Economia

Receita do comércio reduz 2,5% momento e o pior da categoria desde março 2003

Salto de 14,6% nas vendas em supermercados diminui impacto no comércio varejista em meio à pandemia. Categoria encerrou o 1º trimestre com queda de 2%

diario da manha

O faturamento do comércio varejista declinou 2,5% no período referente a março, em relação ao mês de fevereiro, segundo pesquisa divulgada nesta quarta-feira (13) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O que significa o pior resultado para o mês de março desde 2003, quando o segmento teve queda de 2,7%, apontando o menor índice mensal desde janeiro de 2016 (-2,6%).

A comparação considerada advêm do mês de março de 2019, o comércio varejista regrediu 1,2%. Sendo observada a primeira desaceleração fazendo paralelo anual após 11 meses decorrentes de altas.

O IBGE também ponderou o quantitativo de fevereiro, em comparação a janeiro, de 1,2% para 0,5%.

Ocasionando um impacto desanimador registrado em março, o comércio atravessou um boa fase transparecendo uma alta de 1,6% no ano e 2,1% nos últimos 12 meses. O nível de vendas passou a ficar situado 7,4% abaixo da maior marca (recorde) atingida em novembro 2014. Em fevereiro, era separada por 5,1%.

A consequência de março teve influência em detrimento a diminuição da procura e a fragilidade da economia, e aponta os resultados dos primeiros impactos da crise de saúde sanitária no país, apresentando uma boa parcela de lojas fechadas ou exercendo apenas no sistema delivery.

Vale a pena considerar que o início das atividades de prevenção e o vigor do período de confinamento não ocorreu durante todo o mês de março, aguardando um estimativa de um baque, só que ainda maior em abril.

*Com informações do G1

Comentários