Opinião

Araguatins: encontro no presente para resgatar o passado (7)

diario da manha

Es­cre­ver so­bre Ara­gua­tins, ci­da­de en­cra­va­da no ex­tre­mo nor­te do Es­ta­do do To­can­tins e por­ta de en­tra­da da Ama­zô­nia Bra­si­lei­ra, e en­con­trar um flu­xo sur­pre­en­den­te de lei­to­res de di­fe­ren­tes ci­da­des bra­si­lei­ras es­tá sen­do gra­ti­fi­can­te pa­ra mim. Nes­sa ci­da­de, pes­so­al­men­te, ti­ve os me­lho­res mo­men­tos de mi­nha in­fân­cia.

Apren­di a su­pe­rar o me­do, re­man­do ca­no­as em ca­cho­ei­ras trai­ço­ei­ras ou em águas su­pos­ta­men­te man­sas do Ara­gu­aia ou do To­can­tins. A na­dar e atra­ves­sar águas de prai­as co­ber­tas pe­las cor­ren­te­zas. Ven­cer as ar­rai­as ape­nas ar­ras­tan­do os pés. Apren­di a mon­tar em mu­las e tro­tar em seu dor­so. A an­dar de bi­ci­cle­ta. En­fim, com­por­ta­men­tos que en­si­nam a su­pe­rar o me­do. Com os me­ni­nos da épo­ca, com cer­te­za, su­ce­deu o mes­mo. Mas, de­las, in­fe­liz­men­te, não te­nho de­poi­men­tos.

Mi­nha ge­ra­ção nas­ceu e cres­ceu em ca­sas de por­tas e ja­ne­las aber­tas. Não ha­via pe­ri­go de ga­tu­no nem de vi­o­lên­cia. As pes­so­as se sen­ta­vam nas cal­ça­das às por­tas de su­as re­si­dên­cias. Bom dia, boa noi­te, eram pa­la­vras ou­vi­das com acon­che­go.

Cons­ti­tu­í­am re­ve­rên­cias da boa edu­ca­ção, da ci­da­da­nia e o res­pei­to às pes­so­as. Pe­rí­o­do ain­da se pe­dia bên­ção aos pa­is. Ha­via pro­fun­do res­pei­to com a fa­mí­lia, fre­qüen­ta­va-se as mis­sas aos do­min­gos, nas es­co­las os pro­fes­so­res en­si­na­vam e os alu­nos eram obe­di­en­tes às ema­na­ções dos pro­fes­so­res.

MACHISMO NO AUTOMOBILISMO

Os ga­ro­tos de mi­nha ge­ra­ção gos­ta­vam de ca­çar pas­sa­ri­nhos, e a re­gi­ão pre­fe­ri­da era às mar­gens do iga­ra­pé. Ara­pu­cas eram fei­tas com es­me­ro pa­ra pe­gar pom­bas. Do­na Del­ta ou do­na Rai­mun­da, cri­a­da de ca­sa, de­pois de re­ti­rar as pe­nas com a aju­da de água fer­ven­te, as fri­ta­va na fri­gi­dei­ra no fo­gão a le­nha.

Pe­ri­qui­tos a gen­te der­ru­ba­va na ba­la­dei­ra ou es­ti­lin­gue. Ha­via co­le­gas bons no es­ti­lin­gue. Era ti­ro e que­da. Nem sem­pre eles mor­ri­am e eram aman­sa­dos e cri­a­dos. Coi­sa de mi­nha ge­ra­ção. Ho­je, ja­mais ado­ta­ria tal com­por­ta­men­to. Dei­xa os bi­chi­nhos em seu ha­bi­tat, na na­tu­re­za, on­de re­al­men­te é o seu lu­gar.

Em ba­te-pa­po com o Ca­fu Fru­tuo­so e o Jor­jão Fer­nan­des es­tá­va­mos lem­bran­do pas­sa­gens in­te­res­san­tes em Ara­gua­tins. Do­min­ga Doi­da, por exem­plo, ga­nhou es­te ape­li­do por­que con­ver­sa­va mais do que o ho­mem da co­bra nas ru­as por on­de pas­sa­va. As cri­an­ças ti­nham me­do e se es­con­di­am des­sa mu­lher que, na re­a­li­da­de, não fa­zia mal ne­nhum a nin­guém.

O Ubi­ra­tan era tam­bém um jo­vem que cha­ma­va aten­ção por seu jei­to pe­cu­li­ar.

Bi­ló, ou­tra fi­gu­ra de no­me meio es­qui­si­to. Sem­pre bem ma­qui­a­da com seu ba­tom ver­me­lho, ves­ti­do es­tam­pa­do e a gar­ra­fa de ca­cha­ça Va­le em­bai­xo do bra­ço.

A sé­rie con­ti­nu­a­rá ama­nhã.

 

(Wan­dell Sei­xas, jor­na­lis­ta vol­ta­do pa­ra o agro, ba­cha­rel em Di­rei­to e Eco­no­mia pe­la PUC-Go­i­ás, ex-bol­sis­ta em co­o­pe­ra­ti­vis­mo agro­pe­cu­á­rio pe­la His­ta­drut, em Tel Aviv, Is­ra­el. Au­tor do li­vro: O Agro­ne­gó­cio pas­sa pe­lo Cen­tro-Oes­te)

 

tags:

Comentários