Opinião

Anápolis: a cidade do meu coração

Carlos Antonio,Especial para Opinião Pública

diario da manha

Natural de Santa Inês (MA), atuamos, profissionalmente, como radialista, na Rádio Capital de Brasília, bem como em emissoras de outros municípios, aos exemplos de Araguari (MG), Caldas Novas e Goiânia. Mas foi em Anápolis que recaiu minha escolha para trabalhar e viver os melhores dias da Graça de Deus. Hoje, no exercício do segundo mandato de deputado estadual, meu alvo é contribuir da melhor forma possível para o desenvolvimento sustentável do Estado de Goiás, mas confesso que o meu coração se apaixonou de maneira especial pela cidade de Anápolis.

É por esta e outras razões que aproveitamos este espaço democrático do Diário da Manhã, para fazer uma pálida homenagem à cidade que escolhi para me apaixonar: Anápolis, que, no dia 31 deste mês de junho, completa 108 de histórias e conquistas. Foi exatamente nesse município progressista que iniciamos na política, assumindo uma missão de altruísmo que jamais esperava receber das Mãos Divinas: trabalhar em prol da melhoria da qualidade de vida de um município e de um Estado, bem como de uma Nação. Que privilégio!

Graças ao trabalho social desenvolvido no rádio, candidatamos a vereador de Anápolis, em 2004, pelo PSDB, quando obtivemos 1.277 votos, ficando na suplência. Em 2008, foi eleito, sendo o mais votado para a Câmara Municipal de Anápolis, ao conquistar 2.651 votos. Neste mandato, fomos vice-presidente do Legislativo anapolino nos anos de 2009 e 2010. Em 2010, na disputa por uma das 41 cadeiras na Assembleia, obtivemos 17.392 votos, sendo 15.474 somente em Anápolis. Partimos para a reeleição e Anápolis, novamente, fez a diferença contribuindo com a maioria dos 28.093 votos que me outorgaram o segundo mandato de deputado estadual.

Portanto, sou eternamente grato ao município de Anápolis e sua gente querida e sábia, que, numa verdadeira simbiose, seguem apoiando o nosso humilde trabalho, mas que, pela Graça de Deus, contribuiu para, entre outras coisas, melhoria do funcionamento dos Conselhos Tutelares do Estado de Goiás, sobretudo com ampliação da frota de veículos, conseguidos através de parcerias com os governos estadual e federal, bem como de outros equipamentos adquiridos, muitas das vezes, com dinheiro do nosso próprio bolso.

Localizada a 50 quilômetros da capital goiana e a 140 km da capital federal, Anápolis é uma cidade de ótima qualidade de vida, mas estamos trabalhando para que atinja logo o nível de excelência nesse item, ou seja, passando de ótimo para excelente. Sua vocação como polo industrial, com destaque para o ramo farmacêutico, se firmou a partir da instalação do Distrito Agroindustrial, em 1976. Anápolis foi apontada pela revista Veja, em 2010, como uma das Vinte Cidades Brasileiras do Futuro, em razão de seu grande potencial logístico. A cidade é cortada pelas rodovias federais BR-153, BR-060 e BR-414; pelas rodovias estaduais GO-222, GO-437 e GO-330; e pela Ferrovia Centro-Atlântica, sendo ponto inicial da Ferrovia Norte Sul, que está sendo integrada à FCA.

O começo da povoação teve início em meados do século XVIII, devido ao movimento de tropeiros na região em direção às lavras de ouro das vilas próximas, tais como Corumbá e Meia Ponte (Pirenópolis). Os córregos e ribeirões da região ajudavam na movimentação dos tropeiros, provendo lugares de descanso e servindo referência para orientação durante as viagens. Com a exaustão dos veios auríferos, muitos destes viajantes optaram por morar na região, principalmente às margens do Ribeirão das Antas. O primeiro documento oficial foi redigido em 25 de abril de 1870, quando um grupo de moradores faz doação de parte de suas terras para a formação do Patrimônio de Nossa Senhora de Sant’Anna. A instalação oficial da Vila se concretizou em 10 de março de 1892, com José da Silva batista sendo nomeada presidente da Junta Administrativa da Vila Santana das Antas.

Por meio de eleições, em 1893, o povo antense escolheu o primeiro intendente (Lopo de Sousa Ramos) e o primeiro conselho municipal, formado por Antônio Crispim de Sousa, Teodoro da Silva Batista, Vicente Gonçalves de Almeida, Floro Santana Ramos, Antônio Batista Arantes e Modesto Sardinha de Siqueira. Já contando com autonomia administrativa e base territorial, a Vila de Santana das Antas foi elevada à categoria de cidade pelo Decreto-Lei 320 de 31 de julho de 1907, assinado pelo então presidente do estado de Goiás, Miguel da Rocha Lima, passando a ser denominada de Anápolis, sendo considerada, hoje, como a data natalícia da cidade.

Anápolis é o terceiro maior PIB industrial do Centro Oeste (atrás de Goiânia e Brasília) com um valor agregado de R$ 12,119 bilhões em 2011, sendo ainda a 41ª maior economia industrial do país; e um dos seus principais centros logísticos. Possui diversificada indústria farmacêutica, destacada presença nos ramos: automobilístico, de alimentos e atacadista de secos e molhados, além de importante participação do ramo educacional e uma pujante rede bancária. O município é o terceiro do Estado em população e o primeiro no ranking de competitividade e desenvolvimento, além de estar no centro da região mais desenvolvida do Centro-Oeste brasileiro, conhecida como o eixo “Goiânia-Anápolis-Brasília”.

A Base Aérea de Anápolis é uma das mais importantes bases do País, atualmente opera os “Caças” F-5EM do 1º Grupo de Defesa Aérea (1º GDA) cuja missão primordial é a guarda e defesa da capital federal. Anápolis é uma cidade de belas avenidas, lindas praças, com opções de cultura, esporte e lazer da melhor qualidade. Enfim, é a cidade do meu coração, por isso estou imbuído do firme propósito de seguir oferecendo o meu melhor por Anápolis. Conte sempre com este amigo, povo anapolino!

 

(Carlos Antonio de Sousa Costa, radialista e deputado estadual pelo Partido Solidariedade)

 

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais