justiça

Policial que sofreu assédio sexual ganha medida protetiva contra acusado

Após denunciar o superior, Jéssica consegue uma medida protetiva para ela e a família

diario da manha

Após repercutir do caso de assédio, a soldado Jéssica Paulo do Nascimento, solicitou medidas protetivas para ela e a família. A medida é contra um tenente-coronel, acusado de assédio sexual, ameaça de estupro e morte.

O advogado da vítima, Sidney Henrique, também solicitou ao carregador da polícia militar, a prisão preventiva do acusado.

Segundo a medida protetiva, o tenente-coronel é obrigado a manter distância de Jéssica e de sua família, sendo impedido de realizar qualquer contato, seja por meios físicos ou eletrônicos, e tenha o porte e a posse de arma de fogo suspensos.

MACHISMO NO AUTOMOBILISMO

De acordo com o advogado, foi solicitado que que ela seja transferida para uma companhia mais próxima de sua residência. Atualmente ela está locada no 45° Batalhão da Polícia Militar do Interior (BPM/1), em Praia Grande, litoral paulista.

“Denunciar um superior é muito complicado. Por isso, quanto maior a distância de deslocamento dela, maior pode ser o risco de sofrer uma possível represália. E não queremos que isso aconteça”, explicou o advogado ao Uol.

Jéssica entrou na PM em 2013 e contou que começou a ter problemas com o comandante do Batalhão da Zona Sul de São Paulo em 2018. Após a denúncia, a PM informou que imediatamente instaurou um inquérito policial militar para apurar os fatos. “O oficial foi afastado do comando do Batalhão e a investigação é conduzida pela Corregedoria da Polícia Militar”, segundo a corporação.

Comentários