Opinião

Quer envelhecer com disposição, saúde e independência?

diario da manha
Foto:Divulgação

A população mundial vem envelhecen­do rapidamente em função da queda da taxa de fecundidade e do aumento da expectativa de vida. Essa tendência tam­bém tem sido observada no Brasil. Segunda estimativas do Instituto Brasileiro de Geo­grafia e Estatística (IBGE), divulgadas no li­vro “Brasil: uma visão geográfica e ambiental no início do século XXI”, que foi lançado em 2016, a população idosa vai triplicar no nos­so país até 2050, passando dos 19,6 milhões (10% da população brasileira), registrados em 2010, para 66,5 milhões de pessoas, em pouco mais de três décadas (29,3%). Estima­-se, ainda, que em 2030 haja uma inversão no cenário demográfico e que o número abso­luto e o porcentual de brasileiros com mais de 60 anos ultrapasse o de crianças de 0 a 14 anos, chegando a 41,5 milhões (18% da popu­lação) versus 39,2 milhões (17,6%).

Tendo em vista essas pesquisas, se torna cada vez mais importante estar alerta a respei­to da vida que se leva no presente para ter uma melhor qualidade no futuro. E é justamente aí que entra a importância de ter uma vida ativa como parte de um estilo de vida e não só por recomendação médica após detectar proble­mas de saúde já instalados.

Um grande número de pessoas no mundo não é adepto ao estilo de vida saudável e sofre com diversos problemas físicos e emocionais, além de dificuldades de mobilidade. Desta­co nesse grupo especialmente o público da terceira idade que, por diversos motivos, não teve a oportunidade de se exercitar durante a vida e agora deseja ingressar em alguma prá­tica para ter uma melhor qualidade de vida e aumentar sua capacidade de autonomia no dia a dia seja por conta própria ou até mesmo por indicação médica.

A prática esportiva é essencial em qualquer faixa etária, porém essa relevância é ainda maior na terceira idade. Isso porque nessa fase o corpo está em pleno processo de desgaste, au­mentando o número de radicais livres no orga­nismo e, assim, favorecendo o envelhecimento. Não existe uma idade específica para começar a se exercitar e melhorar sua fisiologia como um todo, basta apenas que a pessoa se cons­cientize de que o exercício é um ótimo remédio não apenas para o desenvolvimento funcional, mas, principalmente, é uma excelente forma de prevenção de inúmeras doenças.

Uma pesquisa feita pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) apontou que uma em cada três pessoas com mais de 60 anos enfrenta dificul­dades para executar funções básicas do dia a dia, como sentar e levantar do vaso sanitá­rio, subir os degraus de uma escada ou erguer uma caixa. Dentro desse grupo, 80% depende da ajuda de familiares para realizar essas e ou­tras atividades do cotidiano. Por que não bus­car uma atividade física que seja prazerosa e que ajude a melhorar essa situação?

É muito importante ressaltar que ser idoso não é sinônimo de estar doente. Essa é apenas mais uma das fases de vida, portanto, tendo li­beração médica e acompanhamento periódico da saúde, a pessoa está apta a praticar qualquer atividade física com orientação e supervisão. Basta procurar um profissional qualificado e uma academia com equipamentos de qualida­de e começar o quanto antes a praticar moda­lidades esportivas como natação, musculação, corrida, caminhada e Pilates, entre outras.

E foi pensando especialmente neste nicho da população e também em um público com patologias e certos tipos de limitações que a Life Fitness, líder global em equipamento de fitness, adquiriu em 2015 a Scifit, fornecedo­ra líder de equipamentos cuja biomecânica foi adaptada às necessidades dos idosos e de pa­cientes em reabilitação. Com produtos inova­dores, ela oferece uma gama completa de má­quinas ajustáveis para membros superiores, inferiores ou movimento total do corpo, com níveis de resistência iniciais baixos, manuseio prático, fácil acesso a cadeiras de rodas e pro­teção integrada de carga para exercícios car­diovasculares. Seu uso trabalha musculaturas estabilizadoras, fortalecimento, evita quedas e facilita atividades cotidianas de seus usuá­rios como caminhar e subir escadas.

A prática de musculação nesses equipa­mentos, por exemplo, permite ter um maior controle das variáveis de sobrecarga tensio­nal e também metabólica, gerando benefícios como calcificação óssea, melhora da condi­ção cardiovascular, ganho de massa muscu­lar, redução de percentual de gordura quan­do associada a uma alimentação balanceada e também a produção de inúmeros hormô­nios benéficos para melhorar a qualidade de vida. Além dos visíveis benefícios estéticos, ela também diminui as chances de desenvol­ver males decorrentes do sedentarismo e re­duz sintomas de doenças crônicas como ar­trose, diabetes, osteoporose e obesidade.

Por essas e outras razões, a prática de um programa regular de fortalecimento, aliada aos exercícios aeróbios, é indicada para todas as idades, especialmente os idosos.

(Cesar Lobão, profissional de Educação Física)

Comentários