Economia

Consumidores compram cada vez mais pela internet

Pesquisa, realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito, em parceria com o Sebrae, aponta que nos últimos 12 meses, oito em cada dez (79%) internautas fizeram alguma compra usando aplicativos de lojas

diario da manha

Anos atrás poucos imaginariam fazer compras dos mais variados produtos através de meios de comunicação que não fossem os tradicionais. A ida à loja, por exemplo, seria necessária. Hoje, o uso de aplicativo e de redes sociais tornou-se comum.

Interessante pesquisa, realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito, em parceria com o Sebrae, demonstra essa possibilidade. Mais, só nos últimos 12 meses anteriores, oito em cada dez (79%) internautas fizeram alguma compra usando aplicativos de lojas, um aumento de 18 pontos percentuais em comparação ao estudo realizado em 2019.

Para os entrevistados, a praticidade e agilidade (54%) é o que mais estimula a comprar via app. Outras razões apontadas são a ideia de não precisar sair de casa (49%) e a facilidade de acesso do celular de qualquer lugar (47%).

Quanto aos produtos mais comprados pelos internautas via aplicativos de loja nesse período, comidas e bebidas por delivery (65%) lideram o ranking, um aumento de 38 pontos percentuais em comparação a 2019. Em seguida, aparecem os serviços de transporte (48%) e moda e vestuário (35%).

MACHISMO NO AUTOMOBILISMO

“O consumo por meio de aplicativos cresceu de forma exponencial nos últimos anos e o varejo investiu nessa tendência, que foi também impulsionada pelo cenário de pandemia. As grandes marcas construíram aplicativos mais ágeis e práticos; e investiram no relacionamento com os clientes, buscando entender melhor sobre seus hábitos de consumo, suas necessidades e preferências. O uso de aplicativos de transporte, por exemplo, tem sido muito utilizado por idosos, que até então tinham uma certa resistência a esse tipo de consumo”, analisa o presidente da CNDL, José César da Costa.

Entre as principais razões, destacam-se: rapidez e praticidade (42%); conseguir interagir e tirar dúvidas com o vendedor (42%, principalmente entre as mulheres e com aumento de 14 pontos percentuais em relação à 2019); encontrar os melhores preços e ofertas do mercado (39%); e ser atraído pela publicidade (36%).

A pesquisa também mostra que comidas e bebidas por delivery (47%) foram os itens mais adquiridos pelas redes sociais, um aumento de 20 pontos percentuais em relação a 2019. Já os produtos de moda e vestuário (40%) ficaram em segundo lugar no ranking, seguidos por cosméticos, perfumes e produtos para o cabelo (36%).

“O consumidor quer ter acesso a canais de compra que permitam escolher o que for mais conveniente. Isso significa que o varejo precisa continuar desenvolvendo experiências que atraiam os consumidores e promovam o engajamento. Ou seja, é fundamental reduzir cada vez mais a distância entre o varejo físico e comércio online, além de direcionar esforços para oferecer uma excelente experiência de compra ao consumidor”, afirma Costa.

Comentários