Entretenimento

Sikêra Jr é condenado a pagar R$ 30 mil por chamar modelo trans de 'raça desgraçada'

diario da manha

Conhecido por se envolver em polêmicas e ser apoiador do presidente Bolsonaro, o apresentador Sikêra Jr, da Rede TV, foi condenado a pagar R$ 30 mil de indenização para modelo transexual Viviany Beleboni. As informações são do colunista Rogério Gentile, da Folha de S. Paulo.

Sikêra utilizou uma foto da modelo, em que ela estava representando Jesus Cristo crucificado em uma encenação durante a Parada do Orgulho LGBTQI+ de 2015, no programa “Alerta Nacional”. A imagem foi usada para falar de um crime cometido por mulheres lesbicas. Em seguida, disparou vários xingamentos a Beleboni. Além disso, associou sua imagem a um crime que não tinha relação com ela. “Isso é um lixo, uma bosta, uma raça desgraçada”, afirmou o apresentador, ao vivo.

Leia também: “Pedi para morrer”, diz Sikêra Junior sobre dificuldades com o coronavírus

No processo, o Sikêra Jr. se defendeu dizendo que não quis compará-la às assinas e que apenas “emitiu opinião sobre movimentos, que, como a Parada Gay e seus adeptos, tratam com chacota os símbolos do cristianismo”.

A advogada que o representa, Viviane Barros Vidal, afirmou no processo que a modelo trans teria uma parcela de culpa. “Ao sair desfilando vestida de Jesus Cristo, deveria ter previsto que tal manifestação chocaria a sociedade”, disse.

Sikêra Jr é condenado a pagar R$ 30 mil por chamar modelo trans de 'raça desgraçada' (Foto: Reprodução/RedeTV)
Sikêra Jr é condenado a pagar R$ 30 mil por chamar modelo trans de ‘raça desgraçada’ (Foto: Reprodução/RedeTV)

Leia também: Após publicar foto de criança sem autorização, mãe pede R$ 270 mil a Flávio Bolsonaro

Condenado a pagar R$ 30 mil

Segundo informa a publicação, o juiz Sidney da Silva Braga disse em sua decisão que ficou demonstrado que o apresentador da Rede TV se utilizou da transexualidade e da foto de Viviany Beleboni para associá-la à pratica de crimes.

“O fato de a autora ser artista reconhecida não autoriza que possa ter sua imagem exposta sem autorização e ser chamada de ‘raça desgraçada’ em contexto de crítica à prática de um crime que com ela não tem qualquer relação”, informou o magistrado na sentença.

Como resultado, o juiz determinou que Sikêra pague R$ 30 mil e que a foto da modelo seja retirada da postagem sobre o crime, que além da TV, também foi postada no Youtube. De acordo com a Folha de SP, cabe recurso à decisão.

*Folha de SP

Comentários