao nar­co­trá­fi­co.

To­do o Es­ta­do do Rio de Ja­nei­ro es­tá so­bre o Co­man­do de In­ter­ven­ção Mi­li­tar do Pa­lá­cio Du­que de Ca­xi­as até 31 de de­zem­bro de 2018 po­den­do alon­gar -se es­tá in­ter­ven­ção ca­so se ache ne­ces­sá­rio pa­ra o bem es­tar so­ci­al de to­dos.

Nas de­le­ga­cias dis­tri­tais a au­to­ri­da­de dis­tri­tal dos De­le­ga­dos de Po­lí­cia, es­ta­rão su­bor­di­na­dos di­re­ta­men­te ao Mi­nis­té­rio da De­fe­sa e se­rá no­me­a­do um Cel. De­ten­tor de For­ma­ção Ju­rí­di­ca pa­ra de­li­be­rar e de­le­gar or­dens aos mes­mos, on­de ca­be­rá o pa­pel de apoio ju­rí­di­co pa­ra re­gis­tro de APF, con­fron­tos ar­ma­dos, apre­en­sões e óbi­tos pa­ra que se­jam re­la­ta­dos e re­gis­tra­dos na for­ma da lei. Ade­mais, se­rão ela­bo­ra­das, no de­cor­rer do Pro­ces­so de Im­plan­ta­ção do Pla­no de In­ter­ven­ção Mi­li­tar, as fun­ções dos de­le­ga­dos de Po­lí­cia de De­le­ga­cias Es­pe­cia­li­za­das.

A Ci­da­de da Po­lí­cia se­rá a ba­se cen­tral de apre­sen­ta­ção de ma­te­ri­al apre­en­di­do co­mo ar­mas, dro­gas e tam­bém pri­são de nar­co­tra­fi­can­tes. Va­le des­ta­car que, en­quan­to es­ti­ver no Rio de Ja­nei­ro, o Exér­ci­to fis­ca­li­za­rá e vi­gi­a­rá as fron­tei­ras que são as por­tas de en­tra­da das ar­mas e dro­gas, que abas­te­cem e es­ti­mu­lam a vi­o­lên­cia.

É ob­vio que si­tu­a­ções ex­tre­mas, re­que­rem me­di­das ex­tre­mas. En­tre­tan­to, a gra­ve si­tu­a­ção do Es­ta­do do Rio de Ja­nei­ro em re­la­ção a sua Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca re­quer in­ves­ti­men­tos em in­fra­es­tru­tu­ra (Tec­no­lo­gia, Equi­pa­men­tos, Trei­na­men­to, Fis­ca­li­za­ção) e atu­a­ção con­jun­ta do Exe­cu­ti­vo, Le­gis­la­ti­vo e Ju­di­ci­á­rio. In­fe­liz­men­te, en­quan­to tra­ta­rem a Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca com me­di­das pa­li­a­ti­vas, ire­mos so­frer com os efei­tos da­no­sos da “Sín­dro­me do Co­ber­tor Cur­to”.

 

(Alis­son Gui­ma­rã­es Pe­rei­ra de Sou­za, pre­si­den­te da Adeasp­ As­so­cia­ção de De­fe­sa dos Agen­tes de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca)

 

Comentários