Opinião

Educação X criminalidade

diario da manha

2018 co­me­çou com a re­pe­ti­ção de fa­tos que já fa­zem par­te do co­ti­dia­no de mui­tas ci­da­des: re­be­li­ões e mor­tes em pre­sí­di­os com ex­ces­so de pri­si­o­nei­ros.  A cri­mi­na­li­da­de den­tro e fo­ra dos pre­sí­di­os faz do Bra­sil um dos paí­ses mais vi­o­len­tos do mun­do e, à me­di­da que au­men­ta a vi­o­lên­cia, ga­nham for­ça os dis­cur­sos que de­fen­dem o re­cru­des­ci­men­to das leis pe­nais, o que sig­ni­fi­ca mais gen­te nas ca­dei­as, e por mais tem­po.

A po­pu­la­ção car­ce­rá­ria no Bra­sil já pas­sa de 622 mil pre­sos e o sis­te­ma pri­si­o­nal con­vi­ve com um dé­fi­cit de 250 mil va­gas, de acor­do com o úl­ti­mo Le­van­ta­men­to Na­ci­o­nal de In­for­ma­ções Pe­ni­ten­ci­á­rias (In­fo­pen), do Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça, que é re­fe­ren­te ao ano de 2014. Se o cres­ci­men­to da po­pu­la­ção car­ce­rá­ria man­ti­ver o rit­mo, o Bra­sil po­de su­pe­rar a mar­ca de 1 mi­lhão de de­ten­tos em 2022.

To­da­via, o au­men­to do nú­me­ro de pre­sos não tem re­du­zi­do a cri­mi­na­li­da­de, o que nos le­va a pen­sar que não é pren­den­do mais que ire­mos re­sol­ver a o pro­ble­ma da vi­o­lên­cia no pa­ís. De 1980 pa­ra cá, o nú­me­ro de ho­mi­cí­di­os au­men­tou 385%, ao pas­so que o nú­me­ro de en­car­ce­ra­men­to su­biu qua­se 1.200%.

O com­ba­te ao cri­me não se dá nas ru­as. Ele co­me­ça den­tro da sa­la de au­la, co­mo o an­tro­pó­lo­go Darcy Ri­bei­ro mui­to sa­bi­a­men­te an­te­ci­pou em 1982: “Se os go­ver­nan­tes não cons­tru­í­rem es­co­las, em 20 anos fal­ta­rá di­nhei­ro pa­ra cons­tru­ir pre­sí­di­os”. Os go­ver­nan­tes não ou­vi­ram Ri­bei­ro e, ho­je, o Es­ta­do pa­ga 13 ve­zes mais pa­ra man­ter um pre­so na ca­deia que um es­tu­dan­te na es­co­la, se­gun­do a pre­si­den­te do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), mi­nis­tra Cár­men Lú­cia.

Em mé­dia, um de­ten­to cus­ta R$ 2,4 mil por mês (R$ 28,8 mil por ano), en­quan­to um es­tu­dan­te de en­si­no mé­dio cus­ta atu­al­men­te R$ 2,2 mil por ano. Em 2013, um es­tu­do do de­par­ta­men­to de Eco­no­mia, Ad­mi­nis­tra­ção e So­ci­o­lo­gia da Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo (USP) mos­trou que pa­ra ca­da in­ves­ti­men­to de 1% em edu­ca­ção, 0,1% do ín­di­ce de cri­mi­na­li­da­de era re­du­zi­do.

Há uma re­la­ção di­re­ta en­tre edu­ca­ção e cri­mi­na­li­da­de, co­mo apon­tou o Ins­ti­tu­to de Pes­qui­sa Eco­nô­mi­ca Apli­ca­da (Ipea). De acor­do com o ma­pa da vi­o­lên­cia tra­ça­do pe­lo Ipea em 2014, 50% dos ho­mi­cí­di­os acon­te­ce­ram em 71 dos 5.570 mu­ni­cí­pios e a me­ta­de de­les nos 10% dos bair­ros mais po­bres das ci­da­des, ca­ren­tes de po­lí­ti­cas pú­bli­cas. O le­van­ta­men­to do ins­ti­tu­to apon­ta que há uma ten­dên­cia se­gun­do a qual, pa­ra ca­da 1% a mais de jo­vens nas es­co­las, há uma di­mi­nu­i­ção de 2% na ta­xa mu­ni­ci­pal de as­sas­si­na­tos.

O ní­vel de es­co­la­ri­da­de da mai­o­ria dos de­ten­tos no Bra­sil é fun­da­men­tal in­com­ple­to. Tal es­ta­tís­ti­ca re­for­ça a te­se de que in­ves­tir em po­lí­ti­cas pú­bli­cas que evi­tem que a cri­an­ça en­tre no mun­do do cri­me é o úni­co ca­mi­nho pa­ra en­fren­tar­mos a cri­mi­na­li­da­de cres­cen­te. Pro­gra­mas de­sen­vol­vi­dos em Per­nam­bu­co, Pac­to pe­la vi­da, e Es­pí­ri­to San­to, Es­ta­do Pre­sen­te, mos­tram que ado­tar es­sa via é ape­nas uma ques­tão de pri­o­ri­da­de. Se­gun­do Pris­ci­la Cruz, pre­si­den­te-exe­cu­ti­va do mo­vi­men­to To­dos Pe­la Edu­ca­ção, es­tu­dos apon­tam que só o fa­to de o jo­vem es­tar ma­tri­cu­la­do já re­duz a cri­mi­na­li­da­de, e, se a Edu­ca­ção for de qua­li­da­de, que ga­ran­ta sua apren­di­za­gem, aí en­tão, ele tem a opor­tu­ni­da­de de su­pe­rar as bar­rei­ras da de­si­gual­da­de.

Es­se é o nos­so de­sa­fio se não qui­ser­mos che­gar à mar­ca de 1 mi­lhão de pre­sos e as­sis­tir a ca­da no­vo ano a re­pe­ti­ção de re­be­li­ões e mor­tes de jo­vens nos pre­sí­di­os de Nor­te a Sul do pa­ís.

(Lú­cia Vâ­nia, se­na­do­ra)

 

 

Comentários