Cultura

Livro lançado em 1981 chama atenção por suposta semelhança com pandemia

A obra de ficção lançado por Dean Koontz em 1981 é considerado uma ‘premonição’ nas redes sociais por apresentar semelhanças com a pandemia do novo coronavírus

diario da manha
Foto: Reprodução

Um livro do autor norte-americano Dean Koontz, lançado em 1981 têm conquistado popularidade após o surgimento de rumores nas redes sociais de que a obra seria uma previsão da atual pandemia de Covid-19. Os Olhos da Escuridão, no entanto, aborda a infestação do vírus ficcional Wuhan-400 que se diferencia do Sars-CoV-2 em diversos aspectos.

Foto: Reprodução

No livro, Dean Koontz descreve o vírus Wuhan-400, como altamente infeccioso, com manifestação rápida, em até 4 horas, levando o portador a morte imediata. Já no caso do Sars-CoV-2, causador da atual pandemia de Covid-19, o ciclo de contágio é diferente, pode se manifestar dentro de cinco a 14 dias e não é necessariamente fatal.

Entretanto o livro de ficção descreve um mundo com atividades paranormais, mas se passa na cidade de Wuhan, a mesma cidade chinesa que é considerada epicentro da pandemia. Além desta semelhança, o cientista da obra de Dean Koontz é também chinês, assim como Li Che – responsável pela publicação de uma pesquisa sobre classes de coronavírus em uma revista especializada: a Emerging Microbes & Infections em 2018.

Para o editor da Citadel – Grupo Editorial que lançou o livro Os Olhos da Escuridão no Brasil, as coincidências se dão pelo fato do autor, Dean Koontz, ter feito uma pesquisa em laboratórios de biotecnologia pelo mundo e ter descoberto que em Wuhan estava localizado o maior centro de produção de vacinas do mundo.

Marcial Conte Jr., afirma “depende do que cada um acredita”. Nas redes sociais circulou comentários de que o livro fez uma previsão da pandemia por mencionar um surto de doenças respiratórias, que se espalharia pelo mundo em 2020, mas o trecho em questão pertence à obra End of Days: Predictions and Prophecies About the End of the World, da autora Sylvia Browne, de 2008.

*Com informações do Metrópoles.

Comentários