Entretenimento

Festival Fronteira começa nesta quinta

diario da manha
Cena do filme 165708, de Josephine Massarella (Canadá), que estará na abertura do festival

O cinema é uma expressão artística que aproxima a realidade do espectador com o tema apresentado. A mú­sica, a poesia e as artes visuais também caminham nessa estra­da, mas o audiovisual, quando retrata uma realidade, consegue transferir o público para dentro, de uma forma muito mais imersiva. Os chamados videodocumentá­rios podem ser definidos como um recorte de um mundo que, ape­sar da visão do cineasta, consegue compartilhar emoções. Em Goiâ­nia, os festivais de cinema têm um foco bem específico. Enquanto o Fica, realizado na cidade de Goiás pelo governo estadual, trata o meio ambiente, o Mostra Curtas, realiza­do em Goiânia, foca as produções com duração mínima. Já o Frontei­ra, que começa nesta quinta-feira (12/4) tem como foco principal o experimento e o documentário.

O Fronteira IV – Festival Inter­nacional de Filme Documentário e Experimental conta com 98 filmes na programação, com produções realizadas em 26 países.As ativida­des estão distribuídas entre os dias 12 e 21 de abril deste ano, no Cine­ma Lumière do Banana Shopping, no Centro de Goiânia. Os ingressos podem ser adquiridos a R$ 8 intei­ra, R$ 4 meia e R$ 70 o passaporte para todas as sessões. A sessão de abertura, no dia 12 de abril, tem início às 20h. O evento conta com a exibição de 165708, curta de Jose­phine Massarella (Canadá, 2017), e Djamilia, Aminatou Echard (Fran­ça, 2018), com a presença da reali­zadora francesa.

165708 – Filmado inteiramente em 16mm preto e branco e usando um único fotograma, 165708 em­prega técnicas de câmera e manipu­lação química de filme processado para produzir um estudo eidético da elasticidade temporal. As técni­cas usadas por Josephine Massarella incluem cintilação, time-lapse, light painting, stop motion, tingimen­to e tonificação. Combinados com ciclos alternados de exposição dos fotogramas, esses métodos impe­lem o trabalho com um magnetis­mo rítmico, aparente no tempo e na estética das imagens. Uma partitu­ra original e dinâmica composta por Graham Stewart acompanha o fil­me, recém-premiado como melhor curta-metragem no Ann Arbor Film Festival, o mais antigo e importante festival de cinema independente e de vanguarda dos Estados Unidos.

Djamilia – Gravado no Quir­guistão, o filme é uma busca por Jamila, famosa heroína do clássi­co romance de Chingiz Aitmatov sobre uma jovem mulher que se rebela contra as tradições de sua sociedade. A partir dessa história, Aminatou Echard encontra mu­lheres que, ao falarem sobre Ja­mila, revelam segredos e desejos de suas vidas privadas, regras em que se encaixam e suas ideias de liberdade. Atualmente em com­petição no Cinéma du Réel, o fil­me recentemente esteve na sele­ção da prestigiada Seção Fórum no Festival de Berlim.

Cineasta canadense Josephine Massarella
Cena do filme Djamilia que será apresentado na abertura do evento

PROGRAMAÇÃO DESTA SEMANA:

12/04 – QUINTA-FEIRA

LOCAL: Lumière Banana

20h – SESSÃO DE ABERTURA (LIVRE)

165708, Josephine Massarella (Canadá, 2017, 7 min)

Djamilia, Aminatou Echard (França, 2018, 84 min)

*Sessão comentada pela cineasta Aminatou Echard (França)

13/04 – SEXTA-FEIRA

LOCAL: Lumière Banana

14h20 – MOSTRA ESPECIAL: VISÕES DA DESTRUIÇÃO

PROGRAMA 1 – EMINÊNCIAS DA MORTE (LIVRE)

Tão Longe Tão Perto (Si loin si proche), Jean Claude Rousseau (França / Japão, 2016,

26 min)

Festejo Muito Pessoal, Carlos Adriano (Brasil, 2016, 8 min)

25 Cines/seg, Luis Macias (Espanha, 2017, 29 min)

16h – EXIBIÇÃO ESPECIAL (14 ANOS)

Hengyoro – Caminhos Estranhos (Hengyoro), Takamine Go (Japão, 2017, 81 min)

18h – ATUALIDADE ROSSELLINI (12

ANOS)

Stromboli, Roberto Rossellini (Itália, 1950, 107 min)

*Sessão comentada pelo curador Adriano Aprà (Itália)

21h20 – COMPETITIVA INTERNACIONAL DE LONGAS-METRAGENS (12 ANOS)

Terra Solitária (Tierra Sola), Tiziana Panizza (Chile, 2017, 107 min)

14/04 – SÁBADO

LOCAL: Lumière Banana

09h às 12h – MASTERCLASS COM ADRIANO APRÀ (ITÁLIA)

14h20 – MOSTRA ESPECIAL: VISÕES DA DESTRUIÇÃO

PROGRAMA 2 – JANELAS PARA O HORIZONTE (18 ANOS)

A Vila (La Villa), Jean-Claude Rousseau (France, 2017, 11 min)

Fosfeno, David Gómez Alzate (Alemanha, 2018, 11 min)

Entre Relacionar e Usar (Between Relating And Use), Nazli Dinçel (Argentina / EUA,

2018, 9 min)

Aliens, Luis López Carrasco (Espanha, 2017, 23 min)

Coração da Montanha (Heart Of A Mountain), Parastoo Anoushahpour, Faraz

Anoushahpour e Ryan Ferko (Taiwan / Canadá, 2017, 15 min)

Ladridos, Yuji Kodato e Gabriela Ruvalcaba (Cuba / Brasil / México, 2017, 9 min)

Cavalgue Como um Raio, Exploda Como um Trovão (Ride Like Lightning, Crash Like

Thunder), Fern Silva (EUA, 2017, 8 min)

Conforto das Estações (Comfort Stations), Anja Dornieden e Juan David González

Monroy (Alemanha, 2018, 26 min)

16h40 – ATUALIDADE ROSSELLINI (16 ANOS)

Roma Cidade Aberta, Roberto Rossellini (Itália, 1945, 100 min)

*Sessão apresentada pelo curador Adriano Aprà (Itália)

18h50 – COMPETITIVA INTERNACIONAL DE LONGAS-METRAGENS (14

ANOS)

Tremor – É Sempre Guerra (Tremor – Es is immer Krieg), Annik Leroy (Bélgica, 2017,

92 min)

21h – CINEASTAS NA FRONTEIRA: STEPHEN BROOMER (LIVRE)

Potamkin, Stephen Broomer (Canadá, 2017, 67 min)

*Sessão comentada pelo cineasta Stephen Broomer (Canadá)

15/04 – DOMINGO

LOCAL: Lumière Banana

09h às 12h – MASTERCLASS COM ADRIANO APRÀ (ITÁLIA)

14h20 – EXIBIÇÃO ESPECIAL (LIVRE)

Diários de Classe, Maria Carolina e Igor Sousa (Brasil, 2017, 72 min)

16h – MOSTRA ESPECIAL: ÀS PRIMAVERAS QUE VIRÃO (14 ANOS)

Informes da Nova Esquerda (New Left Note), Saul Levine (EUA, 1968 – 1982, 28 min)

Secundas, Cacá Nazário (Brasil, 2017, 20 min)

Lamentos da Destruição (Cry Havoc), Guli Silberstein (Reino Unido, 2017, 6 min)

Blues do Deslocamento (Dislocation Blues), Sky Hopinka (EUA, 2017, 16 min)

Um pouco da brasa que voa (Un Peau de Feu Que Volé), Sylvain George, (França,

2017, 11 min)

Ainda maio (Joli Mai), Sylvain George, (França, 2017, 13 min)

O Transeunte Integral (Le Passánt Integral), Léo Richard (França, 2017, 12 min)

*Debate com Marcello Soldan, Mateus Ferreira e Tatiana Leal

19h20 – COMPETITIVA INTERNACIONAL DE LONGAS-METRAGENS (12

ANOS)

Eles Ainda Queimam (Essi Bruciano Ancora), Felice D’Agostino e Arturo Lavorato

(Itália / França, 2017, 93 min)

21h20 – ATUALIDADE ROSSELLINI (14 ANOS)

Paisà, Roberto Rossellini (Itália, 1946, 126 min)

*Sessão apresentada pelo curador Adriano Aprà (Itália)

 

Comentários

Mais de Entretenimento

9 de julho de 2019 as 11:36

Cuphead vai se tornar série na Netflix

25 de maio de 2019 as 19:51

Atriz Lady Francisco morre no Rio