Entretenimento

'Primeiro compraram', diz Paulo Coelho sobre casal que queimou seus livros

Vídeo que viralizou nesta terça-feira (29) no Twitter mostra um casal de idosos que rasga e queima páginas de um livro do escritor brasileiro

diario da manha
Foto: Reprodução/Twitter

O escritor Paulo Coelho comentou nesta terça-feira (29) sobre um vídeo que circula pelas redes sociais em que um casal de idosos rasga e queima páginas de um de seus livros. As folhas são jogadas em uma churrasqueira. Ao responder um comentário pelo Twitter que contava com o vídeo em anexo e a legenda “desmonetizaram o Paulo Coelho”, o autor disse: “Não. Primeiro compraram, depois queimaram. E o bigodinho do cara não deixa esconder a origem da ideia”. As informações são da revista Marie Claire.

Conforme a reportagem, o vídeo foi gravado por uma mulher, identificada como a neta do casal. Ela pergunta à idosa o que a avó está fazendo. “Eu estou rasgando os livros do Paulo Coelho, esse aqui é o décimo livro que estou queimando”, responde.

De acordo com a matéria, quando a neta pergunta o motivo, a senhora explica de forma enfática. “Ele pediu pra não comprarem os produtos do Brasil, lá fora falando mal do Brasil. Agora eu estou aqui queimando os livros dele, miserável”, argumenta a idosa. Por sua vez, a neta se refere ao escritor como “traíra e sabotador”.

‘Defund Bolsonaro’

De acordo com o site, Paulo Coelho passou a ser criticado por apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) após uma transmissão online de Bolsonaro. Durante live, promovida na última quinta-feira (24), o presidente se referiu à um tweet do escritor, que aderiu à campanha mundial “Defund Bolsonaro”.

Segundo a revista Marie Claire, a postagem de Paulo Coelho dizia: “Boicote exportações brasileiras ou o Taleban cristão controlará o país”. A revista aponta que a publicação foi apagada.

Conforme o jornal Estado de Minas, a campanha foi lançada no início deste mês como alerta sobre a destruição da Amazônia. A ação mobiliza pessoas pelas redes sociais e sugere o corte de financiamento ao presidente do Brasil.

Comentários