Opinião

Por detrás das operações urbanas consorciadas

diario da manha

A pro­pos­ta da Ocu­pa­ção Ur­ba­na Con­sor­ci­a­da (OUC) do Jar­dim Bo­tâ­ni­co tem ge­ra­do po­lê­mi­cas no meio imo­bi­liá­rio, aca­dê­mi­co e dos pro­fis­si­o­nais li­ga­dos ao seg­men­to do ur­ba­nis­mo na ca­pi­tal.

Pa­ra co­nhe­ci­men­to: “As ope­ra­ções ur­ba­nas con­sor­ci­a­das são in­ter­ven­ções pon­tu­ais re­a­li­za­das sob a co­or­de­na­ção do Po­der Pú­bli­co e en­vol­ven­do a ini­ci­a­ti­va pri­va­da, os mo­ra­do­res e os usu­á­rios do lo­cal, bus­can­do al­can­çar trans­for­ma­ções ur­ba­nís­ti­cas es­tru­tu­ra­is, me­lho­ri­as so­ci­ais e va­lo­ri­za­ção am­bien­tal.”

A  re­gi­ão do Jar­dim Bo­tâ­ni­co, ob­je­to des­ta dis­cus­são, tem 41.011 ha­bi­tan­tes em uma área de 510,54 hec­ta­res, com den­si­da­de bru­ta de 80,32 ha­bi­tan­tes por hec­ta­re. Com a pro­pos­ta do OUC, que pre­vê a cons­tru­ção de no­vas 45 mil uni­da­des ha­bi­ta­cio­nais, a den­si­da­de pro­pos­ta pa­ra a lo­ca­li­da­de che­ga­ria a 300 ha­bi­tan­tes por hec­ta­re e a uma po­pu­la­ção pre­vis­ta em 153 mil mo­ra­do­res, o que su­pe­ra­ria o tri­plo dos ha­bi­tan­tes de ho­je nos bair­ros do Jar­dim Bo­tâ­ni­co.

Nes­te pro­je­to o Po­der Pú­bli­co de­ve de­li­mi­tar uma área e ela­bo­rar um pla­no de ocu­pa­ção, no qual es­te­jam pre­vis­tos as­pec­tos tais co­mo a im­ple­men­ta­ção de in­fra­es­tru­tu­ra, a no­va dis­tri­bui­ção de usos, as den­si­da­des per­mi­ti­das, os pa­drões de aces­si­bi­li­da­de, etc. Tra­ta-se, por­tan­to, de um pla­no ur­ba­nís­ti­co em es­ca­la qua­se lo­cal, atra­vés do qual po­dem ser tra­ba­lha­dos ele­men­tos de di­fí­cil tra­ta­men­to nos pla­nos mais ge­né­ri­cos (tais co­mo al­tu­ra das edi­fi­ca­ções, re­la­ções en­tre es­pa­ço pú­bli­co e pri­va­do, re­or­de­na­men­to da es­tru­tu­ra fun­di­á­ria, etc.).

As Ope­ra­ções Ur­ba­nas po­dem acon­te­cer em qual­quer lo­ca­li­za­ção den­tro do Mu­ni­cí­pio. É ne­ces­sá­rio aten­ção, en­tre­tan­to, pa­ra ga­ran­tir que os be­ne­fí­ci­os ad­vin­dos da apli­ca­ção des­se ins­tru­men­to se­jam dis­tri­bu­í­dos de for­ma jus­ta pe­los di­ver­sos se­to­res da so­ci­e­da­de. Em Go­i­â­nia ele po­de ser apli­ca­do em ou­tras re­gi­ões, tais o cen­tro da Ca­pi­tal e re­gi­ões co­mo o se­tor dos fun­cio­ná­rios e nor­te fer­ro­vi­á­rio.

Se­gun­do Re­na­to Sa­boya, Pro­fes­sor do Cur­so de Ar­qui­te­tu­ra e Ur­ba­nis­mo da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de San­ta Ca­ta­ri­na: “As ope­ra­ções ur­ba­nas pos­su­em gran­de po­ten­ci­al de qua­li­fi­ca­ção es­pa­cial pa­ra as ci­da­des, na me­di­da em que per­mi­tem tra­ta­men­to qua­se ar­qui­te­tô­ni­co dos es­pa­ços ur­ba­nos. Tal tra­ta­men­to é di­fi­cil­men­te ob­ti­do ape­nas pe­lo Pla­no Di­re­tor e pe­lo zo­ne­a­men­to, prin­ci­pal­men­te em ci­da­des gran­des. A ne­ces­si­da­de de man­ter o pla­no in­te­li­gí­vel obri­ga a ado­ção de pa­râ­me­tros ge­ne­ra­li­zan­tes pa­ra as di­ver­sas zo­nas, que não po­dem res­pon­der às si­tu­a­ções es­pe­ci­ais que, cer­ta­men­te, fa­zem par­te do te­ci­do. Atra­vés das Ope­ra­ções Ur­ba­nas, es­sas si­tu­a­ções po­dem ser de­fi­ni­das e tra­ba­lha­das in­di­vi­dual­men­te, com mai­or ní­vel de de­ta­lha­men­to que no Pla­no Di­re­tor.”

Um as­pec­to ne­ga­ti­vo é que a ini­ci­a­ti­va pri­va­da só ten­de a se in­te­res­sar pe­la ope­ra­ção ur­ba­na em áre­as já atra­ti­vas do pon­to de vis­ta do ca­pi­tal imo­bi­liá­rio e que, por­tan­to, não de­ve­ri­am ser pri­o­ri­za­das pe­lo Po­der Pú­bli­co pa­ra reur­ba­ni­za­ção. Pa­ra co­i­bir es­ta ação é ne­ces­sá­rio aten­der o que é de­fi­ni­do de acor­do com o Es­ta­tu­to da Ci­da­de (art. 33), a lei es­pe­cí­fi­ca que apro­var a ope­ra­ção ur­ba­na con­sor­ci­a­da de­ve con­ter no mí­ni­mo:

  •  De­fi­ni­ção da área a ser atin­gi­da;
  •  Pro­gra­ma bá­si­co de ocu­pa­ção da área;
  •  Pro­gra­ma de aten­di­men­to eco­nô­mi­co e so­ci­al pa­ra a po­pu­la­ção di­re­ta­men­te afe­ta­da pe­la ope­ra­ção;
  •  Fi­na­li­da­des da ope­ra­ção;
  •  Con­tra­par­ti­da a ser pres­ta­da pe­los be­ne­fi­ci­a­dos;
  •  For­ma de con­tro­le da ope­ra­ção;
  •  É ne­ces­sá­rio que os be­ne­fí­ci­os ob­ti­dos pe­las OUCs se­jam dis­tri­bu­í­dos de for­ma jus­ta, em es­pe­ci­al aos mo­ra­do­res an­ti­gos da re­gi­ão per­ten­cen­tes às clas­ses so­ci­ais me­nos fa­vo­re­ci­das.

Ou­tra ques­tão le­van­ta­da pe­los ur­ba­nis­tas em es­pe­ci­al no ca­so do Jar­dim Bo­tâ­ni­co em Go­i­â­nia foi so­bre os ris­cos do pro­je­to de aden­sa­men­to Nas áre­as la­te­ra­is do Jar­dim Bo­tâ­ni­co. Se­gun­do o Pro­fes­sor Eve­ral­do Pas­to­re: “Um pro­je­to de Ope­ra­ção Ur­ba­na Con­sor­ci­a­da co­mo es­se po­dia ter si­do fei­to pa­ra qual­quer pon­to da ci­da­de,nos­sa ci­da­de es­tá to­da pre­ci­san­do dis­so.”

Se­gun­do o pro­fes­sor uni­ver­si­tá­rio, a re­gi­ão do Jar­dim Bo­tâ­ni­co é de in­te­res­se do mer­ca­do imo­bi­liá­rio, as­sim co­mo acon­te­ceu com o Jar­dim Go­i­ás, que tem um dos me­tros qua­dra­dos mais ca­ros de Go­i­â­nia. Pa­ra ele, a pro­pos­ta na­da mais é do que uma ten­ta­ti­va de en­tre­gar nas mãos da ini­ci­a­ti­va pri­va­da a área, en­quan­to mais de 50 mil imó­veis es­tão fe­cha­dos na ci­da­de.

Fi­na­li­zan­do, a co­mu­ni­da­de de­ve se fa­zer pre­sen­te nas dis­cus­sões, é um pro­je­to ne­ces­sá­rio pa­ra re­qua­li­fi­car áre­as ur­ba­nas su­bu­ti­li­za­das, vi­san­do o aden­sa­men­to da ci­da­de mas ten­do uma jus­ta di­vi­são dos be­ne­fí­ci­os a se­rem ob­ti­dos, não só aten­den­do os in­te­res­ses da es­pe­cu­la­ção imo­bi­liá­ria e das clas­ses mais al­tas, mas em es­pe­ci­al aos in­te­res­ses so­ci­ais da po­pu­la­ção e qua­li­fi­ca­ção dos es­pa­ços pú­bli­cos.

 

(Ga­ri­bal­di Riz­zo, ar­qui­te­to, pre­si­den­te do Sin­di­ca­to dos Ar­qui­te­tos e Ur­ba­nis­tas de Go­i­ás, con­se­lhei­ro Ti­tu­lar do Con­se­lho de Ar­qui­te­tu­ra e Ur­ba­nis­mo de Go­i­ás – CAU-GO)

Comentários