Mundo

Manifestantes protestam contra quarentena na Argentina

O ato, mobilizado pelas redes sociais, também foi contra o governo de Alberto Fernández. A Argentina está em recessão econômica desde 2018

diario da manha
Foto: AFP

Uma manifestação ocorreu ontem (13) em vários pontos da Argentina contra o governo de Alberto Fernández e a quarentena, ocasionada pelo novo coronavírus. As imagens foram exibidas pela emissora local. O protesto foi mobilizado pelas redes sociais por meio das hashtags #13STodosALasCalles, #13SPorLaRepublica e #13SJuntosContraLaImpunidad. Em português: 13STodosNasRuas, #13SPelaRepública e #13SContraAImpunidade.

A quarentena é obrigatória no território argentino desde 20 de março e continua em vigor. No entanto, houve um recorde de casos em 24h por Covid-19 há 10 dias. O país registrou mais de 12 mil casos no período. Ontem o registro total de pessoas com a doença somava aproximadamente 550 mil e 11 mil mortes em decorrência do vírus, conforme levantamento oficial. As informações são da agência AFP e foram publicadas pela revista IstoÉ.

De acordo com a reportagem, durante o protesto, intitulado como “banderazos”, os participantes utilizaram máscaras de proteção facial, enquanto agitavam bandeiras nacionais nas cidades de maior destaque do país. Veículos também exibiam o símbolo da nação.

Segundo a matéria, no mesmo dia do protesto o jornal “La Nación” publicou uma coluna assinada pelo ex-presidente liberal Maurício Macri, que ficou à frente da Argentina entre 2015 e 2019. O texto critica a administração de Fernández.

Conforme o site, o país está em contração econômica desde 2018. A população que se encontra na linha da pobreza atinge a marca de 40%. Segundo a publicação, o desemprego na Argentina alcançou 10,4% nos primeiros três meses de 2020. De acordo com a matéria, a situação se intensifica por causa do isolamento obrigatório.

Comentários