Opinião

A importância de se trabalhar com projetos

diario da manha

Os Pro­je­tos de Tra­ba­lho per­mi­tem ao pro­fes­sor par­tir de um pro­ble­ma ge­ral ou par­ti­cu­lar e for­mar con­jun­tos de per­gun­tas in­ter-re­la­ci­o­na­das, que em ge­ral  vão além dos li­mi­tes de uma úni­ca ma­té­ria.

Fer­nan­do Her­nán­dez, um dos au­to­res que dis­cu­te es­se te­ma, nos diz que vá­rios as­pec­tos de­vem ser le­va­dos em con­ta no de­sen­vol­vi­men­to de um pro­je­to de tra­ba­lho. Pois, em ca­da ní­vel e eta­pa da es­co­la­ri­da­de, ado­tam-se ca­rac­te­rís­ti­cas di­fe­ren­tes. Os alu­nos par­tem de su­as ex­pe­ri­ên­cias an­te­rio­res, de ou­tros pro­je­tos já re­a­li­za­dos ou em pro­ces­so de ela­bo­ra­ção por ou­tras clas­ses. O te­ma po­de per­ten­cer ao cur­rí­cu­lo ofi­ci­al, par­tir da ex­pe­ri­ên­cia, do co­ti­dia­no, ser su­ge­ri­do pe­los alu­nos ou pe­lo pro­fes­sor.

A fun­ção do pro­je­to é fa­vo­re­cer a cri­a­ção de es­tra­té­gias de or­ga­ni­za­ção dos co­nhe­ci­men­tos es­co­la­res. É re­la­ci­o­nar os di­fe­ren­tes con­te­ú­dos em tor­no de pro­ble­mas ou hi­pó­tes­es que fa­ci­li­tem aos alu­nos a cons­tru­ção de seu pró­prio co­nhe­ci­men­to. Pa­ra Her­nán­dez, é im­por­tan­te pen­sar so­bre as per­gun­tas quan­do se pre­ten­de fa­ci­li­tar atos de com­pre­en­são. Pro­ble­ma­ti­zar é fun­da­men­tal pa­ra que o alu­no des­per­te o in­te­res­se pe­lo pro­ces­so de apren­di­za­gem. O que im­pli­ca que é ne­ces­sá­rio de­tec­tar os pro­ble­mas ou es­tru­tu­ras de co­nhe­ci­men­tos que es­te­jam por trás de ca­da pro­je­to. Ta­re­fa que nem sem­pre é fá­cil de es­ta­be­le­cer a pri­o­ri, pois exi­ge que o pro­fes­sor se­ja um pes­qui­sa­dor.

Uma das crí­ti­cas que se fa­zem aos pro­je­tos de tra­ba­lho é que, ao se par­tir de te­mas do in­te­res­se do alu­no is­so po­de sig­ni­fi­car que al­guns con­te­ú­dos ne­ces­sá­rios po­dem não ser tra­ba­lha­dos. Mas, ao se tra­ba­lhar com pro­je­tos, o pro­fes­sor não po­de se es­que­cer que faz par­te des­se pro­ces­so e po­de­rá su­ge­rir te­mas in­te­res­san­tes que en­vol­vam os con­te­ú­dos pro­gra­má­ti­cos. En­vol­ver os alu­nos mo­ti­vá-los a pes­qui­sar ao mes­mo tem­po em que cum­pre uma exi­gên­cia le­gal, é uma ex­ce­len­te for­ma de di­ver­si­fi­car os pro­ces­sos de apren­di­za­gem. Tra­ba­lhar com pro­je­tos im­pli­ca, pa­ra o pro­fes­sor, re­fle­tir a sua prá­ti­ca pe­da­gó­gi­ca.

A ava­li­a­ção, em pro­pos­tas co­mo es­sa, tem um sen­ti­do sig­ni­fi­ca­ti­vo. Não é só a ava­li­a­ção dos alu­nos. É, so­bre­tu­do, a cons­ta­ta­ção das in­ten­ções do pro­fes­sor com sua prá­ti­ca. O re­sul­ta­do é sem­pre o iní­cio do pla­ne­ja­men­to de in­ter­ven­ção pos­te­ri­or. Na or­ga­ni­za­ção da clas­se me­di­an­te pro­je­tos de tra­ba­lho, es­ta in­ter­co­ne­xão se tor­na evi­den­te.

A pro­pos­ta de se tra­ba­lhar em for­ma de pro­je­tos não é es­go­tar to­dos os sa­be­res de um de­ter­mi­na­do te­ma. Mas pen­sar que po­de­mos a par­tir da pes­qui­sa, ge­rar no­vos co­nhe­ci­men­tos que ge­rem no­vos pro­je­tos. Co­mo di­ria Her­nan­dez, “tal­vez por­que a bus­ca de um equi­lí­brio en­tre a ex­pli­ca­ção e a re­fle­xão so­bre a prá­ti­ca te­nha que sig­ni­fi­car for­ço­sa­men­te (e pe­la no­vi­da­de da ten­ta­ti­va) o dei­xar no ar al­guns de­ta­lhes im­por­tan­tes”.

Em uma pro­pos­ta em que o pro­fes­sor op­ta por tra­ba­lhar com pro­je­tos, os alu­nos apren­dem no pro­ces­so de pro­du­zir, de le­van­tar dú­vi­das, de pes­qui­sar e de cri­ar re­la­ções, que in­cen­ti­vam no­vas bus­cas, des­co­ber­tas, com­pre­en­sões e re­cons­tru­ções de co­nhe­ci­men­to. E, na me­di­da em que são cri­a­das si­tu­a­ções de apren­di­za­gem de for­ma di­fe­ren­ci­a­da, co­mo no ca­so dos pro­je­tos, es­ta­be­le­ce­mos  uma in­ter-re­la­ção pra­ze­ro­sa com o ato de en­si­nar e apren­der o que le­va os alu­nos a en­con­trar sen­ti­do no que es­tá apren­den­do. En­fim, é um pro­ces­so que co­la­bo­ra com uma apren­di­za­gem sig­ni­fi­ca­ti­va.

 

(Már­cia Car­va­lho é pe­da­go­ga, psi­co­pe­da­go­ga, mes­tra em So­ci­e­da­de, Po­lí­ti­cas Pú­bli­cas e Meio Am­bi­en­te)

 

tags:

Comentários