Internacional

Primeiro - Ministro da Suécia deverá deixar o cargo

Perda de apoio após flexibilização nas leis de aluguéis fizeram Stefan Löfven ser o primeiro premiê sueco a sofrer moção de desconfiança na história

diario da manha

Foi aprovado pelo Parlamento da Suécia na última segunda-feira (21), uma moção de desconfiaça contra o primeiro ministro Stefan Löfven. Por este motivo Stefan poderá renunciar o cargo, programar novas eleições , e também pode pedir para que o presidente do congresso crie um novo governo.

Moções de desconfiança são os votos censurados e este procedimento é usado em países parlamentaristas, semelhantemente é o situação da Suécia, onde a maioria do parlamento percebe que o governo não tem mais apoio da maioria dos congressistas.

E um dos motivos do enfraquecimento de gestão de löfven ,foi por que no Brasil teve uma discursão do senador Randolfe Rodrigues da (REDE-AP) e o deputado Osmar Terra(MDB-RS) na CPI da covid.

Nesta discussão o parlamentar ligado ao Presidente jair Bolsonaro relatou a Suécia, por não adotado medidas de lockdown , e que o país é um exemplo do combate a pandemia.

O Primeiro ministro perdeu apoio de partidos de esquerda que sustentava sua coligação , outra perda foi também a decisão do Premir em suster o congelamento dos aluguéis e imóveis.

MACHISMO NO AUTOMOBILISMO

De acordo com pesquisas feitas pelo Instituto Ipsos  mostra a insatisfação da população para com o primeiro ministro : em Setembro de 2020 após o primeiro pico da covid-19

Passageiros do metrô usam máscara de proteção durante a pandemia do novo coronavirus em Malmo, na Suécia.

Porém com a segunda onda a atuação na pandemia o Primeiro Ministro era de apenas 34%, somente em maio de 2020apenas 49% aprovaram sua gestão .

Löfven não fez em seu país medidas de restrições, com isso a Suécia tem o maior índice de óbitos por moradores e vizinhos nódicos na pandemia, fazendo com que sua popularidade viva um declínio total.

Mas o governo tomou medidas mais drásticas, começou a adotar medidas de restrições , fechando comércios, e limitando o número de pessoas em transportes públicos.

tags:

Comentários